Sejam Bem vindos!

24 de fevereiro de 2013

PCN's de PERNAMBUCO

Material disponível no site da educação (www.educacao.ep.gov.br)

Caro Professor,

Com o objetivo de facilitar o acesso e a apropriação sobre os Parâmetros Curriculares da Educação Básica de Pernambuco para fins de consulta, estudos e planejamento escolar, a Secretaria de Educação disponibiliza abaixo a versão digitalizada dos referidos documentos.
Desejamos uma ótima leitura!

Secretaria Estadual de Educação

OTM's dos Componentes Curriculares (PE)

 Material disponível no site da educação(www.educacao.pe.gov.br)

Orientações Teórico-Metodológicas
Com objetivo de melhorar a qualidade do ensino na rede estadual, a secretaria de Educação disponibiliza documentos que contém as Orientações Teórico-Metodológicas nas áreas de língua portuguesa, de matemática, de ciências naturais e de arte.

Tais orientações são vistas como referenciais estruturadores das práticas de ensino das disciplinas. Nesse momento apresentamos os perfis correspondentes ao Ensino Fundamental (1ª à 8ª série / 1º ao 9º ano) e ao Ensino Médio.

Esperamos que este material contribua de forma crítica, contextualizada e reflexiva para a ação pedagógica e a docência dos que fazem a escola pública no estado de Pernambuco.
Orientações Teórico-Metodológicas Jovens Adultos e Idosos




Matriz Curricular
Para facilitar a discussão e orientar os professores, disponibilizamos os conteúdos das disciplinas de Educação Ambiental, História da Cultura Pernambucana, Educação e Trabalho, Educação Física e Direitos Humanos e Cidadania. Todas elas foram inseridas na parte diversificada da nova matriz curricular. Os textos trazem sugestões de metodologia, bibliografia e temas de trabalho para as quatro unidades.


Base Curricular Comum
A Secretaria de Educação e a União dos Dirigentes Municipais de Educação - UNDIME disponibilizam os documentos dos componentes curriculares de Língua Portuguesa e Matemática, que compõem a Base Curricular Comum da Educação Básica - BCC - para as redes públicas de ensino de Pernambuco.
Nestes documentos os professores encontram saberes e conhecimentos das duas áreas do currículo que podem ser transformados em conhecimentos a serem ensinados na sala. Além disso, a BCC deve servir de referencial à avaliação do desempenho dos alunos, atualmente conduzidos pelo Sistema de Avaliação Educacional de Pernambuco – SAEPE, que tem procurado avaliar e prestar contas à sociedade da qualidade do ensino oferecido pelo Estado, nas áreas de Língua Portuguesa e Matemática. Ao disponibilizar estes documentos a Secretaria e a UNDIME esperam que todos os segmentos sociais que a eles tenham acesso retornem com a crítica fundada e transformadora a partir de oportunidades de formação continuada e de debates fecundos.

2 de janeiro de 2013

Instrução Normativa - Central de Tecnologia


Diário Oficial 21.11.2012


INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 09/2012

Orienta procedimentos para a implantação e funcionamento de Central de Tecnologia Educacional em Escolas da Rede Estadual de Ensino, e dá outras providências.

A Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação – SEDE, através da Gerência de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental e de acordo com parecer favorável da Gerência de Normatização do Ensino, com base no Decreto nº 35.681 de 13/10/10, considerando o disposto no inciso VII do art. 206 da Constituição Federal, no inciso IX do art 3º da Lei Nº 9.394/96 LDBEN, na Lei Nº 10.172/01 Plano Nacional de Educação.

RESOLVE:

Art. 1º. A Central de Tecnologia Educacional constitui um ambiente pedagógico que tem como objetivos:

I. apoiar o desenvolvimento do ensino, com a utilização de meios tecnológicos e audiovisuais na dinamização do currículo, visando a construção de uma consciência cidadã;

II. desenvolver ações a partir de uma reflexão analítico-crítica da realidade social, para a intervenção dessa realidade, concretização das prioridades educacionais e consolidação da gestão democrática, através das tecnologias educacionais;

III. possibilitar a formação continuada dos profissionais de educação, em articulação com os demais segmentos da escola, através de programas de educação a distância com ênfase na programação do canal TV Escola;

IV. disponibilizar tecnologias da informação e comunicação para a comunidade escolar.

Art. 2º. As escolas da rede estadual, para implantação de Central de Tecnologia Educacional, deverão disponibilizar espaço físico e infraestrutura adequados que possibilitem a produção de material e desenvolvimento de atividades com o uso das mídias.

Art. 3º. Os espaços físicos das Centrais de Tecnologia Educacional deverão apresentar dimensão mínima de 40m², iluminação e ventilação adequadas para a realização de atividades pedagógicas e disposição do acervo da videoteca.

Art 4º. São recursos necessários para funcionamento da Central de Tecnologia Educacional:

I. em relação ao mobiliário:
a) 02 armários de aço;
b) 01 arquivo de aço;
c) 01 mesa para computador;
d) 02 cadeiras com rodízio;
e) 01 mesa para colocação de aparelho de projeção;
f) 10 cadeiras;
g) 01 mesa de 06 lugares para reunião;




II. em relação aos equipamentos:
a) 01 antena parabólica analógica ou digital;
b) 01 aparelho de TV 40” ou 42”;
c) 01 aparelho reprodutor e gravador de DVD;
d) 01 computador multimídia com placa de captura de vídeo (PC Pentium), ligado em rede à Internet;
e) 01 webcam;
f) 01 impressora multifuncional;
g) 01 projetor multimídia;
h) 01 tela de projeção;
i) 01 filmadora digital;
j) 01 câmara fotográfica digital;
k) 01 microfone;
l) 01 amplificador de som;
m) 01 headfone multimídia;
n) 01 memória removível (pen drive) de 8Gb;

III. em relação ao material de apoio:
a) KIT DVD Escola;
b) Mídias virgens (DVD, CD);
c) jogos educativos;
d) materiais de consumo e permanente, necessários à seleção, produção e utilização de material pedagógico.

Art. 5º O processo relativo à implantação de Central de Tecnologia Educacional em escolas da Rede Estadual de Ensino, deverá ser encaminhado pela direção da escola à Gerência Regional de Educação, de sua jurisdição, com a seguinte documentação:

I. ofício ao Secretário de Educação e Gestor(a) da Gerência Regional de Educação;

II. formulário de cadastramento para implantação de Central de Tecnologia Educacional, devidamente preenchido;

III. proposta pedagógica da Central de Tecnologia Educacional elaborada com base no projeto político pedagógico da escola;

IV. emenda regimental;

V. visita de verificação prévia.

Art. 6º. A Gerência Regional de Educação – GRE procederá análise da documentação apresentada, realizará visita de inspeção escolar, emitirá parecer técnico, e encaminhará o processo à SEDE/GEIF/UEAD para providências cabíveis.

Art. 7º. Em se tratando de parecer favorável da GRE, a GEIF/UEAD emitirá pronunciamento e encaminhará o processo à Gerência de Normatização do Ensino, a qual procederá a análise da emenda regimental para efeito de aprovação e publicação de Portaria no Diário Oficial do Estado.

Art. 8º. A proposta pedagógica de funcionamento, de que trata o inciso III, artigo 5º dessa Instrução, deverá obedecer em sua elaboração a seguinte organização:

I. estar em consonância com o projeto político pedagógico da escola;

II. conceber a Central de Tecnologia Educacional como um ambiente pedagógico de cultura audiovisual e formação de leitores de palavras, gestos, imagens e sons;

III. desenvolver atividades de integração de tecnologias e mídias, explorando suas características constitutivas, agregando efetivos avanços na formação de alunos e professores.

Art. 9º. Implantada, a Central de Tecnologia Educacional deverá funcionar nos horários regulares da escola, sob a responsabilidade do 01 (um) coordenador.

Art.10. A função técnico-pedagógica de coordenação da Central de Tecnologia Educacional será desempenhada por um professor efetivo do quadro da Secretaria de Educação, submetido a processo de seleção, o qual deverá cumprir jornada de trabalho correspondente a 200 (duzentas) horas aulas mensais.

Parágrafo único. O professor readaptado poderá desenvolver atividades técnico-pedagógicas, para tanto devendo cumprir a exigência prevista no “caput” do artigo 13, parágrafo 5º, da Lei Estadual 11.329/96, no prazo máximo de 3 (três) anos, sendo lotado para o desempenho da função de acordo com a necessidade de serviço, após preenchidas as vagas decorrentes da seleção.

Art. 11. O quantitativo de coordenadores de cada Central de Tecnologia Educacional será determinado pelo número de turnos de funcionamento das escolas.

Parágrafo único. No quantitativo de vagas de coordenador de Central de Tecnologia Educacional serão incluídos os professores readaptados.

Art. 12. São atribuições do coordenador de Central de Tecnologia Educacional:
I. participar da elaboração, operacionalização e avaliação do Projeto Político Pedagógico da escola, mediante a utilização de tecnologias adequadas;

II. utilizar os multimeios de que dispõe a Central de Tecnologia Educacional para operacionalização e divulgação das políticas públicas, das ações desenvolvidas na escola e assuntos de utilidade pública para a comunidade escolar;

III. promover a socialização e intercâmbio da comunidade escolar mediante a divulgação das produções científicas, sociais e culturais em ações articuladas com o Educador de Apoio, Coordenador de Biblioteca, Professores e Estudantes;

IV. utilizar multimeios no contexto das atividades curriculares e como elementos de apoio à formação continuada;

V. participar ativamente da gestão democrática da escola, propondo soluções alternativas na condução do processo escolar e estratégias de superação de dificuldades educativas dos estudantes;

VI. responsabilizar-se pelo empréstimo de equipamentos e material de apoio pedagógico, procedendo a orientação e capacitação sobre a utilização adequada dos mesmos, considerando as atividades a serem desenvolvidas;

VII. organizar e manter em perfeito estado de uso a videoteca;

VIII. coordenar a recepção organizada do programa de formação continuada a distância “Um Salto para o Futuro” ,veiculado pelo canal TV Escola /MEC e outros oferecidos pelo MEC, pela SEE-PE e convênios;

IX. promover atividades permanentes de alfabetização audiovisual;

X. promover a exibição de filmes e audiovisuais de produção nacional;

XI. implantar e implementar o cineclube na escola;

XII. elaborar, anualmente, um plano de ação.

Art. 13. As escolas que não têm espaço físico adequado ao funcionamento de uma Central de Tecnologia Educacional deverão dispor de uma sala com KIT TV ESCOLA, ou seja, TV, DVD e ponto de recepção para antena parabólica.

Art. 14. Em caso de paralisação e ou extinção das atividades da Central de Tecnologia Educacional, deverá ser encaminhado à Gerência Regional de Educação, ofício ao Secretário de Educação e Gestor(a) da Gerência Regional de Educação, a qual a escola é jurisdicionada.

Parágrafo único. Em se tratando de extinção da Central de Tecnologia Educacional, o gestor deverá informar a relação de equipamentos, materiais, mobiliário e acervo da videoteca para as providências cabíveis.

Art. 15. Os casos omissos serão resolvidos pela Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação, Gerência de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, Gerência Regional de Educação.

Art. 16. Esta Instrução entrará em vigor a partir da publicação da portaria no Diário Oficial do Estado.

Recife, 16 de novembro de 2012.

Ana Selva
Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação

Shirley Cristina Lacerda Malta
Gerência de Políticas Educacionais da
Educação Infantil e Ensino Fundamental

Vicência Barbosa de Andrade Torres
Gerência de Normatização do Ensino

30 de setembro de 2012

Material do PROGEPE

http://www.4shared.com/folder/64zT_JW4/Mdulo_VIII.html
http://www.4shared.com/office/YctsouYK/SLIDES_-_MDULO_9.html
http://www.4shared.com/office/HcliNcal/SLIDES_-_MDULO_VI1.html
http://www.4shared.com/office/Ajx-OwDl/Roteiro_-_MDULO_9.html
http://www.4shared.com/office/X74KjoNd/MDULO_VI_-_PROGEPE__1_.html
http://www.4shared.com/office/lq_xCWtO/MDULO_09_-_PROGEPE_E_PROTEPE.html
http://www.4shared.com/office/GnrLnuNK/ROTEIRO_-_MDULO_VI_-_PROGEPE.html
http://www.4shared.com/office/8u3ZNFkB/Slides_-_MDULO_VII_FINAL.html
http://www.4shared.com/office/_i8b1eUU/SLIDES___M_DULO_V.html
http://www.4shared.com/file/wju74VAF/INSTRUMENTO_DE_MONITORAMENTO_L.html
http://www.4shared.com/office/aFL7XZQD/OTM_-_MATEMTICA_-_para_formao.html
http://www.4shared.com/office/oKyPalwr/OTM_CINCIAS.html
http://www.4shared.com/office/B8XBsTY1/OTM_DE_GEOGRAFIA_FUNDAMENTAL.html
http://www.4shared.com/office/lTjKuOuM/OTM_DE_HISTRIA_FUNDAMENTAL.html
http://www.4shared.com/office/Sb_6trk2/OTM_DE_HISTRIA_MDIO.html
http://www.4shared.com/office/zF-_QG7R/OTM_GEOGRAFIA_MDIO.html
http://www.4shared.com/office/osM4OTz7/OTM_LNGUA_PORTUGUESA_FUNDAMETA.html
http://www.4shared.com/office/pTBeeQCc/Slides_-_Mdulo_IV.html

EJA - OTM's

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO FUNDAMENTAL

RECIFE – 2012
2

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretaria Executiva de Desenvolvimento de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretaria Executiva de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes de Abreu

Chefe de Unidade da Gerência da Educação de Jovens e Adultos

Maria Cândida Sérgio
3

Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa
4

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – GEJA

Coordenação

:

Maria Cândida Sérgio – GEJA – Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos – UEJAI

Equipe de elaboração

:

Marcos Antonio Heleno Duarte – Equipe de Ensino da Gerência de Avaliação e Monitoramento das Políticas Educacionais

Vânia de Moura Barbosa – Equipe de Ensino da Gerência de Políticas Educacionais de Educação Infantil e Ensino Fundamental

Revisão

:

Monica Dias do Nascimento - Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Rosa Maria de Souza Leal Santos - Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI
5

APRESENTAÇÃO



A Secretaria de Educação de Pernambuco – Gerência da Educação de Jovens e Adultos (GEJA) – voltada para a garantia de uma Educação na perspectiva da formação ao longo da vida para aqueles(as) que não tiveram oportunidade em idade própria, em situação de privação de liberdade e pela inclusão sociocultural, apresenta as Orientações Teórico-metodológicas (OTM) com a finalidade de subsidiar o processo de reorganização curricular das escolas que atendem os estudantes da EJA.

Este documento na sua organização metodológica seleciona algumas orientações metodológicas e conteúdos como sugestões para o trabalho do(a) professor(a) em sala de aula, contribuindo para a prática pedagógica no Ensino Fundamental e Ensino Médio da EJA.

Assim, as metodologias apontadas, buscam atender as necessidades e as especificidades desses estudantes, bem como as condições de trabalho dos(as) professores(as).

Neste cenário, as instituições oferecerem um ensino de qualidade aos jovens, adultos e idosos é uma necessidade urgente para contribuir com a elevação da escolaridade para que esses estudantes possam ter melhores chances de inserção no mundo do trabalho e no seu contexto sociocultural.

Para tanto, a construção das Orientações Teórico-Metodológicas tomou como referência os documentos oficiais que norteiam os princípios da modalidade Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, Nº 9.394/96, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos: Parecer Nº 11/2000 CNE 1/2000, Resolução CNE – CEB 1/2000, Base Curricular Comum do Estado de Pernambuco – BCC, Parâmetros Curriculares para a EJA e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio.

Nesse processo é importante salientar a participação dos(as) técnicos(as) de ensino das dezessete Gerências Regionais de Educação, da Gerência de Políticas da Educação Infantil e Ensino Fundamental, da Gerência de Políticas para o Ensino Médio, da Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, Coordenadores(as) da EJA das dezessete Gerências Regionais de Educação e Educadores de Apoio que atuam na EJA.
6

Foram contribuições qualitativas e quantitativas ao longo desse processo que resultaram neste documento – versão preliminar, mas que já apresenta a identidade da referida modalidade de ensino, elemento peculiar para o currículo e para a prática pedagógica.

Entendendo-se a relevância deste trabalho coletivo, as OTM representam um avanço para o nosso Estado, possibilitando aos professores(as) mais um instrumento de apoio e possibilidades na reorganização curricular para a EJA. Assim, esperamos contribuir para reflexões e discussões no interior da escola a serem realizadas pelos sujeitos educativos, no intuito de que a prática pedagógica seja de fato uma ação voltada para o exercício da cidadania dos estudantes da Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Gerência da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Claudia Mendes de Abreu
7

INTRODUÇÃO



Inicialmente é importante salientar que tivemos como base os debates e sugestões gerados nos encontros e seminários de formação continuada de Matemática, promovidos pela Gerência de Educação de Jovens e Adultos, nos quais se iniciou o trabalho de construção da versão preliminar destas Orientações Teórico Metodológicas de Matemática que, ora apresentamos com a intencionalidade de aprofundamento das discussões e aperfeiçoamento da proposta no decorrer do processo de ensino aprendizagem, na abrangência das escolas da rede estadual de ensino de Pernambuco que atuam na modalidade de ensino para a Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

As especificidades que estruturam a Matemática para a modalidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos devem ser utilizadas como instrumentos que possibilitem o acesso ao mundo do trabalho e à vivência da cidadania, porém que também sejam meios de acesso ao desenvolvimento de habilidades e competências do ponto de vista cognitivo, tais como o desenvolvimento do raciocínio lógico e a capacidade de estabelecer estratégias para argumentação e resolução de problemas.

As Orientações Teórico-Metodológicas (OTM) de Matemática estão organizadas em cinco eixos estruturadores - números e operações, álgebra e funções, grandezas e medidas, geometria e estatística, probabilidade e combinatória - considerando a proposta apresentada na Base Curricular Comum de Matemática (PERNAMBUCO, 2008). Os referidos eixos são norteadores para a organização dos conteúdos, a qual será elencada pelo professor, de forma que viabilize a construção das competências indicadas para o ensino de matemática na referida modalidade.

De acordo com as Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (BRASIL, 2006), o trabalho pedagógico deve priorizar o valor formativo, enfatizando o desenvolvimento do pensamento matemático e "descartando-se as exigências de memorização, as apresentações de "regras" desprovidas de explicações, a resolução de exercícios repetitivos de "fixação" ou a aplicação direta de fórmulas (BRASIL, 2006, p.70).
8

Nesse sentido, a atividade docente tem sua relevância no processo de desenvolvimento do estudante, uma vez que as competências elencadas anteriormente não se desenvolvem a partir da resolução de atividades com fins de memorização de fórmulas e procedimentos. Contudo, indicamos que as atividades, na sala de aula, sejam desenvolvidas, levando-se em consideração o conhecimento que os estudantes apresentam a partir da experiência de vida (escolar ou não), conduzindo tais atividades pelo viés da contextualização, com a utilização de resolução de problemas, inclusive as que surgem nas atividades realizadas com jogos, e que estejam conectadas com situações que podem ser discutidas por outras áreas do conhecimento.

Dessa forma, consideramos que seja vivenciada uma Matemática que tenha sentido prático para o aluno e possa levá-lo a compreender e agir sobre a realidade que o cerca. Logo, é significativa a realização de atividades que promovam o desenvolvimento do raciocínio para o aluno ser capaz de ler e compreender gráficos, tabelas, expressões, textos, entre outros, além de suas construções e que estimulem a criatividade, a investigação, a elaboração e a compreensão de ideias e de argumentos. Assim como a utilização de recursos da tecnologia da informação e da comunicação no processo de ensino e aprendizagem de Matemática na modalidade da EJAI.

Enfim, destacamos que as Orientações Teórico-Metodológicas se configuram como um documento colaborador da prática docente, porém não abrange suficientemente a complexidade em que consiste o fazer pedagógico. Logo, indicamos que essas orientações sejam acrescidas por uma postura de professor-pesquisador que busca, constantemente, por discussão, informação e conhecimentos para ressignificar sua prática.
9

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – GEJA


UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI
ORIENTAÇÃO TEÓRICO - METODOLÓGICA


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E

IDOSOS(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

CIÊNCIAS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – ENSINO

FUNDAMENTAL


RECIFE – 2012

2

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E

IDOSOS(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado


Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação


Ana Coêlho Vieira Selva

Secretária Executiva de Desenvolvimento de Rede


Margareth Costa Zaponi

Secretário Executiva de Educação Profissional


Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos


Claudia Mendes de Abreu

Chefe de Unidade da Gerência da Educação de Jovens e Adultos


Maria Cândida Sérgio

3

Equipe Técnica/Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos -

UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa

4

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

– GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Coordenação:


Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e

Idosos - UEJAI

Equipe de elaboração:


Verônica Luzia Gomes de Sousa – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Roberto de Carvalho Ventura – Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas de Jovens

Adultos e Idosos (GEJA)

Ana Rita Rego – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas de Educação Infantil e

Ensino Fundamental (GEIF).

Fátima Andrade – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas Educacionais do Ensino

Médio (GPEM).

Sueli Tavares de Sousa Silva – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas

Educacionais do Ensino Médio.

Valderês da Conceição do Monte – Técnica Pedagógica da Unidade de Ensino da

Metropolitana Sul.

Revisão:


Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de

Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Rosa Maria de Souza Leal Santos – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Diego Bruno Barbosa Felix - Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

5

APRESENTAÇÃO


A Secretaria de Educação de Pernambuco – Gerência da Educação de Jovens e

Adultos (GEJA) – voltada para a garantia de uma Educação na perspectiva da formação

ao longo da vida para aqueles(as) que não tiveram oportunidade em idade própria, em

situação de privação de liberdade e pela inclusão sociocultural, apresenta as Orientações

Teórico-metodológicas (OTM) com a finalidade de subsidiar o processo de

reorganização curricular das escolas que atendem os estudantes da EJA.

Este documento na sua organização metodológica seleciona algumas

orientações metodológicas e conteúdos como sugestões para o trabalho do(a)

professor(a) em sala de aula, contribuindo para a prática pedagógica no Ensino

Fundamental e Ensino Médio da EJA.

Assim, as metodologias apontadas, buscam atender as necessidades e as

especificidades desses estudantes, bem como as condições de trabalho dos(as)

professores(as).

Neste cenário, as instituições oferecerem um ensino de qualidade aos jovens,

adultos e idosos é uma necessidade urgente para contribuir com a elevação da

escolaridade para que esses estudantes possam ter melhores chances de inserção no

mundo do trabalho e no seu contexto sociocultural.

Para tanto, a construção das Orientações Teórico-Metodológicas tomou como

referência os documentos oficiais que norteiam os princípios da modalidade Lei de

Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, Nº 9.394/96, Diretrizes Curriculares

Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos: Parecer Nº 11/2000 CNE 1/2000,

Resolução CNE – CEB 1/2000, Base Curricular Comum do Estado de Pernambuco –

BCC, Parâmetros Curriculares para a EJA e as Orientações Curriculares para o Ensino

Médio.

Nesse processo é importante salientar a participação dos(as) técnicos(as) de

ensino das dezessete Gerências Regionais de Educação, da Gerência de Políticas da

Educação Infantil e Ensino Fundamental, da Gerência de Políticas para o Ensino Médio,

da Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, Coordenadores(as)

da EJA das dezessete Gerências Regionais de Educação e Educadores de Apoio que

atuam na EJA.

Foram contribuições qualitativas e quantitativas ao longo desse processo que

resultaram neste documento – versão preliminar, mas que já apresenta a identidade da

6

referida modalidade de ensino, elemento peculiar para o currículo e para a prática

pedagógica.

Entendendo-se a relevância deste trabalho coletivo, as OTM representam um

avanço para o nosso Estado, possibilitando aos professores(as) mais um instrumento de

apoio e possibilidades na reorganização curricular para a EJA. Assim, esperamos

contribuir para reflexões e discussões no interior da escola a serem realizadas pelos

sujeitos educativos, no intuito de que a prática pedagógica seja de fato uma ação voltada

para o exercício da cidadania dos estudantes da Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Gerência da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Claudia Mendes de Abreu

7

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

INTRODUÇÃO


“A procura incessante pela descoberta da origem da vida,

quando ela se inicia, como mantê-la e prolongá-la e

talvez, a imortalidade, são enigmas que a humanidade

querem desvendar através do estudo das Ciências

Naturais”.

Sueli Tavares, Fátima Andrade e Verônica Gomes


O desenvolvimento científico e tecnológico tem contribuído para melhorar o

ambiente em que vivemos, através das relações que o homem estabelece com a Ciência,

a Tecnologia e a Sociedade. Neste sentido, estas nunca estiveram tão evidentes como

nas últimas décadas. Desde o início das civilizações, a Ciência sempre despertou

fascínio e interesse no homem. Este fato pode ser observado a partir da descoberta do

fogo até, nos dias atuais, o desvendamento do genoma humano. Neste sentido, a

estrutura da molécula do DNA, o deciframento do genoma e as invenções tecnológicas

(microscópio, avião, lâmpada, computador, internet) são exemplos de descobertas

científicas.

Segundo DUCHSL (1994), a Ciência corresponde a um processo dinâmico e

perecedouro dos saberes científicos, no qual sua transitoriedade e sua natureza histórica

e cultural permitem a compreensão das relações estabelecidas entre a organização, o

desenvolvimento da ciência e a produção tecnológica.

No âmbito escolar, os estudantes percebem que fenômenos naturais e temáticas

de caráter ético estão presentes em seu cotidiano, permitindo e adequando, a utilização

destes conhecimentos, às suas necessidades, e consequentemente, melhorando a sua

qualidade de vida.

Neste sentido, a disciplina Ciências, pela sua natureza, deve contribuir para a

formação do estudante de forma significativa, propiciando ao estudante da Educação de

8

Jovens, Adultos e Idosos (EJA) interagir e consolidar, na sua vivência, os conteúdos e

assuntos abordados em sala de aula, oportunizando o
contato com os processos de

produção do conhecimento científico.

Desta forma, o componente curricular Ciências

desenvolve, no estudante, dois aspectos importantes em sua formação escolar: a

alfabetização científica e o desenvolvimento de uma postura crítica e consciente. Em

relação à alfabetização científica, esta permite que os mesmos estabeleçam relação entre

os conteúdos apreendidos (conhecimentos científicos e tecnológicos) e as utilizações e

aplicações no seu dia a dia. No que diz respeito à formação de uma postura crítica e

consciente, os estudantes devem emitir juízo de valor, a partir de discussões de caráter

ético sobre aspectos ligados a acessibilidade destes conhecimentos e os efeitos que estes

têm na vida de todas as classes sociais.

Sendo assim, o ensino de Ciências Naturais, na EJA, contribui para a

melhoria da qualidade de vida dos estudantes, a partir da compreensão que tem da sua

própria organização biológica, do espaço que ocupa no ambiente e na sociedade,

possibilitando interferir nesses processos dinâmicos, através de uma ação mais coletiva.

Assim, espera-se que os estudantes desta modalidade de educação, ao se apropriem dos

conhecimentos da química, da física e da biologia e das suas tecnologias (saberes

didáticos científicos), desenvolvam uma sensibilização voltada para uma

responsabilidade socioambiental e ética, condição imprescindível para formação de um

cidadão crítico e participativo.

Contudo, estes conteúdos didáticos corroboram com SELBACH et al. (2010),

quando comentam que “Aprender Ciências é importante para se construir certezas, para

se encarar o presente com coragem e o futuro com esperanças”. Estas transformações

poderão ser perceptíveis, pelo o professor, a partir das mudanças das atitudes cotidianas

dos estudantes.

No ensino de Ciências Naturais, a abordagem dos conteúdos didáticos tem

acontecido, de forma fragmentada e compartimentalizada (utilizando estratégias

didáticas tais como, pesquisa de campo, confecções de murais e incursão pedagógica),

distante da realidade dos estudantes. Neste sentido, com a finalidade de superar estes

desafios, o professor de Ciências da EJA, na sua prática pedagógica, deve considerar a

natureza da disciplina, as necessidades e especificidades deste público, em relação ao

aprender, e os conteúdos científicos deste componente curricular. Partindo destas

indagações, como este professor pode superar a fragmentação desta disciplina

abordando, de forma contextualizada e prazerosa, estes conhecimentos? Que estratégias

9

metodológicas poderão ser utilizadas para realizar esta finalidade? Diante destes

questionamentos, os professores desta modalidade de educação, deverão aguçar a

curiosidade e a participação ativa destes atores sociais, devendo tornar a aula dinâmica e

interativa, propiciando a articulação e o envolvimento de todos na construção do

conhecimento.

Neste contexto, a aprendizagem em Ciências, na EJA tem um perfil de

redescoberta, ou seja, os estudantes realizam releituras e novas interpretações de mundo

com base nas suas vivências e convivências, diferentemente dos estudantes das classes

regular, no qual a aprendizagem acontece a partir da exploração do mundo, descobrindo

o universo.

Diante do exposto, Angotti e Delizoicov (1994), consideram básicas as seguintes

habilidades de Ciências Naturais, que devem perpassar todas as competências a serem

desenvolvidos com maior empenho nas aulas:

Observação

– Habilidade para direcionar o olhar, contemplando de forma global, ao

objeto a ser analisado.

Classificação

– Habilidade para estabelecer relação entre o objeto estudado com outros,

segundo a sua semelhança e diferença.

Registro e tomada de dados, construção de tabelas

– Habilidade para organizar dados

em forma de tabelas.

Análise

– Habilidade para se aprofundar na reflexão sobre o comportamento do objeto

de estudo.

Síntese

– Habilidade para sintetizar o conhecimento produzido, a partir do tema

estudado.

Aplicação

– Habilidade para transpor o conhecimento adquirido para as esferas vividas

pelo estudante, resultando em amadurecimento e na prática das habilidades citadas

anteriormente e do seu uso na vida cotidiana.

Assim, o presente documento tem a finalidade de orientar e subsidiar os

professores de ciências, que atuam na EJA, uma vez que esta modalidade de ensino

apresenta estudantes com características próprias e diferenciadas dos alunos da

modalidade regular, que anseiam objetivos e metas distintas dos estudantes do ensino

regular. Outro aspecto a considerar, é que o documento apresenta também a

intencionalidade de ajudar o(a) professor(a) a elaborar o seu planejamento, seus planos

de aulas diários e refletirem as suas práticas, além de promover a atualização de

10

conhecimentos pedagógicos, relacionados, principalmente, à transposição de saberem

específicos (acadêmicos) em conhecimentos didáticos.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

- GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI

ORIENTAÇÃO TEÓRICO – METODOLÓGICA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - ENSINO FUNDAMENTAL

I SEGMENTO – I FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: CIÊNCIAS

OBJETIVO


Reconhecer a Terra como componente do sistema solar e compreender as interações

desse planeta com o sistema, bem como sua constituição e condições ambientais para a

presença de vida, percebendo-se agente integrante e transformador do mesmo,

11

contribuindo ativamente para a melhoria da qualidade de vida, buscando, ainda, para

isso, o conhecimento do corpo e os recursos tecnológicos.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES


·
Relacionar diferentes fenômenos cíclicos como dia e noite, estações do ano,

climas, fases da lua, marés e eclipses aos movimentos da Terra e da lua;

·
Relacionar as mudanças na qualidade do ar às intervenções humanas;

·
Identificar processos e substâncias utilizados na produção e conservação dos

alimentos, e noutros produtos de uso comum, avaliando riscos e benefícios neles

envolvidos;

·
Interpretar informações contidas em rótulos, embalagens, bulas, receitas,

manuais de instrumentos e equipamentos simples.

·
Identificar, em situações reais, perturbações ambientais ou medidas de

recuperação.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Reconhecimento da Terra como um corpo celeste em movimento.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Identificação dos elementos que formam o ambiente.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAUDE


·
Identificação das partes do corpo (cabeça, tronco e membros), reconhecendo

suas respectivas funções;

·
Identificação dos órgãos dos sentidos, seu funcionamento e cuidados necessários

à sua preservação.

12

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Identificação das etapas e dos processos de produção de objetos artesanais ou

industriais, reconhecendo sua matéria prima.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Diferenciação entre corpos luminosos (estrelas e cometas) e iluminados (planeta

e satélite).

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Compreensão do ar como elemento indispensável para os seres vivos e meio de

transmissão de doenças.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAUDE


·
Identificação dos órgãos do sistema digestório e as funções que desempenham;

·
Compreensão da transformação dos alimentos em substâncias que o corpo possa

utilizar;

·
Entendimento das necessidades específicas de pessoas portadoras de deficiência.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Identificação das etapas e dos processos de produção de alimentos,

reconhecendo a sua matéria prima.

13

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Localização do planeta Terra no Sistema Solar, bem como suas características.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Compreensão da influência da umidade do ar na saúde com relação às

possibilidades de chuvas.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAUDE


·
Importância da água para o corpo na preservação da saúde;

·
Classificação dos alimentos mais comuns segundo critérios diversos (origem

animal, e vegetal), consumido cru ou cozido, fresco ou em conserva etc.;

·
Compreensão da referência quanto ao prazo de validade, composição e uso de

conservantes nas embalagens de produtos alimentares industrializados;


·
Entendimento das necessidades alimentares específicas da primeira infância

(particularmente a importância do aleitamento materno).

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Compreensão da origem e de algumas propriedades de determinadas matérias e

formas de energia.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


14

·
Relação da formação dos dias, das noites e do ano com os movimentos da Terra.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Identificação das principais formas de poluição do ar;

·
Identificação das principais atividades humanas causadoras do aquecimento

global e suas consequências ambientais.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAUDE


·
Identificação dos órgãos e das características dos sistemas reprodutores

masculino e feminino, considerando as mudanças ocorridas na puberdade, na

fase adulta e na fase do idoso;

·
Compreensão de como se dá a fecundação e o desenvolvimento fetal

relacionando à importância dos cuidados pré-natais;

·
Conhecimentos das principais características fisiológicas e psicológicas da

terceira idade.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Relação dos diferentes tipos de energia à sua função no cotidiano.

15

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - ENSINO FUNDAMENTAL

I SEGMENTO – II FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: CIÊNCIAS

OBJETIVO


Compreender a natureza como um todo dinâmico, sendo o ser humano parte integrante e

agente de transformações do mundo em que vive, demonstrando conhecimento e

cuidado com o próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos

aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua

saúde e à saúde coletiva, sabendo utilizar diferentes fontes de informação e recursos

tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES


·
Relacionar características do planeta Terra com fenômenos naturais ou

induzidos pela atividade humana;

·
Relacionar mudanças na qualidade da água às intervenções humanas;

·
Compreender a natureza como um sistema dinâmico, e o ser humano em

sociedade como um de seus agentes de transformação;

·
Compreender que os conhecimentos científicos e tecnológicos estão a serviço da

humanidade, identificando riscos e benefícios neles envolvidos.

16

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Identificação do globo terrestre e do planisfério (Mapa Mundi) como modelos de

representação da terra.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Compreensão da importância da água como recurso indispensável à vida, os

tipos de água encontrados na natureza, entendendo como acontece o ciclo

hidrológico, a partir de suas mudanças de estado físico;

·
Compreensão da dependência dos seres vivos em relação à água, identificando

as características da água potável,
a importância do uso racional a partir de ações

que protejam e revitalizem os mananciais

e a necessidade de sua preservação reconhecendo

e associando a disponibilidade de água à presença de mata ciliar.


3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


·
Compreensão da importância da higiene da água e dos alimentos como formas

de preservação da saúde;

·
Reconhecimento dos processos de alimentação como forma de obtenção de

nutrientes e energia para o funcionamento e crescimento do organismo;

·
Identificação dos alimentos saudáveis;

·
Conhecimento das formas de transmissão das parasitoses intestinais, medidas de

tratamento e prevenção.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Reconhecimento da importância da tecnologia na produção e melhoria da

qualidade dos alimentos.

17

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Perceber, a partir do globo, a localização do interior, crosta e atmosfera terrestre.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·

Compreensão da origem e da qualidade da água consumida na escola e em casa,

associando o tratamento da água à manutenção da saúde e a prevenção de

doenças de veiculação hídrica.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


·
Conhecimento de riscos relacionados à gravidez precoce e tardia;

·
Reconhecimento da importância do planejamento familiar;

·
Conhecimento das vantagens e desvantagens do parto normal e cesariano.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Reconhecimento da necessidade do uso de tecnologia para aperfeiçoamento do

organismo humano.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Observação e identificação dos fenômenos naturais que explicam a atração dos

corpos (gravidade).

18

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Identificação das formas de poluição e contaminação das águas.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


·
Identificação das principais doenças sexualmente transmissíveis;

·
Conhecimento das formas de prevenção e tratamento das doenças sexualmente

transmissíveis;

·
Análise das formas de relacionamento saudável entre crianças, adolescentes,

jovens, adultos e idosos dentro e fora da família.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Compreensão das relações estabelecidas entre as necessidades sociais e a

evolução da tecnologia, relacionando ao processo de transformação de matéria e

energia, valorizando as condições de saúde e qualidade de vida.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Observação dos oceanos e continentes no globo terrestre e no planisfério (Mapa

Mundi).

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


.

·
Entendimento da importância do saneamento básico como fator de proteção à

saúde, ao lençol freático e ao meio ambiente como um todo.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


19

·
Entendimento sobre métodos de contracepção, seu funcionamento e condições

de uso.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Conhecimento das relações das novas tecnologias aplicadas ao combate à fome e

às doenças nos diversos grupos sociais.

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - ENSINO FUNDAMENTAL

II SEGMENTO – III FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: CIÊNCIAS

OBJETIVO


Compreender a saúde como bem individual e comum que deve ser promovida pela ação

coletiva, percebendo a tecnologia como meio para suprir as necessidades humanas,

distinguindo usos corretos e necessários daqueles prejudiciais ao equilíbrio da natureza

e do homem, e buscando organizar informações sobre cometas, planetas e satélites do

sistema solar e outros corpos celestes, para elaborar uma concepção de universo.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES


·
Empregar linguagem científica (nomes, gráficos, símbolos e representações)

para descrever a constituição ou a dinâmica da Terra e do Sistema Solar;

·
Relacionar mudanças na qualidade do solo a intervenções humanas;

·
Relacionar saúde com hábitos alimentares, atividade física e uso de

medicamentos e outras drogas, considerando diferentes momentos do ciclo de

vida humano;

·
Reconhecer funções e localização de diferentes órgãos ou sistemas do corpo

humano, suas disfunções ou doenças a eles relacionadas.

20

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Identificação dos astros do sistema solar e suas posições.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Compreensão da importância da ação dos microorganismos na decomposição da

matéria orgânica no solo.

·
Características das principais doenças transmitidas pelo solo e suas respectivas

formas de transmissão.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


·
Compreensão da importância de uma alimentação equilibrada para a

manutenção da saúde e preservação de doenças;

·
Reconhecimento da digestão como processo de transformação das substâncias

alimentares para serem absorvidas pelo organismo.

·
Conhecimento dos riscos do consumo de drogas que provocam dependência

física (tabaco,álcool, psicotrópicos ), conhecendo as formas de tratamento da

dependência de drogas.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Reconhecimento da importância dos foguetes e satélites para o desenvolvimento

tecnológico da humanidade.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Reconhecimento da terra como o planeta que habitamos.

21

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Compreensão da necessidade do tratamento de esgoto, destinação correta do lixo

e agrotóxicos para a preservação do solo.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


·
Identificação dos sistemas do corpo humano, relacionando suas funções;

·
Localização dos sistemas e órgãos do organismo humano, relacionando-os com

os outros seres vivos.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Compreensão dos diferentes meios de comunicação como uma tecnologia

facilitadora do conhecimento científico.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Reconhecimento do Sol como uma estrela, astro do universo, que fornece luz e

calor para a terra.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Identificação dos seres produtores, consumidores e decompositores dentro de

uma cadeia alimentar, considerando-se a transferência de energia de um nível

para outro.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


22

·
Conhecimento das funções reguladoras, construtoras e energéticas dos

alimentos;

·
Classificação dos alimentos mais comuns segundo a função de seus nutrientes

para o corpo;

·
Compreensão do processo de envelhecimento, aplicando-a ao cuidado com a

saúde do idoso.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Diferenciação dos recursos renováveis e não renováveis, enfatizando o uso

racional dos recursos naturais e a necessidade de medidas para amenizar os

problemas ambientais.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Reconhecimento da terra como um planeta do sistema solar, conhecendo os seus

aspectos de biosfera, hidrosfera e atmosfera como condições para presença de

vida.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Identificação de atitudes de preservação do meio ambiente.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


·
Conhecimento dos tipos de nutrição dos seres vivos;

·
Identificação das vantagens e desvantagens do consumo de produtos naturais e

industriais.

.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


23

·
Identificação das tecnologias produzidas pelo homem a partir das

transformações dos recursos naturais e a necessidade de medidas para amenizar

os problemas ambientais.

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - ENSINO FUNDAMENTAL

II SEGMENTO – IV FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: CIÊNCIAS

OBJETIVO


Valorizar os conhecimentos de povos antigos para explicar os fenômenos celestes,

observando os instrumentos astronômicos enquanto tecnologia da sociedade atual,

identificando outras tecnologias que permitem as transformações de materiais e de

energia necessárias a atividades humanas essenciais hoje e no passado, compreendendo

a história evolutiva dos seres vivos, relacionando-a aos processos de formação do

planeta e valorizando a conservação dos ambientes e a vida em sua diversidade.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES


24

·
Compreender o Sistema Solar, enfatizando a Terra em sua constituição

geológica e planetária própria, situando o ser humano no espaço e no tempo em

relação ao Universo;

·
Relacionar diferentes seres vivos aos ambientes que habitam, considerando

características adaptativas;

·
Associar a qualidade de vida, em diferentes faixas etárias e em diferentes

regiões, a fatores sociais e ambientais que contribuam para isso;

·
Analisar o funcionamento de métodos anticoncepcionais, reconhecendo a

importância de alguns deles na prevenção de doenças sexualmente

transmissíveis;

·
Identificar variações em indicadores de saúde e de desenvolvimento humano, a

partir de dados apresentados em gráficos, tabelas ou textos.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Conhecimento da importância dos instrumentos astronômicos (telescópio,

lunetas, satélites e sondas) para exploração do universo, enquanto tecnologia da

sociedade atual.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Compreensão das teorias sobre a origem da vida, considerando os fósseis, seus

processos de formação e a seleção natural, partindo de situações do cotidiano.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


25

·
Reconhecimento da importância de cuidados de higiene no consumo dos

alimentos;

·
Conhecimento das formas de transmissão de parasitoses intestinais, medida de

tratamento e prevenção.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Reconhecimento da luz, calor, eletricidade e som como formas de energia,

explorando os processos naturais e tecnológicos de sua transformação.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Diferença dos modelos heliocêntrico e geocêntrico do sistema solar, valorizando

o conhecimento dos povos antigos para explicar os fenômenos celestes.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Identificação das características que diferenciam os seres vivos, compreendendo

que indivíduos de uma mesma espécie não são exatamente iguais;

·
Identificação dos diferentes modos de reprodução dos seres vivos,

compreendendo que a diversidade entre os indivíduos de uma mesma espécie e

sua evolução estão associadas à reprodução sexuada.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAÚDE


·
Compreensão da importância do sistema urinário para o organismo.

·
Compreensão do sistema cardiovascular como conjunto de estruturas voltadas ao

transporte e distribuição de substâncias pelo corpo.

26

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Discussão das vantagens e desvantagens de cada fonte de energia: hidráulica,

eólica, térmica, solar e nuclear.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


·
Identificação dos diferentes tipos de solo através de suas características e sua

composição.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Conhecimento dos diferentes ecossistemas brasileiros, identificando os

componentes bióticos e abióticos e a necessidade para conservá-los, buscando a

manutenção do equilíbrio da vida no planeta.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAUDE


·
Características do ciclo menstrual e da ejaculação, associando-os à gravidez;

·
Compreensão dos processos de fecundação, gravidez e parto.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Consideração da sequência de transformações sofridas pelos recursos naturais

(minério de ferro, sal de cozinha, petróleo etc.), desde sua extração até a

produção de diferentes bens.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante: TERRA E UNIVERSO


27

·
Identificação das fases da lua e sua influência na agricultura.

2. Eixo Estruturante: SERES VIVOS E AMBIENTE


·
Reconhecimento da diversidade biológica dos seres vivos, compreendendo as

relações que se estabelecem, ao longo do tempo, entre as estruturas dos

organismos e o comportamento adaptativo que possibilita sua sobrevivência, de

acordo com as condições ambientes.

3. Eixo Estruturante: SERES HUMANOS E SAUDE


·
Conhecimento dos métodos anticoncepcionais, estabelecendo relações entre o

uso de preservativos, a contracepção e a prevenção das doenças sexualmente

transmissíveis, com valorização do sexo seguro e da gravidez planejada;

·
Reconhecimento do idoso como pessoa constituinte de saberes socioculturais.

4. Eixo Estruturante: TECNOLOGIA E SOCIEDADE


·
Identificação dos tipos de poluição e dos agentes poluidores, compreendendo

que este fenômeno está relacionado à cultura e à economia de uma sociedade.

REFERÊNCIA


BCC – Base Curricular Comum. Secretaria de Educação de Pernambuco.

PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais. Ministério da Educação. Secretaria de

Educação Básica.

PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica.

OCN – Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Ciências da Natureza e

suas Tecnologias. Ministério da Educação.Secretaria de Educação Básica.

28

SITES


www.portal.mec.gov.br


REFERÊNCIA

SITES


www.saudegratuita.com.br

www.sucen.sp.gov.br

www.biomania.com.br

www.jornaldomeioambiente.com.br

www.nationalgeographic.com

www.drauziovarella.com.br

www.portalsaofrancisco.com.br

www.escolakids.com/ciências

www.ciênciahoje.uol.com.br


LIVROS


BARROSO,C.8 BRUSCHINI, C. Sexo e Juventude: como discutir a sexualidade em

casa e na escola. Ed. Cortez. São Paulo.

BIZZO, N. M. V. 1998. Ciências: fácil ou difícil? Ed. Ática. São Paulo

DIAS, L. S. Interdisciplinaridade em tempo de diálogo: práticas interdisciplinares na

escola. Ed. Cortez. São Paulo.

FILMES: DOCUMENTÁRIOS E FICÇÃO


Lixo extraordinário. Vik Muniz.

Bilu e João. Kátia Lund.

A história das coisas. Youtube.

29

PERIÓDICOS, OUTROS.

Isto é

: São Paulo: Três, publicações semanais, 2003.

Época.

Rio de Janeiro: Globo, publicação semanais, 2003.

Globo Ciências.

Rio de Janeiro: Globo, publicações semanais, 2006.

Galileu.

Rio de Janeiro: Globo, publicações mensais, 2007 – 2009. National

Geographic
– Brasil. São Paulo: Abril, publicações mensais, 2007 – 2009.
1

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)


ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

GEOGRAFIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO FUNDAMENTAL



RECIFE - 2012 2

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretária Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretário Executivo de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio 3

Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa 4

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Coordenação: Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Equipe de elaboração:



Enildo Luiz Gouveia

Técnico de Geografia – Gerência de Educação de Jovens e Adultos



Evandro Ribeiro de Souza

Lúcia Ângela Macedo França

Técnicos de Geografia - Equipe de Ensino da GPEM/SEDE/SEE



Maria Alves do Nascimento Silva

Técnicos de Geografia - Gerência Regional de Educacional Recife Sul

Revisão:



Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Rosa Maria de Souza Leal Santos 5

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)


UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI
ORIENTAÇÃO TEÓRICO – METODOLÓGICA



1

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)


ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

GEOGRAFIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO FUNDAMENTAL



RECIFE - 2012 2

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretária Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretário Executivo de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio 3

Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa 4

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Coordenação: Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Equipe de elaboração:



Enildo Luiz Gouveia

Técnico de Geografia – Gerência de Educação de Jovens e Adultos



Evandro Ribeiro de Souza

Lúcia Ângela Macedo França

Técnicos de Geografia - Equipe de Ensino da GPEM/SEDE/SEE



Maria Alves do Nascimento Silva

Técnicos de Geografia - Gerência Regional de Educacional Recife Sul

Revisão:



Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Rosa Maria de Souza Leal Santos 5

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)


UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI
ORIENTAÇÃO TEÓRICO – METODOLÓGICA



1

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)


ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

GEOGRAFIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO FUNDAMENTAL



RECIFE - 2012 2

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretária Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretário Executivo de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio 3

Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa 4

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Coordenação: Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Equipe de elaboração:



Enildo Luiz Gouveia

Técnico de Geografia – Gerência de Educação de Jovens e Adultos



Evandro Ribeiro de Souza

Lúcia Ângela Macedo França

Técnicos de Geografia - Equipe de Ensino da GPEM/SEDE/SEE



Maria Alves do Nascimento Silva

Técnicos de Geografia - Gerência Regional de Educacional Recife Sul

Revisão:



Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Rosa Maria de Souza Leal Santos 5

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)


UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI
ORIENTAÇÃO TEÓRICO – METODOLÓGICA



1

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)


ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

GEOGRAFIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO FUNDAMENTAL



RECIFE - 2012 2

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretária Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretário Executivo de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio 3

Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa 4

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Coordenação: Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Equipe de elaboração:



Enildo Luiz Gouveia

Técnico de Geografia – Gerência de Educação de Jovens e Adultos



Evandro Ribeiro de Souza

Lúcia Ângela Macedo França

Técnicos de Geografia - Equipe de Ensino da GPEM/SEDE/SEE



Maria Alves do Nascimento Silva

Técnicos de Geografia - Gerência Regional de Educacional Recife Sul

Revisão:



Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Rosa Maria de Souza Leal Santos 5

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)


UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI
ORIENTAÇÃO TEÓRICO – METODOLÓGICA




SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

HISTÓRIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO FUNDAMENTAL


RECIFE – 2012 2


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretaria Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretaria Executiva de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio 3


Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Souza 4


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – GEJA

Coordenação: Maria Cândida Sérgio – GEJA – Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos – UEJAI

Equipe de elaboração:


Maria de Lourdes Ferrão


Gerência Regional de Ensino – Recife Sul


Ancelmo Cabral da Silva

Israel Gomes da Silva

Laudicéia Silva Lins de Souza

Waldilma Batista de Santana


Gerência Regional de Ensino – Recife Norte


Zélia Maria Freitas dos Santos


Gerência Regional de Ensino – MetroSul


Anna Lúcia Miranda Costa

Luiz Manuel dos Santos Silva

Maria Socorro Carvalho

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire


Gerência de Educação de Jovens e Adultos 5


Revisão:


Thiago de Oliveira Reis Marques Freire -
Técnico Pedagógico da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Rosa Maria de Souza Leal Santos -
Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI 6

 
Componente Curricular: História
ENSINO FUNDAMENTAL – Modalidade da Educação de Jovens e Adultos - EJA
1º Segmento - 1ª Fase de Escolaridade



SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

HISTÓRIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO MÉDIO


RECIFE – 2012
2

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado


Anderson Stevens Leônidas Gomes


Secretaria Executiva de Desenvolvimento de Rede


Margareth Costa Zaponi


Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação


Ana Coêlho Vieira Selva


Secretaria Executiva de Educação Profissional


Paulo Fernando Vasconcelos Dutra


Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos


Claudia Mendes de Abreu


Chefe de Unidade da Gerência da Educação de Jovens e Adultos


Maria Cândida Sérgio
3

Equipe Técnico Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Souza

4

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – GEJA

Coordenação: Maria Cândida Sérgio – GEJA – Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos – UEJAI

Equipe de elaboração:


Alison Fagner de Souza e Silva

Júlio Cesar Pessoa de Barros


Técnicos de História -Equipe de Ensino da GPEM/SEDE/SEE


Thiago de Oliveira Reis Marques Freire


Técnico de História –Gerência de Educação de Jovens e Adultos

Revisão:


Thiago de Oliveira Reis Marques Freire -
Técnico Pedagógico da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Danielle de Mota Bastos -
Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI 5

MÓDULO 1
OBJETIVO



SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

GEOGRAFIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ENSINO MÉDIO


RECIFE - 2012 2


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO


GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)


Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretária Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretário Executivo de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio 3


Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa 4


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO


GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)


Coordenação: Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI


Equipe de elaboração:


Enildo Luiz Gouveia


Técnico de Geografia – Gerência de Educação de Jovens e Adultos


Evandro Ribeiro de Souza

Lúcia Ângela Macedo França


Técnicos de Geografia - Equipe de Ensino da GPEM/SEDE/SEE


Maria Alves do Nascimento Silva


Técnicos de Geografia - Gerência Regional de Educacional Recife Sul

Revisão:


Danielle da Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Rosa Maria de Souza Leal Santos 5


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – GEJA



UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI
ORIENTAÇÃO TEÓRICO - METODOLÓGICA


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS DA JOVENS, ADULTOS E

IDOSOS(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

LÍNGUA PORTUGUESA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – ENSINO FUNDAMENTAL


RECIFE - 2012


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretaria Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretaria Executiva de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio

Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Souza

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI

Coordenação

:

Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

– UEJAI

Equipe de elaboração:


Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de

Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Janaína Ângela da Silva- Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio – GEPEM

Josemár Barbosa Almeida – Gerência Regional de Educação-Recife Norte

Maria Clara Catanho Cavalcanti- Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio –

GEPEM

Rosa Maria de Souza Leal Santos – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Veralúcia Arruda Moura- Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio – GEPEM

Revisão:


Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de

Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Diego Bruno Barbosa Feliz - Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Rosa Maria de Souza Leal Santos – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

APRESENTAÇÃO


A Secretaria de Educação de Pernambuco – Gerência da Educação de Jovens e

Adultos (GEJA) – voltada para a garantia de uma Educação na perspectiva da formação ao

longo da vida para aqueles(as) que não tiveram oportunidade em idade própria, em situação

de privação de liberdade e pela inclusão sociocultural, apresenta as Orientações Teóricometodológicas

(OTM) com a finalidade de subsidiar o processo de reorganização curricular

das escolas que atendem os estudantes da EJA.

Em sua organização, este documento seleciona algumas orientações metodológicas e

conteúdos como sugestões para o trabalho do(a) professor(a) em sala de aula, contribuindo

para a prática pedagógica no Ensino Fundamental e Ensino Médio da EJA.

Assim, as metodologias apontadas buscam atender as necessidades e as

especificidades desses estudantes, bem como as condições de trabalho dos(as) professores(as).

Neste cenário, as instituições oferecerem um ensino de qualidade aos jovens, adultos

e idosos é uma necessidade urgente para contribuir com a elevação da escolaridade para que

esses estudantes possam ter melhores chances de inserção no mundo do trabalho e no seu

contexto sociocultural.

Para tanto, a construção das Orientações Teórico-Metodológicas tomou como

referência os documentos oficiais que norteiam os princípios da modalidade Lei de Diretrizes

e Bases da Educação Nacional – LDB,
Nº 9.394/96, Diretrizes Curriculares Nacionais para a

Educação de Jovens e Adultos: Parecer Nº 11/2000 CNE 1/2000, Resolução CNE – CEB

1/2000, Base Curricular Comum do Estado de Pernambuco – BCC, Parâmetros Curriculares

para a EJA e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio.

Nesse processo é importante salientar a participação dos(as) técnicos(as) de ensino

das dezessete Gerências Regionais de Educação, da Gerência de Políticas da Educação

Infantil e Ensino Fundamental, da Gerência de Políticas para o Ensino Médio, da Gerência de

Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, Coordenadores(as) da EJA das dezessete

Gerências Regionais de Educação e Educadores de Apoio que atuam na EJA.

Foram contribuições qualitativas e quantitativas ao longo desse processo que

resultaram neste documento – versão preliminar, mas que já apresenta a identidade da referida

modalidade de ensino, elemento peculiar para o currículo e para a prática pedagógica.

Entendendo-se a relevância deste trabalho coletivo, as OTM representam um avanço

para o nosso Estado, possibilitando aos professores(as) mais um instrumento de apoio e

possibilidades na reorganização curricular para a EJA. Assim, esperamos contribuir para

reflexões e discussões no interior da escola a serem realizadas pelos sujeitos educativos, no

intuito de que a prática pedagógica seja de fato uma ação voltada para o exercício da

cidadania dos estudantes da Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Gerência da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Claudia Mendes de Abreu

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS


INTRODUÇÃO


Há uma íntima relação entre a educação e o contexto social e cultural, logo é

indispensável rever os paradigmas educacionais vigentes, uma vez que estes precisam estar

consoantes com os anseios da sociedade atual. Isto é, um projeto educativo que busque meios

para que o ser humano compreenda a sua sociedade, participe dela conscientemente e seja

capaz de intervir de forma colaborativa e significativa para as transformações que se façam

necessárias.

Nessa perspectiva, aprender a conhecer, a fazer, a conviver e a ser são competências

requeridas pela Unesco (Organização das Nações Unidas) para todo e qualquer projeto

educativo. Essas competências, cuja conquista ultrapassa a mera aquisição de informação,

abarcam a formação humana e social do indivíduo.

Para atender tais exigências, a Secretaria de Educação de Pernambuco disponibiliza,

na Rede, a Base Curricular Comum (BCC) com a finalidade de subsidiar a construção do

projeto político pedagógico das escolas públicas e a prática pedagógica dos professores.

Contudo, a fim de complementar a BCC, e mediante solicitações feitas pelos professores da

Rede de se estabelecer um diálogo mais significativo entre a prática pedagógica e os

pressupostos teórico-metodológicos definidos pela BCC, a Gerência de Educação de Jovens,

Adultos e Idosos elabora, em conjunto com os docentes dessa modalidade, as Orientações

Teórico-metodológicas (OTM) do ensino fundamental e médio para as diferentes áreas do

conhecimento.

As características comuns entre as disciplinas estruturantes da área de Linguagens,

Códigos e suas Tecnologias possibilitam uma coerente articulação didático-pedagógica entre

seus componentes. Neste documento, os componentes curriculares de Língua Portuguesa,

Língua Estrangeira, Arte e Educação Física serão apresentados juntamente com as

competências interdisciplinares referentes à área, bem como as competências/habilidades

disciplinares relativas aos conteúdos implícitos nos eixos estruturantes.

Vale ressaltar que, no âmbito escolar, essa organização do aprendizado por área pode

também contribuir para uma melhor estruturação do projeto pedagógico da escola. Assim, o

ensino deve ser organizado a partir de temáticas significativas para os estudantes, no sentido

de desenvolver o domínio competente da pluralidade de linguagens.

Tomando como base os pressupostos da linguística aplicada de base interacionista, a

partir de autores como
Bakhtin (1992), Geraldi (1997), Marcuschi (2005 e 2008), entre outros,

a linguagem, aqui, é concebida como forma de interação entre interlocutores que se manifesta

em textos, os quais se organizam na diversidade de gêneros para atender a diversos propósitos

sociocomunicativos. Linguagem é, portanto, a capacidade humana de articular significados

coletivos e de partilhá-los em diferentes sistemas de representação, que variam de acordo com

a vida em sociedade, permeando o conhecimento, o pensamento, a comunicação e a ação.

No mundo contemporâneo, marcado por apelos informativos imediatos, a reflexão

sobre as linguagens e seus sistemas é mais do que uma necessidade: é uma garantia de

participação na vida social. É por meio da linguagem que os sujeitos agem no mundo social,

participam de interações com o outro e, assim, vão se constituindo na linguagem, para a

linguagem e pela linguagem. Pelo uso da linguagem, o ser humano se torna capaz de conhecer

a si mesmo, sua cultura e o mundo em que vive. Isso significa que os sentidos produzidos se

expressam por meio de palavras, imagens, sons, gestos e movimentos. O trabalho com a

linguagem, em sua acepção mais ampla, portanto, significa uma retomada do sujeito nela

constituído. Nessa perspectiva, a escola deve valorizar, mediante uma abordagem

humanística, o mundo interior social do aprendiz da Educação de Jovens e Adultos.

Por fim, convém ressaltar que cabe aos professores da área possibilitar ao estudante a

compreensão do substrato comum, amplo, que ultrapassa os conteúdos e instrumentos

particulares de cada disciplina e do qual resulte em uma visão abrangente e articulada do

conhecimento, em todos os componentes curriculares (cf. PCNEM, 2002).

Ainda segundo os PCNEM, o caminho a percorrer vai da compreensão e do uso

particular das linguagens empregadas nas práticas de cada disciplina à compreensão e à

análise da faculdade humana de construir e utilizar a linguagem. Por exemplo: entender que a

língua materna fundamenta a identidade cultural não é uma competência desvinculada do

estudo contrastivo entre Língua Portuguesa e Língua Estrangeira. Do mesmo modo, a

compreensão da identidade cultural informada pela língua materna não se desvincula da

compreensão de semelhante identidade resultante e expressa na linguagem corporal, em

disciplinas como Arte e Educação Física.

Finalmente, ressaltamos que este documento não se constitui em “camisa de força”

para os professores e professoras da Educação de Jovens, Adultos e Idosos no que se refere à

área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, mas um referencial que norteará o

planejamento e o ensino de linguagem, em uma perspectiva interdisciplinar e contextualizada.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI

ORIENTAÇÃO TEÓRICO – METODOLÓGICA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - ENSINO FUNDAMENTAL

– I SEGMENTO – I FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA

OBJETIVO


Expandir o uso da linguagem já usada em instâncias privadas e utilizá-la com eficácia em

instâncias públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos – tanto orais como escritos –

coerentes, coesos, adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem, às

situações comunicativas e aos assuntos tratados, utilizando-se de e respeitando as diferentes

variedades linguísticas.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Compreender os textos orais e escritos com os quais têm contato em diferentes situações de

participação social, interpretando-os corretamente e inferindo as intenções de quem os

produz;

·
Valorizar a leitura como fonte de informação e via de acesso ao mundo, inclusive criado

pela linguagem simbólica, sendo capazes de recorrer aos materiais escritos em função das

diferentes finalidades;

·
Utilizar a linguagem como instrumento de aprendizagem, sabendo como proceder para ter

acesso, para compreender e para fazer uso de informações contidas em diversos gêneros

textuais;

·
Identificar aspectos relevantes, organizar notas, elaborar roteiros, compor textos coerentes

a partir de trechos oriundos de diferentes fontes, fazer resumos, índices, esquemas, entre

outros.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante – Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação em diferentes situações de comunicação oral (rodas de conversas,

apresentação pessoal, discussões, recitais de poesias, contações de histórias etc.),

acolhendo e considerando as opiniões alheias, as ideias, os enredos e os diferentes

modos de falar;

·
Participação em situações de intercâmbio oral que requeiram escuta atenta,

intervenção sem sair do assunto tratado, formulação e respostas às perguntas,

explicação, manifestação e acolhimento de opiniões, adequação às colocações aos

temas;

·
Compreensão do sentido nas mensagens orais, identificando elementos possivelmente

relevantes segundo os propósitos e intenções pretendidos pelo autor.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Valorização da leitura de Contos, Crônicas, Poemas, Canções, História em

Quadrinhos, Filmes etc. como fonte de fruição estética e entretenimento;

·
Reconhecimento quanto à forma, ao conteúdo e à função sociocomunicativa dos

textos: Contos, Poemas, Canções,e Histórias em quadrinhos, Filmes em função das

características do gênero, do suporte, do autor, da temática etc.;

·
Compreensão de um texto a partir de seus elementos verbais e não verbais;

·
Formulação de hipóteses, validação ou reformulação a respeito do conteúdo do texto,

antes ou durante a leitura;

·
Articulação entre conhecimentos prévios e informações textuais para perceber

ambiguidade, ironias e expressões figuradas, opiniões e valores implícitos e explícitos,

bem como as intenções do autor;

·
Identificação dos recursos prosódicos (rimas, trocadilhos, aliterações, assonâncias etc.)

como recursos expressivos e estéticos em textos poéticos ou não, contribuindo,

significativamente, no entendimento do texto;

·
Estabelecimento de relações, em um texto poético, entre os aspectos formas (verso,

estrofe, exploração gráfica do espaço) e temáticos (lirismo amoroso, descrição de

objeto ou cena, retrato do cotidiano, narrativa dramática).

3. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Escritos


·
Produção de textos quanto aos gêneros selecionados, considerando a intenção do

autor, as características do interlocutor, as exigências da situação e os objetivos

estabelecidos (fundamentar, defender, ressaltar, opinar, persuardir, advertir, divulgar,

explicar, ironizar, divertir, emocionar);

·
Utilização de recursos gráficos e padrões da escrita, em função do projeto textual e das

condições de produção (título e subtítulo, paragrafação, pontuação e outros sinais

gráficos);

·
Adequação aos modos típicos de organização, sequência e apresentação que

caracterizam os diferentes gêneros de texto;

·
Construção de formas de representação gráfica do que se propõe escrever;

·
Estabelecimento das correspondências grafofônicas, respeitando as formas

ortográficas mais frequentes e as regras da norma padrão (uso de RR, QU, GU, NH,

M/N, CH, LH, SS e vogais nasais);

·
Desenvolvimento da produção escrita, transcrevendo e editando textos orais;

·
Segmentação do texto em parágrafos e frases com pontuação, de acordo com as

convenções do gênero.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Compreensão do sistema de escrita, suas características e normas: natureza do sistema

de escrita, conhecimento dos símbolos convencionais (as letras) suas formas e

utilização, adequação aos instrumentos de registro (papel, máquina de escrever ou

computador) e ordem como aparecem nas palavras; correspondências grafofônicas e

suas representações;

·
Análise do fato de que, além de se sujeitar a normas internas (gramaticais e lexicais)

as línguas também se sujeitam as normas e convenções sociais (o que dizer, a quem

dizer, como dizer, quando dizer);

·
Reflexão sobre as diferentes linguagens (visuais, gestuais, sonoras e audiovisuais),

como formas do homem criar e expressar significados.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Orais


·
Narração de diferentes situações de comunicação oral (Piadas, Fábulas, Contos, Relato

Pessoal, Sketch ou Histórias engraçadas etc.), considerando o tempo, o espaço, o

enredo, as ações dos personagens, entre outros aspectos;

·
Emissão de juízo de valor a partir da comparação de fenômenos linguísticos de

realização de um mesmo em texto na modalidade oral e escrita da língua,

compreendendo sua similaridade e diferença;

·
Identificação das expressões verbais que, num determinado contexto cultural, indicam

atitudes ou posturas de polidez;

·
Reconhecimento do papel da entonação e de outros recursos suprassegmentais

(silêncio) e paralinguísticos (expressões fisionômicas, gestos dentre outros) na

construção do sentido e das intenções pretendidos em um determinado evento

comunicativo.

2. Eixo estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Valorização da leitura de Contos, Narrativas de aventura, Crônica literária, Lendas

Populares ou Mitos, Parlendas, Cordel como fonte de fruição estética e

entretenimento;

·
Reconhecimento quanto à forma, ao conteúdo e à função sociocomunicativa dos

textos: Contos, Narrativas de Aventura, Crônica Literária, Lendas Populares,

Parlendas e Cordel em função das características próprias do gênero, do suporte, do

autor, da temática etc.;

·
Estabelecimento de relações, em função das marcas de segmentação textual (mudança

de capítulo ou parágrafo, títulos e subtítulos, para textos em prosa; colocação em

estrofes e versos, para textos em versos;

·
Reconhecimento das características próprias do texto de ficção, pela expressão verbal

em prosa ou verso, a propósito da forma e marcas típicas de representar a realidade;

·
Reconhecimento dos elementos fundamentais de uma narrativa ficcional (cenário,

tempo, espaço, personagens, conflito gerador e desfecho);

·
Identificação do foco narrativo, frente aos acontecimentos narrados que constitui um

elemento decisivo para a organização linguística do texto;

·
Relação do narrador ao foco narrativo.

3. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Escritos


·
Produção de poemas e cordel, explorando o ritmo, a rima, a sonoridade em geral em

função das características do gênero, do suporte, do autor etc.;

·
Adequação aos modos típicos de organização, sequência e apresentação que

caracterizam os diferentes gêneros trabalhados;

·
Utilização de apoio de desenho, fotos e ilustrações na produção de textos em

linguagem não verbal;

·
Reconhecimento e utilização de padrões da escrita de dígrafos (BR, CR, DR, FR, GR,

PR, TR E BL, CL, outros.) e de encontros consonantais com a letra R ou L,

respeitando as regras da norma padrão;

·
Apropriação da variedade padrão e de variedades não padrão da língua, vivenciadas

em situações concretas;

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Reflexão sobre a adequação da nomenclatura das categorias gramaticais como forma

produtiva de se analisar a linguagem;

·
Análise das sequências textuais predominantes no texto (narrativa, descritiva,

expositiva, argumentativa e conversacional) e dos recursos expressivos presentes no

interior de cada gênero;

·
Exame das facilidades e restrições das características e adaptações que diferentes

suportes e espaços de circulação impõem na organização do texto;

·
Descrição dos fenômenos linguísticos por meio de agrupamento, aplicação,

comparações e análises das formas linguísticas: processos de concordância regulares

(plural, tempos e pessoas verbais) e morfologia (classes e flexões de palavras) e

estruturação de palavras, sentenças e períodos;

·
Ampliação do vocabulário de novas palavras por intermédio de escolhas de palavras

apropriadas e relacionadas à modalidade falada ou escrita ou em nível de formalidade

e finalidade social dos textos.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Orais:


·
Produção de textos dos gêneros (Aviso, Explicação, Exposição, Regras de jogo e

Instruções), que requeiram a exposição sobre temas estudados, considerando a

intenção do enunciador, as características do interlocutor, as exigências da situação de

interação e os objetivos estabelecidos;

·
Organização das ideias e exposição do pensamento de maneira clara, coerente e

criativa na produção de textos orais espontâneos e/ou com temas propostos;

·
Preparação prévia e monitoramento simultâneo da fala para os gêneros marcados por

maior formalidade e que se referem aos usos públicos da linguagem, estabelecendo a

progressão temática coerente;

·
Reconhecimento das regularidades próprias do discurso formal e público.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Leitura e compreensão das características próprias do tipo ou do gênero a que pertence

os textos (Listas, Receitas, Regras de jogo, Placas, Bilhetes, Convites, Bulas e Mural),

bem como sua função sociocomunicativa;

·
Entendimentos do sentido das palavras de acordo com o contexto;

·
Identificação dos sentidos ou informações dos textos com base em gráficos, tabelas,

imagens e outros recursos visuais/não verbais;

·
Diferenciação das informações principais e informações secundárias na compreensão

do texto;

·
Reconhecimento da finalidade ou do objetivo pretendido pelo texto;

·
Reconhecimento dos efeitos de sentido consequente do uso dos sinais de pontuação,

notações e outros recursos gráficos.

·
Análise do efeito de sentido consequente da utilização de recursos gráficos

(diagramação, forma, tamanho e tipo de letras, disposição espacial etc.).

3. Eixo Estruturante - Produção de Textos Escritos


·
Produção de Listas, Receitas, Placas, Bilhetes, Regras de jogo, Mural e Convites

ajustados às necessidades das situações comunicativas;

·
Construção de argumentos de autoridade e de senso comum com relação ao gênero

textual a ser produzido;

·
Utilização de recursos como foto, tabelas, gráficos, ilustrações etc. enquanto

elementos construtores do sentido no texto;

·
Emprego dos diferentes recursos de coesão textual (encadeamento de palavras,

períodos e parágrafos), de forma a assegurar a continuidade do texto;

·
Utilização dos conhecimentos gramaticais sobre substantivos para uma maior

adequação e compreensão dos textos;

·
Indicação por meio de sinais de vírgulas, das listas e enumerações nos textos;

·
Estabelecimentos de regularidades ortográficas (inferências de regras de acentuação) e

constatação de irregularidades (ausência de regras).

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Comparação entre diferentes registros utilizados em diferentes situações

comunicativas;

·
Reflexão sobre a conveniência de se conhecer as regras padrão como forma de ampliar

o domínio de diferentes formas de expressão da língua;

·
Análise de regras ortográficas;

·
Análise da qualidade de produção do texto nas modalidades oral e escrita quanto à

linguagem e organização do conteúdo.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais:


·
Participação regular em diferentes situações de comunicação oral (Depoimentos,

Comentários, Críticas, Elogios e Opiniões Pessoais), que expressam sentimentos e

opiniões, defesas de pontos de vista, escutando e analisando a fala e as intenções do

interlocutor, os propósitos comunicativos e as exigências da situação de interação;

·
Emissão de opinião com um mínimo de sustentação, adequando a fala ao interlocutor

e ao assunto tratado;

·
Organização da expressão oral com consistência argumentativa em defesa de pontos

de vista próprios;

·
Articulação adequada entre a seleção e a ordenação de argumentos e a tese defendida.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de Textos


·
Reconhecimento quanto à forma e ao conteúdo dos textos: Cartas Pessoais, Cartaz,

Notícias, Folhetos, Reportagens em função das características do gênero, do suporte,

do autor, da temática etc.;

·
Desenvolvimento de habilidade de leitura de textos verbais e não verbais e de

linguagem mista e suas influências mútuas;

·
Comparação de textos, buscando o estabelecimento de semelhanças e diferenças

quanto às ideias e formas;

·
Estabelecimento de relações entre aquilo que se lê e as experiências vividas ou com

textos lidos, que tenham visto ou que conheçam;

·
Reconhecimento dos efeitos de sentido do uso de marcas típicas da modalidade oral

em um texto, bem como o registro formal e informal;

·
Identificação de informações com base em figura, foto, ilustrações, tabelas, gráficos,

mapas e outros recursos visuais.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão do Texto Escrito


·
Produção de textos dos gêneros (Cartas Pessoais, Cartaz, Notícias, Folhetos,

Anúncios, Cartão Postal, Autobiografia, Tiras e Histórias em quadrinhos),

considerando a intenção do enunciador, as características do interlocutor, as

exigências da situação e os objetivos estabelecidos;

·
Utilização de estratégias da escrita como planejar o texto, redigir rascunhos, revisar e

cuidar da apresentação com orientação;

·
Utilização de anotações durante atividades de escuta de textos como recurso possível

para a compreensão e interpretação de textos;

·
Organização das ideias de acordo com as características textuais de cada gênero;

·
Estabelecer as relações entre partes de um texto a partir das concordâncias nominal e

verbal;

·
Utilização de recursos coesivos oferecidos pelo sistema de pontuação e por expressões

que marcam temporalidade e causalidade, além da manutenção do tempo verbal.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Descrição dos fenômenos linguísticos por meio de agrupamento, aplicação,

comparações e análises e forma linguísticas: processos de concordância regulares

(plural, tempos e pessoas verbais) e morfologia (classes e flexões de palavras) e

estruturação de palavras, sentenças e períodos;

·
Análise das sequências textuais predominantes no texto (narrativa, descritiva,

expositiva, argumentativa e conversacional) e dos recursos expressivos presentes no

interior de cada gênero;

·
Utilização de convenções gráficas (margens, distribuição no espaço do suporte textual,

segmentação em parágrafos e estruturação em estrofes e versos) próprias da

apresentação dos diferentes gêneros de texto.

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - ENSINO FUNDAMENTAL – I

SEGMENTO – II FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA

OBJETIVO


Valer-se da linguagem para melhorar a qualidade de suas relações pessoais, sendo capazes de

expressar sentimentos, experiências, ideias e opiniões, fatos, histórias etc., bem como de

acolher, interpretar e considerar os dos outros, contrapondo-os quando necessário
.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Conhecer e analisar criticamente os usos da língua como veiculo de valores e

preconceitos de classe, credo, gênero ou etnia;

·
Produzir textos opinativos com propostas articuladas e pertinentes à sua visão de

mundo, assim como argumentos que fundamentem seus pontos de vista;

·
Compreender os elementos inter e intratextuais presentes nos diferentes textos;

·
Reconhecer como o discurso foi organizado para produzir determinados efeitos de

sentido e intenções comunicativas;

·
Apreciar e valorizar determinados procedimentos de ordem estética, a sonoridade e os

efeitos de sentido em diferentes textos da cultura de uma comunidade.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Orais


·
Participação no discurso em atividade de interação com a escuta atenta e respeitosa

dos mais diferentes tipos de interlocutores;

·
Apreciação das realizações estéticas da produção dos cantadores, repentistas e

funkeiros, com forma particular da cultura de uma comunidade, ressaltando aspectos

da vida e dos valores dos mais diferentes grupos sociais;

·
Reconhecimento dos recursos prosódicos utilizados em um texto poético (rima, ritmo,

assonância, aliteração, onomatopeia etc.);

·
Emissão de julgamento de valor do que se escuta com argumentos e de modo

respeitoso e ético.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Reconhecimento da forma, do conteúdo e da função sociocomunicativa de textos

como: Carta do Leitor, Carta de Reclamação, Artigo de Opinião, Resenha Crítica em

função das características próprias do gênero, do suporte, do autor etc.;

·
Identificação da ideia central do texto ou do ponto de vista que constitui o eixo

entorno do qual o texto se organiza;

·
Estabelecimento de relações entre o ponto de vista do autor e o argumento oferecido

para sustentá-lo em função da coerência;

·
Busca de informações e consulta a fontes de diferentes tipos (jornais, revistas,

enciclopédias, etc.);

·
Distinção entre o fato e uma opinião relativa a esse fato;

·
Reconhecimento em um texto de marcas decorrentes de identificações políticas,

ideológicas e de interesses econômicos dos interlocutores.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de textos quanto aos gêneros selecionados, considerando a intenção do

autor, as características do interlocutor, as exigências da situação e os objetivos

estabelecidos (fundamentar, defender, ressaltar, opinar, persuadir, advertir, divulgar,

explicar, ironizar, divertir, emocionar);

·
Utilização de recursos gráficos e padrões da escrita, em função do projeto textual e as

condições de produção (título e subtítulo, paragrafação, pontuação e outros sinais

gráficos);

·
Adequação aos modos típicos de organização, sequência e apresentação que

caracterizam os diferentes gêneros de texto;

·
Construção de formas de representação gráfica do que se propõe escrever;

·
Utilização do registro no sistema alfabético, estabelecendo correspondências

grafofônicas, respeitando as formas ortográficas mais frequentes e a regras da norma

padrão (uso de RR, QU, GU, NH, M/N, CH, LH, SS e vogais nasais); de sua produção

e circulação.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e reflexão sobre a Língua


·
Reconhecimento do diálogo entre textos, das várias vozes presentes nos textos com a

finalidade de ampliar o repertório no exercício da interpretação;

·
Observação dos diferentes componentes do sistema linguísticos observados na fala e

na escrita nas diferentes variedades da língua;

·
Compreensão dos valores sociais da variação linguística, percebendo o consequente

preconceito contra os falares em oposição às formas dos grupos menos favorecidos;

·
Reflexão sobre as diferentes linguagens (visuais, gestuais, sonoras e audiovisuais),

como formas do homem criar e expressar significados;

·
Reflexão sobre a importância da linguagem na produção e circulação das

representações simbólicas e dos bens interculturais.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Orais


·
Narração de diferentes situações de comunicação oral (Contações de História, Causos,

Narrativas de aventura e Emboladas), considerando os aspectos da narrativa, a

sequência dos acontecimentos e relacionando o enredo com a ação dos personagens;

·
Emissão de juízo de valor a partir da comparação de fenômenos linguísticos de

realização de um mesmo em texto na modalidade oral e escrita da língua,

compreendendo sua similaridade e diferença.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Valorização da leitura de Contos, Poemas, Causos, Contos e Emboladas como fonte

de fruição estética e entretenimento;

·
Reconhecimento das características próprias do tipo ou do gênero a que pertence os

textos: em estudo (Contos, Biografia, Autografia, Poemas, Tiras, Narrativa Fantástica,

Narrativa Mítica, Novela etc.);

·
Compreensão da complexidade do núcleo dramático de uma narrativa e das ações dele

decorrentes;

·
Identificação da relação causa e efeito;

·
Avaliação da propriedade de incorporar fatos da realidade na construção da narrativa

ficcional;

·
Estabelecimento de relações, em função das marcas de segmentação textual (mudança

de capítulo ou parágrafo, títulos e subtítulos, para textos em prosa; colocação em

estrofes e versos, para textos em versos.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de poemas e cordel, explorando o ritmo, a rima, a sonoridade em geral em

função das características do gênero, do suporte, do autor etc.;

·
Adequação aos modos típicos de organização, sequência e apresentação que

caracterizam os diferentes gêneros trabalhados;

·
Utilização de apoio de desenho, fotos e ilustrações na produção de textos em

linguagem não verbal;

·
Emprego de convenções gráficas (margens, distribuição no espaço do suporte textual,

segmentação em parágrafos e estruturação em estrofes e versos) próprias da

apresentação dos diferentes gêneros de texto.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Análise das sequências textuais predominantes no texto (narrativa, descritiva,

expositiva, argumentativa e conversacional) e dos recursos expressivos presentes no

interior de cada gênero;

·
Reflexão sobre as relações entre linguagem e ideologia, reforçando ou revendo as

crenças e as percepções que as pessoas têm acerca de si mesmas, dos outros e da

realidade;

·
Reflexão sobre o sentido pessoal e social em que se montam os textos, como forma de

se promover o intercâmbio e o acesso a outras realidades históricas e culturais;

·
Análise e apropriação do uso de recursos lexicais (jogos metafóricos e metonímicos,

repetição, hiperonímia e hiponímia etc.) em função da linguagem estética e simbólica;

·
Análise e utilização de figuras de linguagem (hipérbole, eufemismo, metáforas,

comparação, personificação, repetição, gradação etc.) e de recursos prosódicos (rima,

aliteração, assonância, onomatopéia, dentre outros) em um texto.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Orais


·
Produção de textos dos gêneros (Reportagem, notícia, crônica jornalística etc.), que

requeiram relatos de fatos importantes do cotidiano, considerando a intenção do

enunciador, as características do interlocutor, as exigências da situação e os objetivos

estabelecidos;

·
Utilização de elementos reiterativos ou conectores (repetições, substituições,

referenciação, associações semânticas, conjunções, expressões modalizadoras,

advérbios etc.) a fim de orientar a articulação entre os diferentes tópicos da interação;

·
Identificação das marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor na

interação comunicativa.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Leitura e compreensão das características próprias do tipo ou do gênero a que pertence

os textos (Reportagem, Entrevista, Propaganda, Panfletos, Anúncios, Folhetos e

Notícias);

·
Comparação de textos, buscando o estabelecimento de semelhanças e diferenças

quanto às ideias e aos recursos formas utilizados;

·
Identificação das características próprias do locutor e do interlocutor a partir das

marcas textuais ou outras pressupostas pelo contexto;

·
Combinação de estratégias de antecipação e inferência a partir de informações obtidas

no contexto por meio de pistas, com índices permitidos pelo próprio texto;

·
Reconhecimento da finalidade ou do objetivo pretendido pelo texto;

·
Identificação do locutor e interlocutor a partir de marcas linguísticas presentes no texto

(gíria, expressões típicas, jargões, marcas fonéticas etc.).

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de Reportagem, Entrevista, Propaganda, Panfletos, Anúncios, Folhetos e

Notícias ajustados às necessidades das situações comunicativas;

·
Transcrição e edição de depoimentos, ajustando o texto às restrições impostas pelo

gênero;

·
Empréstimo ao texto de algum aspecto de novidade e de criatividade;

·
Atribuição de um título adequado ao texto ou as seções e subtópicos do mesmo;

·
Substituição de termos vagos ou imprecisos por palavras ou expressões mais

específicas relativas ao vocabulário técnico e do assunto abordado;

·
Utilização de resumos com o qual se reformula um texto a fim de sintetizá-lo em seus

aspectos mais relevantes, procurando manter fidelidade ao plano, ao conteúdo e ao

ponto de vista de seu autor.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Análise das sequências textuais predominantes no texto (narrativa, descritiva,

expositiva, argumentativa e conversacional) e dos recursos expressivos presentes no

interior de cada gênero;

·
Utilização de recursos coesivos oferecidos pelo sistema de pontuação e por expressões

que marcam temporalidade e causalidade, além da manutenção do tempo verbal;

·
Verificação da articulação entre o que foi planejado e a escrita do texto;

·
Emprego dos pronomes de acordo com a norma padrão.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação regular em diferentes gêneros orais (Comentários e Opiniões Pessoais,

Crítica, Denúncia) escutando e analisando a fala do interlocutor, confrontando ideias e

defendendo pontos de vistas próprios;

·
Produção de textos orais espontâneos e/ou com temas propostos, organizando as ideias

e expondo o pensamento de maneira clara, coerente e criativa;

·
Formulação de argumentos, sustentando-os com exemplos, ou definição, ou relação

causa/consequência, problema ou solução etc.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Reconhecimento quanto à forma e ao conteúdo dos textos: Cartas Pessoais, Cartas do

leitor, Tabela, Mapas, Roteiro, Filmes Cartum e outras Histórias em quadrinhos em

função das características do gênero, do suporte, do autor etc.;

·
Busca de informações e consulta a fontes de diferentes tipos (jornais, revistas,

enciclopédias, etc.);

·
Comparação das diferenças de uma mesma informação em diferentes veículos

informativos e/ou suportes;

·
Reconhecimento dos efeitos de sentido do uso de marcas típicas da modalidade oral

em um texto, bem como o registro formal e informal;

·
Identificação de inferências ou remissões a outros textos ou a outros autores.

3. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de Textos Escritos


·
Produção de textos quanto aos gêneros selecionados, considerando a intenção do

autor, as características do interlocutor, as exigências da situação e os objetivos

estabelecidos (fundamentar, defender, ressaltar, opinar, persuardir, advertir, divulgar,

explicar, ironizar, divertir, emocionar);

·
Articulação das ideias do texto com aquilo que já se sabe;

·
Organização das ideias globais em um esquema coerente, concebendo o texto como

uma resposta a um problema;

·
Reconhecimento e utilização de padrões da escrita adequados de palavras usuais com s

com som de z, x com som de z, x com som de z, je, ji, ou ge, gi; ce, ci ou se, si; ou ss;

h inicial, respeitando as regras da norma padrão.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Análise e formulação de títulos e subtítulos com um grupo nominal;

·
Identificação de papel argumentativo de certos conectivos (já que, se, além disso, mas,

e, ou, porque, entre outros);

·
Utilização de elementos linguísticos para a construção da coesão referencial (retomada

pronominal, repetição, substituição lexical, elipse);

·
Estabelecimento da relação entre a estratégia argumentativa do autor e os operadores

argumentativos e recursos coesivos utilizados por ele;

·
Emprego de pronomes de acordo com norma padrão.

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - ENSINO FUNDAMENTAL – II

SEGMENTO – III FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA

OBJETIVO


Utilizar a linguagem na escuta e produção de textos orais, na leitura e produção de textos

escritos, em instâncias públicas e privadas, de modo a atender a múltiplas demandas sociais e

a responder a diferentes propósitos comunicativos e expressivos, considerando as diferentes

condições de produção do discurso.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Assumir a palavra e produzir textos – sejam eles orais ou escritos – coerentes, coesos,

adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos

tratados;

·
Compreender as especificidades das modalidades da língua oral e da língua escrita;

·
Compreender os distintos discursos subjacentes aos textos orais e escritos;

·
Utilizar a linguagem como meio para produzir, expressar e comunicar ideias, ponto de

vista, opiniões, relatos;

·
Produzir sequências próprias, consideradas aceitáveis no interior da língua portuguesa;

·
Interpretar e usufruir diferentes produções culturais, em contextos públicos, atendendo

a diferentes intenções e situações de comunicação.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Produção de textos dos gêneros (Jingle, Paródias, Telenovelas, Telejornal),

considerando a intenção do enunciador, as características do interlocutor, as

exigências da situação e os objetivos estabelecidos;

·
Utilização, de acordo com a intenção comunicativa, de diferentes relações – fato ou

opinião, anterioridade e posterioridade, comparação, causa e consequência etc.;

·
Compreensão do sentido nas mensagens orais, identificando elementos possivelmente

relevantes segundo os propósitos e intenções pretendidos pelo autor.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Reconhecimento quanto à forma e ao conteúdo dos textos: Texto Expositivo, Verbete,

Resumo de textos, Artigo Enciclopédico, Notas Explicativas, Relatório em função das

características do gênero, do suporte, do autor, da temática etc.;

·
Reconhecimento do que é novo e o que já está dado em um texto e conectar as

proposições / esses elementos entre si;

·
Identificação de elementos que constituem os textos informativos e expositivos (tópico

frasal, hierarquia de informação, exemplificação, analogia, comparação;

·
Identificação de referências ou remissões a outros textos;

·
Discernimento quanto às conclusões autorizadas pelo texto, presentes no texto e

pressupostos no contexto e que demarcam sinais e pistas para a tiragem de conclusões;

·
Análise do efeito de sentido, consequente do uso de linguagem figurada;

·
Percepção da variação linguística, compreendendo os valores sociais nela implicados

e, consequentemente, o preconceito contra os falares populares em oposição às formas

dos grupos socialmente favorecidos.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de textos quanto aos gêneros selecionados, considerando a intenção do

autor, as características do interlocutor, as exigências da situação e os objetivos

estabelecidos (Artigo de Opinião, Carta do Leitor, Carta de Reclamação, Resenha

Crítica etc.);

·
Elaboração de argumentos e contra-argumentos para defender uma tese / um ponto de

vista;

·
Produção de uma conclusão coerente com os argumentos precedentes;

·
Organização das ideias globais em um esquema coerente, concebendo o texto como

uma explicação e uma argumentação sobre uma tese.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e reflexão sobre a Língua


·
Reflexão sobre as diferentes linguagens (visuais, gestuais, sonoras e audiovisuais),

como formas do homem criar e expressar significados;

·
Reflexão sobre as relações entre linguagem e ideologia, reforçando ou revendo as

crenças e as percepções que as pessoas têm acerca de si mesmas, dos outros e da

realidade;

·
Percepção quanto ao papel das palavras ou expressões como recursos da coesão e

coerência necessários para encadeamento entre os segmentos dos textos, tais como uso

de conectores (conjunção, advérbios) na demarcação de temporalidade, oposição

causa, consequência, conclusão comparação exemplificação etc.;

·
Utilização de organizadores argumentativos, marcando: refutação, concessão,

oposição, adição etc.;

·
Utilização de verbos declarativos, apreciativos, opinativos etc.;

·
Análise de regras ortográficas.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação regular em diferentes gêneros orais (Relatos pessoais, Autobiografia,

Testemunho etc.), escutando e analisando a fala do interlocutor, confrontando ideias e

defendendo pontos de vista próprios;

·
Preparação prévia e monitoramento simultâneo da fala para os gêneros marcados por

maior formalidade e que se referem aos usos públicos da linguagem, estabelecendo a

progressão temática coerente;

·
Escuta e reflexão de diferentes textos orais, observando os usos, os tipos de

formalidade, os propósitos comunicativos, a sua relação com a escrita, entre outros.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Leitura e compreensão das características próprias do tipo ou do gênero a que pertence

os textos: Cartas Pessoais, Curriculum Vitae, Relato de Experiência, Classificados,

Memórias, Biografia, Cartas Comerciais;

·
Reconhecimento de características próprias de um texto de análise/opinião nos mais

variados gêneros como relatos pessoais, entrevista, reportagem, carta do leitor e

notícias;

·
Reconhecimento do registro formal em determinadas situações que exigem um

tratamento protocolar definido, situações cerimoniosas como Majestade, Excelência,

Santidade etc. e registro informal na indicação de proximidade e familiaridade;

·
Relação das marcas de intencionalidade do texto ao lugar social do autor (homem X

mulher; líder sindical X empresários, pai X filho, trabalhador X patrão), observando as

diferenças de sentido daí decorrentes;

·
Identificação das diferenças em textos devido à época em que foi produzido;

·
Distinção entre uma mesma informação divulgada por diferentes fontes (jornal,

revista, rádio e televisão e seus efeitos de sentido;

·
Estabelecimento de relação temáticas e/ou estilísticas (semelhança ou oposição) entre

dois textos de diferentes autores ou de diferentes épocas.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de textos dos gêneros (Carta do Leitor, Classificados, Memórias, Biografia,

Cartas Comerciais, Relatos Pessoais, Entrevista, Reportagem e notícias), considerando

a intenção do enunciador, as características do interlocutor, as exigências da situação e

os objetivos estabelecidos;

·
Organização das ideias globais em um esquema coerente, concebendo o texto como

uma descrição e uma sequência de acontecimentos;

·
Utilização de relações, tais como: causa e consequência, fato ou opinião, definição ou

exemplo, conflito e solução, comparação, oposição, progressão argumentativa etc., de

acordo com o projeto textual.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Utilização de recursos coesivos oferecidos pelo sistema de pontuação e por expressões

que marcam temporalidade e causalidade, além da manutenção do tempo verbal;

·
Sistematização do verbo no modo imperativo de acordo com o gênero textual;

·
Identificação e utilização de recursos linguísticos para expressar os diálogos

(travessão, aspas, verbos de elocução etc.);

·
Análise e compreensão de diferentes relações sintático-semânticas (gradação,

disjunção, explicação ou estabelecimento de relação causal, conclusão) em diferentes

gêneros textuais;

·
Análise de regras ortográficas.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Produção de textos dos gêneros (Mesa Redonda, Anúncios, Propagandas),

considerando a intenção do enunciador, as características do interlocutor, as

exigências da situação e os objetivos estabelecidos;

·
Organização das ideias e exposição do pensamento de maneira clara, coerente e

criativa na produção de textos orais espontâneos e/ou com temas propostos;

·
Compreensão dos elementos/aspectos que constituem a fala e a sua relação com a

escrita, percebendo suas similaridades e diferenças.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos Escritos


·
Reconhecimento quanto à forma e ao conteúdo dos textos: Propagandas, Anúncios

Publicitários, Editorial, Jingles, Carta de Reclamação em função das características do

gênero, do suporte, do autor, da Temática etc.;

·
Comparação de opiniões/pontos de vista em dois textos sobre o mesmo tema;

·
Distinção entre argumentos e não argumentos e entre argumentos e contra-argumento;

·
Análise do uso de estratégias argumentativas para fundamentação da tese/ponto de

vista;

·
Estabelecimento de relações comparativas entre duas operações argumentativas,

considerando as diferenças de sentido decorrentes da opção por uma ou outra;

·
Análise da importância de um texto em outro na construção do sentido (valor de

citação ou da alusão para a estratégia argumentativa do autor ou para a construção do

sentido);

·
Avaliação da função argumentativa de escolha lexical, formas de tratamento e relação

de co-referência: sinônimos (palavras com mesmo significado que agregam diversas

categorias), hiperônimos (substantivos que agregam diversas categorias) e expressões

nominais definidas (expressões usadas no lugar do nome ou do pronome que

legitimam uma afirmação feita ao personagem) no texto.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de textos dos gêneros (Folhetos, Anúncios e Propagandas) considerando a

intenção do enunciador, as características do interlocutor, as exigências da situação e

os objetivos estabelecidos;

·
Utilização de estratégias da escrita como planejar o texto, redigir rascunhos, revisar e

cuidar da apresentação com orientação;

·
Elaboração de relatos pessoais escritos de experiências vividas.

4. Eixo estruturante - Análise Linguística e reflexão sobre a Língua


·
Análise e compreensão de diferentes relações sintático-semânticas (comparação,

contraposição, exemplificação, retificação, explicitação) em diferentes gêneros

textuais;

·
Descrição e compreensão dos fenômenos linguísticos por meio de agrupamento,

aplicação, comparações e análises e formas linguísticas: processos de concordância

regulares (número, tempos e pessoas verbais) e morfologia (classes e flexões de

palavras);

·
Identificação dos efeitos de sentido consequente do uso da pontuação expressiva

(interrogação, exclamação, reticências, aspas, parênteses, entre outras);

·
Reconhecimento e construção das diferentes formas de discurso reportado.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação regular em diferentes gêneros orais (Debate Deliberativo, Debate regrado,

Mesa Redonda, Reclamação) escutando e analisando a fala do interlocutor,

confrontando ideias e defendendo pontos de vistas próprios;

·
Antecipação e refutação de posições contrárias;

·
Elaboração de contra-argumentos;

·
Distinção entre argumentos / não-argumentos e entre argumentos e contra-argumentos;

·
Participação em situações de intercâmbio oral que requeiram escuta atenta,

intervenção sem sair do assunto tratado, formulação e respostas às perguntas,

explicação, manifestação e acolhimento de opiniões, adequação às colocações aos

temas.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Reconhecimento quanto à forma e ao conteúdo dos textos: Reportagens, Textos

Jornalísticos, Textos publicitários e Textos Científicos em função das características

do gênero, do suporte, do autor etc.;

·
Associação das características e estratégias de um texto ao suporte (em que veículo

circula a informação), ao gênero (ficcional ou não ficcional) e ou locutor e

interlocutor, reconhecendo índices que permitam a identificação;

·
Correlação, em um texto, de termos, expressões ou ideias que tenham o mesmo

referente;

·
Estabelecimento de relações em função das marcas de segmentação textual (mudança

de capítulo ou parágrafo, títulos e subtítulos para textos em prosa; e colocação em

estrofes e versos para textos em versos.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de textos dos gêneros (Reportagens, Textos Jornalísticos, Textos

publicitários e Textos Científicos), considerando a intenção do enunciador, as

características do interlocutor, as exigências da situação e os objetivos estabelecidos;

·
Estabelecimento das relações entre partes de um texto a partir das concordâncias

nominal e verbal;

·
Utilização de elementos reiterativos ou conectores (repetições, substituições,

referenciação, associações semânticas, conjunções, expressões modalizadoras,

advérbios etc.) a fim de orientar a articulação entre os diferentes tópicos do texto;

·
Utilização de recursos coesivos oferecidos pelo sistema de pontuação e por expressões

que marcam temporalidade e causalidade, além da manutenção do tempo verbal.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e reflexão sobre a Língua


·
Reconhecimento e utilização das diferentes regras de concordância nominal e verbal

de acordo com a língua padrão;

·
Identificação e utilização de diferentes organizadores enumerativos;

·
Sistematização e utilização de verbos nos tempos pretéritos do modo indicativo de

acordo com o gênero textual;

·
Identificação e utilização, em função da orientação narrativa / descritiva, de diversos

meios para exprimir certeza, probabilidade, dúvida, negação, afirmação (com o apoio

de tempos e modos verbais, advérbios, pronomes indefinidos).

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - ENSINO FUNDAMENTAL – II

SEGMENTO – IV FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA

OBJETIVO


Expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e utilizá-la com eficácia em instâncias

públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos – tanto orais quanto escritos –

coerentes, coesos, adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem, às

situações comunicativas e aos assuntos tratados, utilizando-se de e respeitando as diferentes

variedades linguísticas.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Compreender os textos orais e escritos com os quais se defrontam em diferentes situações

de participação social, interpretando-os corretamente e inferindo as intenções de quem os

produz;

·
Utilizar a linguagem como instrumento de aprendizagem, sabendo como proceder para ter

acesso, para compreender e para fazer uso de informações contidas em diversos gêneros

textuais;

·
Atuar como leitor efetivo e crítico dos mais diferentes textos representativos de nossa

cultura;

·
Ampliar e articular competências e conhecimentos que possam ser mobilizadas nas

inúmeras situações de uso da língua com que se depara nas relações familiares, escolares,

profissionais etc.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação regular em diferentes gêneros orais (Exposição oral, Seminário,

Comunicação Oral, Entrevista etc.) escutando e analisando a fala do interlocutor,

confrontando ideias e defendendo pontos de vistas próprios;

·
Reconhecimento do papel de marcadores conversacionais (né, então, aí, hum, ahan

etc.) e repetições na construção textual-discursiva e da progressão temática;

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Leitura e compreensão das características próprias do tipo ou do gênero a que pertence

os textos (Manifesto, Documentários e Filmes);

·
Construção do significado global do texto, a partir da compreensão da função das

partes que o constitui (simples ou complexo, particular ou geral, relevante ou

dispensável, principal ou secundário etc.);

·
Análise do efeito de sentido consequente do uso de pontuação expressiva

(interrogação, exclamação, reticências, aspas);

·
Comparação de opiniões/pontos de vista em dois ou mais textos sobre o mesmo tema.

3. Eixo estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Produção de gêneros textuais da tipologia narrativa (Piadas, Fábulas, Contos, Relato

Pessoal, Sketch ou Histórias engraçadas etc.), considerando o tempo, o espaço, o

enredo, as ações dos personagens, entre outros aspectos;

·
Utilização de estratégias da escrita como planejar o texto, redigir rascunhos, revisar e

cuidar da apresentação com orientação;

·
Identificação de inferências ou remissões a outros textos ou a outros autores;

·
Planejamento de estratégias discursivas/textuais para envolver e persuadir o leitor.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Identificação e utilização, em função da orientação argumentativa, de diversos meios

para exprimir certeza, probabilidade, dúvida, negação, afirmação (com o apoio de

tempos e modos verbais, advérbios, orações subordinadas, locuções adverbiais);

·
Compreensão e uso adequado do paradigma verbal de acordo com os contextos de

interação, bem como daqueles verbos que não seguem a regularidade (verbos

irregulares);

·
Análise de regras ortográficas.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação regular em diferentes gêneros orais (Júri Simulado, Relatos Pessoais,

Palestra) escutando e analisando a fala do interlocutor, atendendo aos propósitos

comunicativos, respeitando as características dos gêneros;

·
Utilização de modalizadores, paráfrases e reformulações a fim de atender aos

propósitos comunicativos e às necessidades dos interlocutores.

2. Eixo estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Valorização da leitura de Crônica e Romance como fonte de fruição estética e

entretenimento;

·
Reconhecimento quanto à forma e ao conteúdo dos textos: Crônica, Romance,

Entrevista, Propagandas e Reportagem em função das características do gênero, do

suporte, do autor, etc.;

·
Discernimento quanto às conclusões presentes e autorizadas pelo texto, e pressupostos

no contexto e que demarcam sinais e pistas para apreender conclusões;

·
Depreensão de informações implícitas, ou seja, informações não-ditas, mas que podem

ser identificadas por outras disponíveis no texto ou derivadas do conhecimento prévio

do leitor;

·
Articulação entre conhecimentos prévios e informações textuais para perceber

ambiguidade, ironias e expressões figuradas, opiniões e valores implícitos e explícitos,

bem como as intenções do autor.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Verificação da articulação entre o que foi planejado e a escrita do texto;

·
Seleção do que vai ser dito, ativando os conhecimentos já disponíveis e pesquisando,

em fontes diferentes, aqueles que serão necessários para atender às finalidades de

produção e aos interlocutores;

·
Organização de um plano geral que oriente a geração de um texto (de acordo com o

gênero textual), monitorando as ações, os objetivos discursivos e os possíveis

interlocutores.

4. Eixo Estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Análise de regras ortográficas;

·
Análise das diferentes funções sintáticas que as palavras podem exercer na construção

dos sentidos e das intenções expressos pelos enunciados;

·
Reconhecimento e utilização das diferentes regras de concordância nominal e verbal

de acordo com a língua padrão;

III BIMESTRE

1. Eixo estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação em diferentes situações de comunicação oral que requeiram exposição de

ideias ou razões, explicação, elogio, aviso, convite, entre outros, utilizando-se de

planejamento e adequando-se às condições de produção e recepção desses textos;

·
Reconhecimento dos papeis assumidos pelos participantes, ajustando o texto à

variedade linguística adequado e aos propósitos comunicativos estabelecidos;

·
Compreensão do sentido nas mensagens orais, identificando elementos possivelmente

relevantes segundo os propósitos e intenções pretendidos pelo autor.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Reconhecimento quanto à forma e ao conteúdo dos textos: Tabela, Mapas, Plantas,

Maquetes, Portfólios etc. em função das características do gênero, do suporte, do autor

etc.;

·
Combinação de estratégias de antecipação e inferência a partir de informações obtidas

no contexto por meio de pistas, com índices permitidos pelo próprio texto.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Escritos


·
Construção de formas de representação gráfica do que se propõe escrever;

·
Proposição de escrita mais produtiva que permita o monitoramento de sua própria

produção;

·
Compreensão, adequação e/ou modificação das diferentes dimensões da textualidade

(tema, organização sequencial, vocabulário, estruturação dos períodos, paragrafação

etc.).

4. Eixo Estruturante – Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Reflexão sobre as diferentes linguagens (visuais, gestuais, sonoras e audiovisuais),

como formas do homem criar e expressar significados;

·
Interesse no uso e conhecimento das regras de utilização de bibliotecas, centros de

documentação e redes de informação;

·
Identificação de mecanismos de articulação frasal e seus aspectos sintáticos e

semânticos (subordinação e coordenação);

·
Reconhecimento e utilização das diferentes regências entre o nome e o verbo e seus

complementos (regência nominal e verbal) de acordo com a língua padrão.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Participação regular em diferentes gêneros orais (Seminários e Palestras) escutando e

analisando a fala do interlocutor, confrontando ideias e defendendo pontos de vistas

próprios;

·
Cooperação para que haja sucesso da interação com escuta atenta e respeitosa dos

mais diferentes tipos de interlocutores e eventos comunicativos.

2. Eixo Estruturante - Leitura e Compreensão de Textos


·
Leitura e compreensão das características próprias do tipo ou do gênero a que pertence

os textos (Relatório, Textos jornalísticos, Textos publicitários, Textos científicos,

Editorial, Artigo de Opinião);

·
Estabelecimento de relações temáticas ou estilísticas entre textos de diferentes autores,

ou diferentes épocas ou diferentes suportes;

·
Desmontagem do texto a fim de compreender a organização de ideias, o plano de

construção entre suas partes e os elementos responsáveis pela articulação e dessas

partes;

·
Identificação de palavra e expressões e sua relação com a produção de sentido do texto

e com a construção da textualização (repetições, substituições, nexos coesivos entre

palavras, orações e parágrafos);

·
Interpretação de elementos e informações não explicitados no texto, recorrendo a

conhecimentos prévios, enciclopédicos, linguísticos, entre outros.

3. Eixo Estruturante - Produção e Compreensão de textos Escritos


·
Seleção e produção de um gênero de acordo com uma determinada situação de

interação;

·
Formulação de argumentos, sustentando-os com exemplos, ou definição, ou relação

causa/consequência, problema ou solução etc.;

·
Utilização de modalizadores, paráfrases e reformulações a fim de atender aos

propósitos comunicativos e às necessidades dos interlocutores.

4. Eixo estruturante - Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Reflexão sobre a adequação da nomenclatura dos fatos gramaticais como forma

produtiva de se analisar a linguagem;

·
Análise da função destinada ao uso de uma nomenclatura gramatical de referência à

língua trabalhada nos textos;

·
Identificação de mecanismos de coesão referencial (retomada, repetição, substituição

lexical, elipse) e sequencial;

·
Reconhecimento e utilização das diferentes regências entre o nome e o verbo e seus

complementos (regência nominal e verbal) de acordo com a língua padrão.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ANTUNES, Irandé.
Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Os
gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins

Fontes, 2003.

BAZERMAN, Charles.
Gêneros Textuais, Tipificação e Interação. 2. ed. São Paulo: Cortez,

2006a.

____________.
Gênero, Agência e Escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BRASIL.
Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

_______. PCN Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros

Curriculares Nacionais
. Vol. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: MEC/Semtec,

2002.

_______.
Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Vol. Linguagens, Códigos e suas

Tecnologias. Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

CANDIDO, Antonio.
Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo:

Ed. Nacional, 1980.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.

______________
Na sala de aula: Caderno de análise literária. São Paulo: Ática (série

Fundamentos), 1998.

DOLZ et al. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In:

SCHNEWLY, B.; DOLZ J.
Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras,

2004.

EAGLETON, Terry.
Teoria de Literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

GERALDI, João Wanderley.
Linguagem e ensino: exercício de militância e divulgação,

Campinas – SP: Mercados das Letras, 1996.

_______________
Portos de passagem. São Paulo: Martins fontes, 1991.

GNERRE, Maurizzio.
Linguagem, escrita e poder. 3ª ed. Martins Fontes: São Paulo, 1991.

LAJOLO, Marisa.
Do mundo da leitura para a leitura do mundo. SP: Ática, 2001.

LIMA, Luiz Costa. Teoria da Literatura em suas fontes. 2. Ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves,

1983.

BRASIL.
PCN+: Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

PERNAMBUCO.
Base Curricular Comum para as Redes Públicas de Ensino de Pernambuco


BCC, Língua Portuguesa. Recife: SEE, 2008.

______.
Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio – Língua Portuguesa. Recife:

SEE, 2008.

POSSENTI, Sírio.
Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: SP: 1996.

ZILBERMAN, Regina & Silva, Ezequiel Theodoro da. (org)
Leitura – perspectivas

interdisciplinares.

5ª ed. SP: Ática, 2000.

SITES

www.ufpe.br/ceel


www.revistanovaescola.com.br

www.cidadaodofuturo.org.br

www.superinteressante.com.br


LIVROS


ALVES, Rubens.
Estórias de quem gosta de ensinar. 8 ed. Campinas, SP: Papirus, 2001.

AMORIM, Vanessa e MAGALHÃES, Vivian.
Cem aulas sem tédio – Língua Portuguesa. 2

ed. Porto Alegre: Editora Equilíbrio, 2008.

ANTUNES, I.
Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho.

São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BAGNO, Marcos et al.
Língua materna: letramento, variação e ensino. São Paulo: Parábola

Editorial, 2002.

______.
A língua de Eulalia. 16ed. São Paulo: Contexto, 2008.

______.
Pesquisa na Escola. São Paulo: Loyola, 1998.

______.
Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.

______.
Nada na língua é por acaso. São Paulo: Parábola, 2007.

BRANDÃO, Ana Carolina e LEAL, Telma Ferraz (org).
Produção de textos na escola:

reflexões e práticas no ensino fundamental

. Belo Horizonte: Autentica, 2006, p. 45-64.

BRANDÃO, Helena e MICHELETTI, Guaraciaba. A
prender e ensinar com textos didáticos e

paradidáticos

. São Paulo: Cortez, 2002, p.17-30.

BRITO, Karim, GAYDEZKA, Beatriz e KARWOSKI, Acir Mario. Gêneros Textuais:

reflexões e Ensino. São Paulo: Parábola, 2011.

BUZEN, Clécio & MENDONÇA, Márcia (org.
). Português no ensino médio e formação do

professor

. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

COSCARELLI, Carla Viana.
Livro de receitas do professor de português. Belo Horizonte:

Autêntica, 2003.

FRANCHI, Carlos. O que é gramática? São Paulo: Parábola.

GERALDI, João Wanderley.
Portos de Passagem.São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KLEIMAN, Angela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes, 1997.

_______. e MORAES, Silvia E. leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da

escola. Campinas: Mercado de Letras, 1999.

KOCH, Ingedore e ELIAS, Vanda Maria. Ler e Escrever: estratégias de produção textual. São

Paulo: Contexto, 2009.

_______. Ler e Compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2009.

LAJOLO, Marisa. O texto não é pretexto. In: ZILBERMAN, Regina (org).
Leitura em crise

na escola: alternativas do professor

. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982, p. 51-62.

______________. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 2004.

LEAHY-DIOS, Cyana.
Língua e literatura: uma questão de educação? Campinas: Papirus,

2001.

MARCHUSCHI, Luiz Antônio e DIONISIO, Ângela Paiva (ORG).
Fala e escrita. Belo

Horizonte: Autentica 2007.

MARCUSCHI, Luiz Antônio.
Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São

Paulo: Parábola editorial, 2008.

NEVES, M .H. M. Gramática na escola. 2 ed., São Paulo: Contexto, 1991.

________. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na língua portuguesa. São Paulo:

Contexto, 2003.

PERINI, M. 1995. Sofrendo a gramática. São Paulo: Ática, 1995.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: ALB/Mercado de

Letras, 1996.

SANTOS, Carmi, MENDONÇA, Márcia, CAVALCANTE, Marianne (org). Diversidade

Textual: os gêneros na sala de Aula. Belo Horizonte: Autentica.

SOLE, Isabel. Estratégias de Leituras. 6. ed., Rio Grande do Sul: Artmed, 1998.

SOUZA, Ivane e BARBOSA, Maria Lucia (org.).
Práticas de leitura no ensino fundamental.

Belo Horizonte: Autentica 2006.

SUASSUNA, L. Ensaios de Pedagogia da Língua Portuguesa. Recife, Editora Universitária

da UFPE, 2006.

___________. Ensino de língua portuguesa: uma abordagem pragmática. Campinas: Papirus,

1995.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e

2º graus. São Paulo: Cortez, 1995.

___________. Gramática: ensino plural. São Paulo: Cortez, 2003.

FILMES: DOCUMENTÁRIOS E FICÇÃO


Coach Carter – Treino para vida. Thomas Carter. Paramount Pictures, Drama.

Diários de Motocicleta. Walter Salles. Buena Vista, 2004.

Entre os muros da escola. Laurent Cantet. Cinema Europeu, 2008.

Escritores da Liberdade. Richard Lagravense. Paramount Pictures, Drama, 2007.

Guerra de Canudos. José de Abreu. Sony Pictures, Drama, 1997.

Memórias Póstumas. André Klotzel. Europa Filmes, 2000.

O Nome da Rosa. Jean-Jacques Annaund. Warn Home Videolar, Drama, 1986.

O Sorriso de Monalisa. Mike Newell. Sony Pictures, Drama, 2003.

Pro Dia Nascer Feliz. João Jardim. Copacabana Filmes, Documentário, 2007.

Prova de Fogo. Videofilmes, Drama, 2006.

Uma Mente Brilhante. Ron Howard. Paramount Pictures, Drama, 2001.

PERIÓDICOS, OUTROS.


Revista Língua Portuguesa. Editora Segmento.

Revista Educação. Editora Segmento.

Revista Escola Pública. Editora Segmento.

Revista Nova Escola. Editora Abril.

Revista Literatura. Editora Escala.

Revista Brava. Editora Abril.

Revista Superinteressante. Editora Abril.

Revista Continente.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS DA JOVENS, ADULTOS E

IDOSOS(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

LÍNGUA PORTUGUESA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS ADULTOS

ENSINO MÉDIO


RECIFE - 2012


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva

Secretaria Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi

Secretaria Executiva de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerente da Educação de Jovens e Adultos

Claudia Mendes Abreu

Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio

Equipe Técnica Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Souza

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI

Coordenação

:

Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

– UEJAI

Equipe de elaboração:


Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de

Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Janaína Ângela da Silva- Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio – GEPEM

Josemár Barbosa Almeida – Gerência Regional de Educação-Recife Norte

Maria Clara Catanho Cavalcanti- Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio –

GEPEM

Rosa Maria de Souza Leal Santos – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Veralúcia Arruda Moura- Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio – GEPEM

Revisão:


Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de

Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Diego Bruno Barbosa Feliz - Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Rosa Maria de Souza Leal Santos – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

ORIENTAÇÃO TEÓRICO – METODOLÓGICA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – ENSINO MÉDIO

COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA

MÓDULO I

OBJETIVOS:


Empregar as competências interativas, textuais e gramaticais, a partir da análise e reflexão

sobre os recursos expressivos da linguagem verbal e não verbal, relacionando texto e contexto

de uso, mediante a natureza, função, organização, estrutura dos gêneros, considerando o

caráter interativo da linguagem, sua natureza mutável e a legitimidade comunicativa de todas

as suas manifestações de variação.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Compreender e usar os sistemas simbólicos das diferentes linguagens como meios de

organização cognitiva da realidade, pela construção de significados, expressão,

comunicação e informação.

·
Respeitar e preservar as diferentes manifestações de linguagem utilizadas por diferentes

grupos sociais, em suas esferas de socialização, usufruir do patrimônio nacional e

internacional, com suas diferentes visões de mundo e construir categorias de

diferenciação, apreciação e criação.

·
Aplicar as tecnologias da comunicação e da informação na escola, no trabalho e em

outros contextos relevantes para sua vida.

o
Compreender os princípios das tecnologias da comunicação e da informação,

associá-las aos conhecimentos científicos, às linguagens que lhe dão suporte e

aos problemas que se propõem solucionar.

o
Entender a natureza e o impacto das tecnologias da comunicação e da

informação na vida, nos processos de produção, no desenvolvimento do

conhecimento e na vida social.

·
Adequar-se às condições de produção e de recepção dos diferentes gêneros textuais orais.

·
Compreender e usar a língua portuguesa como língua materna, geradora de significação e

integradora da organização do mundo e da própria identidade.

o
Reconhecer-se na e pela linguagem verbal

o
Identificar, em textos de diferentes gêneros, as marcas linguísticas que

singularizam as variedades linguísticas sociais, regionais e de registro,

relacionando as variedades linguísticas a situações específicas de uso social.

o
Relacionar as variedades linguísticas a situações específicas de uso social.

·
Reconhecer e valorizar a linguagem de seu grupo social e as diferentes variedades da

língua portuguesa, procurando combater o preconceito linguístico.

o
Relacionar a presença de uma variedade linguística em um texto ao contexto de

interlocução.

o
Explorar as relações entre a linguagem coloquial e a formal nos diferentes

textos.

o
Identificar a relação entre preconceitos sociais e usos linguísticos.

o
Compreender as funções da linguagem, identificar marcas de variantes

linguísticas de natureza sociocultural, regional, de registro ou de estilo.

·
Analisar criticamente os diferentes discursos, inclusive o próprio, desenvolvendo a

capacidade de avaliação de textos.

o
Revisar os próprios textos e reescrevê-los numa ação epilinguística.

·
Usar os conhecimentos adquiridos por meio da análise linguística para expandir sua

capacidade de uso da linguagem, ampliando a capacidade de análise crítica.

o
Analisar texto e compreender a importância da coerência como elemento da

textualidade.

o
Identificar os elementos organizacionais e estruturais de textos de diferentes

gêneros.

o
Utilizar palavras de diferentes classes gramaticais, compreendendo as funções

morfossintáticas que elas podem apresentar nos textos para que a produção do

sentido seja possibilitada.

o
Analisar as especificidades das diferentes classes gramaticais na construção do

texto.

·
Compreender as relações entre o texto literário e o contexto histórico, social, político e

cultural, valorizando a literatura como patrimônio nacional.

o
Estabelecer relações entre os textos literários e seus distintos contextos,

inferindo as escolhas de temas, gêneros discursivos e recursos expressivos dos

autores;

o
Reconhecer a importância do patrimônio literário para a preservação da

memória e da identidade nacionais;

o
Utilizar os conhecimentos sobre a construção do texto literário para atribuirlhe

um sentido;

1. Eixo Estruturante: Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Reconhecimento dos efeitos do uso de certas expressões que revelam a posição do

falante em relação ao que diz (ou o uso das expressões modalizadoras);

·
Identificação de especificidades (prosódicas, lexicais, sintáticas, textuais e

pragmáticas) que auxiliam na organização do texto oral formal;

·
Reconhecimento de diferentes padrões de entonação, pausa, hesitações, conforme a

natureza das intenções pretendidas pelo enunciador;

·
Reflexão sobre as marcas específicas da oralidade em textos escritos;

·
Escuta atenta de textos em situação de leitura em voz alta ou de exposição oral - com

enfoque nos gêneros textuais:
debate, palestra, entrevista;

·
Expressão de opiniões pessoais com consistência argumentativa na defesa dos pontos

de vista;

·
Reflexão sobre a coerência de uma produção oral produzida por alunos ou não,

considerando a situação e intencionalidade discursiva;

·
Elaboração de comentários e participação em discussões e debates orais sobre livros,

peças publicitárias, peças teatrais, programas de televisão, acontecimentos do

cotidiano, letras de músicas, exposições de arte, considerando os interlocutores, os

objetivos comunicativos, especificidade do gênero etc.;

·
Identificação das estratégias utilizadas pelo e das intenções do falante (persuasão,

topicalização, repetição, polidez, tom da fala, alongamento das vogais, marcadores

conversacionais, entre outras).

2. Eixo Estruturante: Leitura e Compreensão de Textos


·
Leitura e compreensão de texto expositivo (resumo, texto expositivo em livros

didáticos, artigo enciclopédico, textos de divulgação científica, infográfico),

reconhecendo a finalidade e a importância do uso de subtítulos, notas de rodapé,

epígrafes, caixas explicativas, dados estatísticos, citações, tabelas, gráficos, entre

outros recursos para produção de sentido;

·
Leitura e compreensão de texto informativo (notícia, reportagem, panfleto, folder,

aviso, rótulo, tabela nutricional, extrato de banco etc.), reconhecendo os modos de

identificação desse discurso, os mecanismos de textualização e os recursos linguísticos

(escolha lexical, estruturação sintática, citações, paráfrases etc.) e gráficos (tabelas,

gráficos, imagens, diagramação etc.);

·
Reconhecimento de elementos pragmáticos (papeis sociais e comunicativos dos

interlocutores, relações entre esses, propósito discursivo, função sociocomunicativa do

gênero, aspectos da dimensão espaço-cultural em que é produzido);

·
Reconhecimento de estratégias textualizadoras (intertextualidade, referenciação,

progresssão, sequenciação, expressões nominais);

·
Identificação das palavras, ideias-chave e temas em textos de diferentes gêneros;

·
Relação entre os recursos verbais e extraverbais na construção de sentido do texto;

·
Distinção de tópicos e subtópicos, ponto de vista e fatos;

·
Relação entre o sentido global de um texto e seu título;

·
Inferência do sentido de uma palavra ou expressão, de informações implícitas e de

sentidos provocados pela ambiguidade em diferentes gêneros textuais;

·
Reconhecimento dos efeitos de sentido produzidos pelo humor ou ironia, pela

linguagem figurada, por recursos lexicais e morfossintáticos, pelo uso da pontuação e

pela escolha vocabular;

·
Reconhecimento dos modos de organização da composição textual das sequências

textuais (tipos textuais narrativo, descritivo, argumentativo, injuntivo, dialogal);

·
Reconhecimento da organização da macroestrutura semântica (dimensão conceitual),

articulação entre as ideias/proposições (relações lógico-semânticas);

·
Reconhecimento da organização e progressão temática;

·
Identificação de mecanismos enunciativos (formas de agenciamento de diferentes

pontos de vista na textualização, uso dos elementos de modalização).

3. Eixo Estruturante: Produção de Textos Escritos


·
Produção de texto expositivo: resumo, folder, relatório, considerando os

interlocutores, o suporte, as finalidades comunicativas, as estratégias discursivas;

·
Retextualização – produção escrita de textos a partir de outros textos tomados como

base ou fonte: produção de resenha, resumo, sinopse, notícia, panfleto, folder;

·
Reflexão sobre os textos produzidos: reelaboração (revisão/reescrita) do texto,

considerando critérios de textualidade e normativos adequados à situação de interação;

·
Desenvolvimento adequado dos processos de referenciação, visando à construção e à

reconstrução do texto.

4. Eixo Estruturante: Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Concepção de língua e linguagem;

·
Identificação de marcas linguísticas que indicam variedades regionais, sociais, de

gênero, de registro etc.;

·
Identificação de atitudes que revelam preconceito linguístico relacionado a variedades

estigmatizadas:

a. criação da gíria;

b. neologismos e os mecanismos de ressignificação de palavras já existentes;

·
Relação entre as marcas da língua falada e às marcas correspondentes na língua

escrita;

·
Compreensão do conceito de gênero textual;

·
O texto como elemento da atividade discursiva:

a. compreensão da função do substantivo no processo da referenciação;

b. compreensão da função do verbo como elemento nuclear da predicação;

c. compreensão função do adjetivo, do advérbio e de outras categorias como

elementos adjacentes aos núcleos nominais e predicativos;

d. uso dos artigos, dos pronomes pessoais, demonstrativos e possessivos na

continuidade referencial do texto;

e. identificação dos efeitos de sentido do uso dos sinais de pontuação e de outros

recursos gráficos, como: aspas, travessões, parênteses, itálico, negrito etc.;

f. divisão do texto em parágrafos conforme a distribuição dos tópicos

desenvolvidos;

g. compreensão da função das conjunções, das preposições, dos advérbios e de

suas respectivas locuções na articulação e na conexão de sentido entre as

partes de um texto;

h. associação semântica entre as palavras de um texto e seus efeitos para a

coesão e a coerência;

i. reconhecimento dos efeitos do uso das figuras de linguagem e de certas

expressões com valor homonímico, metafórico e metonímico que causam

efeitos de encantamento, de humor, de ironia, de ambiguidade e outros.

·
Identificação dos recursos linguísticos em relação ao contexto em que o texto é

construído (elementos de referência pessoal, temporal e espacial (dêiticos), registro

linguístico, grau de formalidade, seleção lexical, tempos e modos verbais);

·
Identificação de recursos linguísticos em processos de coesão textual (elementos de

articulação entre segmentos do texto, referentes à organização - temporal e/ou espacial

das sequências do texto ou à construção da argumentação).

5. Eixo Estruturante: Literatura


·
Literatura: gêneros e modos de leitura;

·
Particularidades e características do texto literário;

·
Conotação e denotação;

·
Funções da linguagem;

·
O texto poético - cânone, cordel e repente - influências históricas, culturais e sociais,

linguagem, estrutura composicional;

·
Origens da literatura brasileira: das crônicas de viagem às crônicas atuais;

·
Quinhentismo: contexto de produção, contexto literário, autores e estilos, relação com

outras linguagens;

·
Barroco: contexto de produção, contexto literário, autores e estilos, relação com outras

linguagens.

MÓDULO II

OBJETIVO


Compreender e elaborar textos e/ou discursos, tanto na modalidade oral quanto escrita da

língua, que aborde e confronte opiniões, pontos de vistas, argumentos para sustentá-los, como

também que possuam sequências narrativas, utilizando-se de diferentes manifestações da

linguagem (verbal, não verbal, simbólica) sem perder de vista o contexto de uso e as

interações sociocomunicativas.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Utilizar-se das linguagens como meio de expressão, informação e comunicação em

situações intersubjetivas, que exijam graus de distanciamento e reflexão sobre os contextos e

estatuto dos interlocutores; e saber colocar-se como protagonista do processo de produção e

recepção.

·
Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes linguagens e suas manifestações

específicas.

o
Inferir em um texto quais são os objetivos de seu produtor e quem é seu

público alvo, pela análise dos procedimentos argumentativos utilizados;

o
Relacionar, em diferentes textos, opiniões, temas, assuntos e recursos

linguísticos.

o
Analisar, em gêneros variados, os mecanismos linguísticos utilizados na

construção da argumentação;

o
Adequar-se às condições de produção e de recepção dos diferentes gêneros

textuais orais.

o
Analisar as marcas características da fala e da escrita.

·
Usar os conhecimentos adquiridos por meio da análise linguística para expandir sua

capacidade de uso da linguagem, ampliando a capacidade de análise crítica.

o
Analisar texto e compreender a importância da coerência como elemento da

textualidade.

o
Identificar e compreender os elementos coesivos como elemento que contribui

para a textualidade.

o
Identificar os elementos organizacionais e estruturais de textos de diferentes

gêneros.

o
Identificar o caráter polissêmico do léxico, compreendê-lo e utilizá-lo nas

retomadas coesivas.

o
Compreender a função textual dos tempos verbais e sua utilização na

produção dos textos;

o
Identificar os elementos que concorrem para a progressão temática e para a

organização e estruturação de textos de diferentes gêneros e tipos.

·
Refletir sobre a conveniência de se conhecerem as regras da norma padrão como

forma de se ampliar o domínio de diferentes formas de expressão da língua.

o
Reconhecer os usos da norma padrão da língua portuguesa nas diferentes

situações de comunicação;

o
Corrigir os desvios ortográficos dos próprios textos e de outros sabendo

identificá-los e explicá-los linguisticamente.

·
Analisar criticamente os diferentes discursos, inclusive o próprio, desenvolvendo a

capacidade de avaliação de textos.

o
Revisar os próprios textos e reescrevê-los numa ação epilinguística;

o
Reconhecer em textos os procedimentos de persuasão utilizados pelo autor.

o
Identificar referências intertextuais;

o
Identificar em textos as marcas de valores e intenções que expressam

interesses políticos, ideológicos e econômicos.

·
Compreender as relações entre o texto literário e o contexto histórico, social, político e

cultural, valorizando a literatura como patrimônio nacional.

o
Identificar em um texto literário as relações entre tema, estilo e contexto

histórico de produção;

o
Estabelecer relações entre os textos literários e seus distintos contextos,

inferindo as escolhas de temas, gêneros discursivos e recursos expressivos dos

autores;

o
Reconhecer a importância do patrimônio literário para a preservação da

memória e da identidade nacionais;

o
Utilizar os conhecimentos sobre a construção do texto literário para atribuirlhe

um sentido;

o
Analisar e refletir sobre a linguagem estética empregada pelos escritores em

seus textos literários;

o
Analisar textos literários e identificar neles representações histórias e

ficcionais.

·
Compreender e interpretar textos históricos e literários.

o
Distinguir as marcas próprias do texto literário e estabelecer relações entre o

texto literário e o momento de sua produção, situando aspectos do contexto

histórico, social e político;

o
Recuperar, pelo estudo do texto literário, as formas instituídas de construção

do imaginário coletivo, o patrimônio representativo da cultura e as

classificações preservadas e divulgadas, no eixo temporal e espacial.

1. Eixo Estruturante: Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Reconhecimento dos efeitos de sentido produzidos e das intenções pretendidas em

uma determinada situação comunicativa pelo uso da entonação e de outros recursos

suprassegmentais (silêncio, pausa, hesitação) e paralinguísticos (expressões

fisionômicas, gestos, postura corporal);

·
Discussão de pontos de vista e das estratégias persuasivas utilizadas em textos orais

dos domínios discursivos (publicidade no rádio e TV) e jornalístico (entrevista

radiofônica e televisiva, comentários, notícias de TV e de rádio);

·
Produção de textos expositivos orais (seminários, palestras, exposição oral, anúncios

publicitários), considerando os elementos da situação discursiva (interlocutores,

objetivos, características do gênero textual, modos de veiculação etc.);

·
Oralização de textos escritos, utilizando-se de recursos paralinguísticos e cinésicos

(entonação, ritmo, hesitações, expressão corporal etc.) adequados aos gêneros (piada,

notícia, manual de instrução, contos etc.);

·
Declamação de poemas e dramatização de textos teatrais;

·
Discussão de pontos de vista em textos opinativos.

2. Eixo Estruturante: Leitura e Compreensão de Textos


·
Leitura e compreensão de textos argumentativos (anúncio publicitário, carta do leitor,

artigos de opinião, carta de reclamação, editorial, crônica jornalística etc.),

reconhecendo a defesa dos pontos de vista do autor e os argumentos utilizados para

sustentar a tese;

·
Leitura e compreensão de textos narrativos (contos, crônicas literárias, novela,

romance, peça de teatro, roteiro de filme etc.), reconhecendo os elementos da narrativa

(enredo, personagens, tempo, espaço, narrador) e seu papel na construção de sentido

para o texto;

·
Reconhecimento de elementos pragmáticos (papéis sociais e comunicativos dos

interlocutores, relações entre esses, propósito discursivo, função sociocomunicativa do

gênero, aspectos da dimensão espaço-cultural em que é produzido);

·
Distinção entre narrador oniciente e narrador observador, como também os tipos de

personagens (principal, secundária, protagonista, antagonista, herói) envolvidos na

trama;

·
Distinção das formas de organização do discurso do texto narrativo (discurso direto,

indireto, indireto livre) e sua contribuição para a organização da narrativa;

·
Identificação da predominância desses tipos de discurso de acordo com o gênero

textual e com a intencionalidade discursiva;

·
Identificação de contra-argumentos de uma tese;

·
Distinção entre fato e opinião relativa a esse fato;

·
Reconhecimento das diferentes estratégias argumentativas utilizados nos textos

(testemunho, discurso de autoridade, exemplificação, dados estatísticos etc.),

compreendendo o papel desses recursos na defesa do ponto de vista;

·
Reconhecimento da organização da macroestrutura semântica (dimensão conceitual),

articulação entre as ideias/proposições (relações lógico-semânticas);

·
Reconhecimento da organização e progressão temática;

·
Identificação de mecanismos enunciativos (formas de agenciamento de diferentes

pontos de vista na textualização, uso dos elementos de modalização);

·
Estudo e construção de relações intertextuais: referência e paráfrase.

3. Eixo Estruturante: Produção de Textos Escritos


·
Produção de textos argumentativos: anúncio publicitário, resenhas, artigo de opinião e

carta do leitor, considerando os interlocutores, o suporte, as características do texto, as

finalidades comunicativas e utilizando-se de estratégias de convencimento do leitor;

·
Produção de texto informativo: carta pessoal, carta comercial e e-mail, considerando

os interlocutores, o suporte, as características do texto, as finalidades comunicativas e

as estratégias necessárias para o convencimento do leitor;

·
Utilização de diferentes estratégias argumentativas: citação, epígrafe, exemplificação,

dados estatísticos, relatos, entre outros;

·
Utilização de diferentes marcadores argumentativos e vocabulário adequado, a fim de

garantir a explicitude argumentativa e a organização tópica entre os parágrafos;

·
Preenchimento de requerimentos e formulários, respeitando os espaços, as orientações

do documento, as normas e características do gênero etc.;

·
Retextualização: produção escrita de textos a partir de outros textos tomados como

base ou fonte: produção de resumos, resenhas, entrevista, notas explicativas;

·
Reflexão sobre os textos produzidos: reelaboração (revisão/reescrita) do texto,

considerando critérios de textualidade e normatividade adequados à situação de

interação;

·
Elaboração de processos de sequenciação (recorrência, repetição, paralelismo,

parafraseamento, progressão tema-rema etc.), visando à construção de sentido e a

progressão textual.

4. Eixo Estruturante: Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Relações entre linguagem verbal e não verbal;

·
Compreensão das normas ortográficas e de acentuação gráfica oficiais;

·
Identificação das sequências linguísticas específicas presentes na construção do gênero

textual;

·
O texto como elemento da atividade discursiva:

a. identificação da ordem das palavras na frase e os efeitos decorrentes da

alteração dessa ordem;

b. reconhecimento das formas de representação lexical do sujeito da

oração (expresso ou elíptico, determinado ou indeterminado, ativo ou

passivo) e sua relação com as intenções pretendidas para o discurso;

c. reconhecimento sobre os esquemas predicativos dos verbos:

argumentos exigidos e argumentos opcionais;

d. identificação dos procedimentos de concordância entre o verbo e a

expressão sujeito da frase; entre o substantivo e seus termos adjuntos;

e. reconhecimento de especificidades quanto à regência dos verbos e dos

nomes, bem como as mudanças de significado advindas das alterações

ocorridas;

f. identificação dos recursos linguísticos em relação ao contexto em que o

texto é construído (elementos de referência pessoal, temporal, espacial,

registro linguístico, grau de formalidade, seleção lexical, tempos e

modos verbais);

g. identificação de recursos linguísticos em processos de coesão textual

(elementos de articulação entre segmentos do texto, referentes à

organização - temporal e/ou espacial das sequências do texto ou à

construção da argumentação);

h. Reconhecimento da função dos recursos de modalização no texto (uso

do futuro do pretérito, presente do subjuntivo, expressões adverbiais,

voz passiva etc.).

5. Eixo Estruturante: Literatura


·
Romance: características específicas do gênero, variações, temas, autores e estilos,

linguagem;

·
Conto: características específicas do gênero, variações, temas, autores e estilos,

linguagem;

·
Romantismo prosa e poesia: contexto de produção, contexto literário, autores e estilos,

relação com outras linguagens;

·
Realismo: contexto de produção, contexto literário, autores e estilos, relação com

outras linguagens;

·
Naturalismo: contexto de produção, contexto literário, autores e estilos, relação com

outras linguagens.

MÓDULO III

OBJETIVO


Compreender a linguagem técnico-científica, bem como as suas funções, natureza e

organização e aplicar os recursos expressivos dessa linguagem para adequar o uso da língua

ao domínio do trabalho e dos concursos.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES


·
Aplicar as tecnologias da comunicação e da informação na escola, no trabalho e em

outros contextos relevantes para sua vida.

o
Entender a natureza e o impacto das tecnologias da comunicação e da

informação nos processos de produção, no desenvolvimento do conhecimento

e na vida social.

·
Adequar-se às condições de produção e de recepção dos diferentes gêneros textuais orais.

·
Analisar criticamente os diferentes discursos, inclusive o próprio, desenvolvendo a

capacidade de avaliação de textos.

o
Revisar os próprios textos e reescrevê-los numa ação epilinguística.

·
Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes linguagens e suas manifestações

específicas.

o
Inferir em um texto quais são os objetivos de seu produtor e quem é seu

público alvo, pela análise dos procedimentos argumentativos utilizados;

o
Analisar, em gêneros variados, os mecanismos linguísticos utilizados na

construção da argumentação;

·
Usar os conhecimentos adquiridos por meio da análise linguística para expandir sua

capacidade de uso da linguagem, ampliando a capacidade de análise crítica.

o
Analisar texto e compreender a importância da coerência como elemento da

textualidade.

o
Identificar e compreender os elementos coesivos como elemento que contribui

para a textualidade.

o
Identificar o caráter polissêmico do léxico, compreendê-lo e utilizá-lo nas

retomadas coesivas.

o
Identificar os elementos organizacionais e estruturais de textos de diferentes

gêneros.

·
Compreender e interpretar textos históricos e literários.

o
Distinguir as marcas próprias do texto literário e estabelecer relações entre o

texto literário e o momento de sua produção, situando aspectos do contexto

histórico, social e político;

o
Recuperar, pelo estudo do texto literário, as formas instituídas de construção

do imaginário coletivo, o patrimônio representativo da cultura e as

classificações preservadas e divulgadas, no eixo temporal e espacial.

1. Eixo Estruturante: Produção e Compreensão de Textos Orais


·
Identificação de marcas da oralidade (referências, repetições, organizadores textuais,

justaposição de enunciados) em textos escritos;

·
Reconhecimento dos efeitos de sentido decorrentes do uso de diferentes recursos

coesivos;

·
Produção de relatos orais (relatos de experiências, viagens, depoimentos, notícias etc.),

considerando os elementos da situação discursiva (interlocutores, objetivos,

características do gênero textual, modos de veiculação etc.);

·
Discussão de pontos de vista e das estratégias persuasivas utilizadas em textos orais

dos domínios discursivos literário e humorístico (paródia, piada);

·
Orientação a partir de comandos e instruções orais em geral;

·
Registro de informações (tomar nota) a partir da escuta de textos orais;

·
Articulação das diferenças e semelhanças entre a língua oral e escrita e seus aspectos

sociais, contextuais e linguísticos;

·
Identificação de estruturas, intencionalidade e funções de gêneros orais (lendas,

avisos, mesas-redondas, piadas, cordel, crítica, entre outros);

·
Identificação da estrutura e funções da entrevista de emprego, consulta médica,

pesquisa de opinião, pesquisas censitárias.

2. Eixo Estruturante: Leitura e Compreensão de Textos


·
Leitura e compreensão de textos argumentativos (carta argumentativa, crítica e

dissertação escolar), reconhecendo a tese, a hipótese, os argumentos e a conclusão

presentes;

·
Leitura e compreensão de textos instrucionais/prescritivos (manual de concurso, regras

de jogo, manual de instrução, bula de remédio, Estatuto da Criança e do Adolescente,

Estatuto do Idoso, Contrato de Trabalho/Serviço), identificando os elementos que os

constituem, tais como: comandos, regras, conselhos, prescrições, enumerações,

justificativas, explicações etc.;

·
Reconhecimento dos recursos de estruturação de enunciados, tais como sinais de

pontuação, marcadores, gráficos, imagens, paralelismo sintático, entre outros;

·
Reconhecimento de posições distintas entre duas ou mais teses relativas ao mesmo

fato ou ao mesmo tema, de autores diferentes e/ou em gêneros distintos.

3. Eixo Estruturante: Produção de Textos Escritos


·
Produção de texto argumentativo: carta argumentativa, dissertação escolar, crítica,

considerando os interlocutores, o suporte, as características do texto, as finalidades

comunicativas e utilizando-se de argumentos e justificativas adequados à tese ou

posicionamento;

·
Produção de texto informativo: entrevista de emprego, curriculum vitae;

·
Produção de sequências prescritivas de comportamentos ou ações na produção de

textos instrucionais (receitas em geral, manuais de instrução, regulamentos, regra de

jogo etc.);

·
Elaboração de títulos adequados às especificidades do gênero e à temática do texto;

·
Produção de efeitos de sentido desejados a partir da pontuação e da escolha lexical;

·
Elaboração de textos, considerando os critérios de coerência, tais como: unidade

temática, relevância informativa, focalização e seleção lexical, relação entre explícito

e implícito etc.

4. Eixo Estruturante: Análise Linguística e Reflexão sobre a Língua


·
Adequação linguística e ambiente de trabalho;

·
A linguagem e o desenvolvimento do senso crítico;

·
Distinção dos tipos de pronome, considerando sua relação com seus antecedentes e

consequentes referenciais;

·
Adequação do uso dos pronomes (pessoais, demonstrativo, relativo) de acordo com a

norma padrão;

·
Análise e distinção dos efeitos de sentido provocados pela linguagem figurada;

·
Utilização de recursos linguísticos de impessoalização (voz passiva, verbo na 1ª

pessoa do plural, indeterminação do sujeito, pronomes em 3ª pessoa);

·
Seleção de sinais de pontuação e conectores para estabelecer a coesão textual;

·
Reconhecimento da construção linguística da superfície textual: uso de paralelismos,

coordenação e subordinação, paráfrase e reformulação;

·
utilização, de acordo com a norma culta, das relações de concordância verbal e

nominal em diferentes situações de interação;

·
Utilização, de acordo com a norma culta e com as relações de subordinação, de

regência verbal e nominal, atentando para as diferentes produções de sentido;

·
Análise estilística: orações coordenadas e subordinadas.

5. Eixo Estruturante: Literatura


·
Análise crítica de textos literários;

·
A literatura pré-modernista: contexto de produção, contexto literário, autores e

estilos, relação com outras linguagens;

·
A literatura modernista de 22 e a Semana de Arte Moderna;

·
A literatura modernista de 30: poesia;

·
O regionalismo nordestino: contexto de produção, contexto literário, autores e

estilos, relação com outras linguagens;

·
A Geração de 45;

·
A literatura brasileira contemporânea.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ANTUNES, Irandé.
Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Os
gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo:

Martins Fontes, 2003.

BAZERMAN, Charles.
Gêneros Textuais, Tipificação e Interação. 2. ed. São Paulo: Cortez,

2006a.

____________.
Gênero, Agência e Escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BRASIL.
Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

_______.
PCN Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros

Curriculares Nacionais.

Vol. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília:

MEC/Semtec, 2002.

_______.
Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Vol. Linguagens, Códigos e suas

Tecnologias. Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

CANDIDO, Antonio.
Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São

Paulo: Ed. Nacional, 1980.

COSSON, Rildo.
Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.

______________
Na sala de aula: Caderno de análise literária. São Paulo: Ática (série

Fundamentos), 1998.

DOLZ et al. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento.

In: SCHNEWLY, B.; DOLZ J.
Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado

de Letras, 2004.

EAGLETON, Terry.
Teoria de Literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

GERALDI, João Wanderley.
Linguagem e ensino: exercício de militância e divulgação,

Campinas – SP: Mercados das Letras, 1996.

_______________
Portos de passagem. São Paulo: Martins fontes, 1991.

GNERRE, Maurizzio.
Linguagem, escrita e poder. 3ª ed. Martins Fontes: São Paulo, 1991.

LAJOLO, Marisa.
Do mundo da leitura para a leitura do mundo. SP: Ática, 2001.

LIMA, Luiz Costa.
Teoria da Literatura em suas fontes. 2. Ed. Rio de Janeiro: Francisco

Alves, 1983.

BRASIL. PCN+: Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

PERNAMBUCO.
Base Curricular Comum para as Redes Públicas de Ensino de Pernambuco


BCC, Língua Portuguesa. Recife: SEE, 2008.

______.
Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio – Língua Portuguesa.

Recife: SEE, 2008.

POSSENTI, Sírio.
Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: SP: 1996.

ZILBERMAN, Regina & Silva, Ezequiel Theodoro da. (org)
Leitura – perspectivas

interdisciplinares.

5ª ed. SP: Ática, 2000.

SITES

www.ufpe.br/ceel


www.revistanovaescola.com.br

www.cidadaodofuturo.org.br

www.superinteressante.com.br


LIVROS


ALVES, Rubens.
Estórias de quem gosta de ensinar. 8 ed. Campinas, SP: Papirus, 2001.

AMORIM, Vanessa e MAGALHÃES, Vivian.
Cem aulas sem tédio – Língua Portuguesa. 2

ed. Porto Alegre: Editora Equilíbrio, 2008.

ANTUNES, I.
Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho.

São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BAGNO, Marcos et al.
Língua materna: letramento, variação e ensino. São Paulo: Parábola

Editorial, 2002.

______.
A língua de Eulalia. 16ed. São Paulo: Contexto, 2008.

______.
Pesquisa na Escola. São Paulo: Loyola, 1998.

______.
Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.

______.
Nada na língua é por acaso. São Paulo: Parábola, 2007.

BRANDÃO, Ana Carolina e LEAL, Telma Ferraz (org).
Produção de textos na escola:

reflexões e práticas no ensino fundamental

. Belo Horizonte: Autentica, 2006, p. 45-64.

BRANDÃO, Helena e MICHELETTI, Guaraciaba. A
prender e ensinar com textos didáticos e

paradidáticos

. São Paulo: Cortez, 2002, p.17-30.

BRITO, Karim, GAYDEZKA, Beatriz e KARWOSKI, Acir Mario. Gêneros Textuais:

reflexões e Ensino. São Paulo: Parábola, 2011.

BUZEN, Clécio & MENDONÇA, Márcia (org.
). Português no ensino médio e formação do

professor

. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

COSCARELLI, Carla Viana.
Livro de receitas do professor de português. Belo Horizonte:

Autêntica, 2003.

FRANCHI, Carlos. O que é gramática? São Paulo: Parábola.

GERALDI, João Wanderley.
Portos de Passagem.São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KLEIMAN, Angela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes, 1997.

_______. e MORAES, Silvia E. leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da

escola. Campinas: Mercado de Letras, 1999.

KOCH, Ingedore e ELIAS, Vanda Maria. Ler e Escrever: estratégias de produção textual. São

Paulo: Contexto, 2009.

_______. Ler e Compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2009.

LAJOLO, Marisa. O texto não é pretexto. In: ZILBERMAN, Regina (org).
Leitura em crise

na escola: alternativas do professor

. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982, p. 51-62.

______________. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 2004.

LEAHY-DIOS, Cyana.
Língua e literatura: uma questão de educação? Campinas: Papirus,

2001.

MARCHUSCHI, Luiz Antônio e DIONISIO, Ângela Paiva (ORG).
Fala e escrita. Belo

Horizonte: Autentica 2007.

MARCUSCHI, Luiz Antônio.
Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São

Paulo: Parábola editorial, 2008.

NEVES, M .H. M. Gramática na escola. 2 ed., São Paulo: Contexto, 1991.

________. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na língua portuguesa. São Paulo:

Contexto, 2003.

PERINI, M. 1995. Sofrendo a gramática. São Paulo: Ática, 1995.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: ALB/Mercado de

Letras, 1996.

SANTOS, Carmi, MENDONÇA, Márcia, CAVALCANTE, Marianne (org). Diversidade

Textual: os gêneros na sala de Aula. Belo Horizonte: Autentica.

SOLE, Isabel. Estratégias de Leituras. 6. ed., Rio Grande do Sul: Artmed, 1998.

SOUZA, Ivane e BARBOSA, Maria Lucia (org.).
Práticas de leitura no ensino fundamental.

Belo Horizonte: Autentica 2006.

SUASSUNA, L. Ensaios de Pedagogia da Língua Portuguesa. Recife, Editora Universitária

da UFPE, 2006.

___________. Ensino de língua portuguesa: uma abordagem pragmática. Campinas: Papirus,

1995.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e

2º graus. São Paulo: Cortez, 1995.

___________. Gramática: ensino plural. São Paulo: Cortez, 2003.

FILMES: DOCUMENTÁRIOS E FICÇÃO


Coach Carter – Treino para vida. Thomas Carter. Paramount Pictures, Drama.

Diários de Motocicleta. Walter Salles. Buena Vista, 2004.

Entre os muros da escola. Laurent Cantet. Cinema Europeu, 2008.

Escritores da Liberdade. Richard Lagravense. Paramount Pictures, Drama, 2007.

Guerra de Canudos. José de Abreu. Sony Pictures, Drama, 1997.

Memórias Póstumas. André Klotzel. Europa Filmes, 2000.

O Nome da Rosa. Jean-Jacques Annaund. Warn Home Videolar, Drama, 1986.

O Sorriso de Monalisa. Mike Newell. Sony Pictures, Drama, 2003.

Pro Dia Nascer Feliz. João Jardim. Copacabana Filmes, Documentário, 2007.

Prova de Fogo. Videofilmes, Drama, 2006.

Uma Mente Brilhante. Ron Howard. Paramount Pictures, Drama, 2001.

PERIÓDICOS, OUTROS.


Revista Língua Portuguesa. Editora Segmento.

Revista Educação. Editora Segmento.

Revista Escola Pública. Editora Segmento.

Revista Nova Escola. Editora Abril.

Revista Literatura. Editora Escala.

Revista Brava. Editora Abril.

Revista Superinteressante. Editora Abril.

Revista Continente.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E

IDOSOS(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

BIOLOGIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – ENSINO MÉDIO


RECIFE – 2012

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E

IDOSOS(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado


Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação


Ana Coelho Vieira Selva

Secretária Executiva de Desenvolvimento de Rede


Margareth Costa Zaponi

Secretário Executiva de Educação Profissional


Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos


Claudia Mendes de Abreu

Chefe de Unidade da Gerência da Educação de Jovens e Adultos


Maria Cândida Sérgio

Equipe Técnica/Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos -

UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

– GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Coordenação:


Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e

Idosos - UEJAI

Equipe de elaboração:


Maria de Fátima de Andrade – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas

Educacionais do Ensino Médio (GPEM).

Rita Patrícia Almeida de Oliveira - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas

Educacionais do Ensino Médio (GPEM).

Roberto de Carvalho Ventura – Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas de Jovens

Adultos e Idosos (GEJA).

Sueli Tavares de Souza Silva – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas

Educacionais do Ensino Médio (GPEM).

Valderês da Conceição do Monte – Técnica Pedagógica da Unidade de Ensino da

Metropolitana Sul (GRE – METROPOLITANA SUL).

Verônica Luzia Gomes de Sousa – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de Jovens, Adultos e Idosos (GEJA).

Revisão:


Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de

Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Rosa Maria de Souza Leal Santos – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Diego Bruno Barbosa Felix - Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

APRESENTAÇÃO


A Secretaria de Educação de Pernambuco – Gerência da Educação de Jovens e

Adultos (GEJA) – voltada para a garantia de uma Educação na perspectiva da formação

ao longo da vida para aqueles(as) que não tiveram oportunidade em idade própria, em

situação de privação de liberdade e pela inclusão sociocultural, apresenta as Orientações

Teórico-metodológicas (OTM) com a finalidade de subsidiar o processo de

reorganização curricular das escolas que atendem os estudantes da EJA.

Este documento na sua organização metodológica seleciona algumas

orientações metodológicas e conteúdos como sugestões para o trabalho do(a)

professor(a) em sala de aula, contribuindo para a prática pedagógica no Ensino

Fundamental e Ensino Médio da EJA.

Assim, as metodologias apontadas, buscam atender as necessidades e as

especificidades desses estudantes, bem como as condições de trabalho dos(as)

professores(as).

Neste cenário, as instituições oferecerem um ensino de qualidade aos jovens,

adultos e idosos é uma necessidade urgente para contribuir com a elevação da

escolaridade para que esses estudantes possam ter melhores chances de inserção no

mundo do trabalho e no seu contexto sociocultural.

Para tanto, a construção das Orientações Teórico-Metodológicas tomou como

referência os documentos oficiais que norteiam os princípios da modalidade Lei de

Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, Nº 9.394/96, Diretrizes Curriculares

Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos: Parecer Nº 11/2000 CNE 1/2000,

Resolução CNE – CEB 1/2000, Base Curricular Comum do Estado de Pernambuco –

BCC, Parâmetros Curriculares para a EJA e as Orientações Curriculares para o Ensino

Médio.

Nesse processo é importante salientar a participação dos(as) técnicos(as) de

ensino das dezessete Gerências Regionais de Educação, da Gerência de Políticas da

Educação Infantil e Ensino Fundamental, da Gerência de Políticas para o Ensino Médio,

da Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, Coordenadores(as)

da EJA das dezessete Gerências Regionais de Educação e Educadores de Apoio que

atuam na EJA.

Foram contribuições qualitativas e quantitativas ao longo desse processo que

resultaram neste documento – versão preliminar, mas que já apresenta a identidade da

referida modalidade de ensino, elemento peculiar para o currículo e para a prática

pedagógica.

Entendendo-se a relevância deste trabalho coletivo, as OTM representam um

avanço para o nosso Estado, possibilitando aos professores(as) mais um instrumento de

apoio e possibilidades na reorganização curricular para a EJA. Assim, esperamos

contribuir para reflexões e discussões no interior da escola a serem realizadas pelos

sujeitos educativos, no intuito de que a prática pedagógica seja de fato uma ação voltada

para o exercício da cidadania dos estudantes da Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Gerência da Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Claudia Mendes de Abreu

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E

IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÃO TEÓRICO - METODOLÓGICA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E IDOSOS– ENSINO MÉDIO

COMPONENTE CURRICULAR: BIOLOGIA

MÓDULO 1

OBJETIVO:


Desenvolver a compreensão da formação dos seres vivos na perspectiva da evolução

desde os coacervados e a célula, até os seres vivos mais complexos do meio ambiente,

considerando-se as leis genéticas e o equilíbrio ecológico e sua influência no bem estar

social e na saúde humana.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:


·
Conhecer os níveis de organização estruturais estudados em Ecologia,

diferenciando cadeias e teias alimentares reconhecendo o fluxo energético entre

as relações alimentares.

·
Construir a noção de saúde levando em conta as condições biológicas, tais como

sexo, idade, fatores genéticos e os condicionantes sociais, econômicos,

ambientais e culturais como nível de renda, escolaridade, estilos de vida, estado

nutricional, possibilidades de lazer, qualidade de transporte, condições de

saneamento.

·
Reconhecer mecanismos de transmissão da vida, prevendo ou explicando a

manifestação de características dos seres vivos.

·
Compreender o papel da evolução na produção de padrões, processos biológicos

ou na organização taxonômica dos seres vivos.

·
Analisar os reinos monera, protista, fungi, plantae e animália na perspectiva das

suas contribuições para a saúde.

·
Compreender os mecanismos básicos da hereditariedade, de expressão e

transmissão dos caracteres hereditários, a partir das leis mendelianas.

·
Reconhecer a importância dos trabalhos de Lamarck e Darwin na contribuição

para a compreensão da evolução.

1. Eixo Estruturante: INTERAÇÃO ENTRE OS SERES VIVOS


·
Conhecimento dos conceitos estruturantes da Ecologia e a importância desse

conhecimento na preservação do meio ambiente.

·
Identificação das relações alimentares entre os seres vivos através do estudo das

cadeias e teias em um ecossistema.

2. Eixo Estruturante: QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS


·
Construção do conhecimento científico sobre saúde, levando em consideração as

condições biológicas, sociais, ambientais e culturais dos jovens, Adultos e

Idosos.

3. Eixo Estruturante: IDENTIDADE DOS SERES VIVOS


·
Compreensão da importância do estudo da vida a partir das diversas subdivisões

da Biologia e com a utilização de métodos científicos.

·
Reconhecimento das teorias que envolvem a origem da vida (formação dos

primeiros seres vivos) e os processos evolutivos dos coacervados e a primeira

célula).

4. Eixo Estruturante: DIVERSIDADE DA VIDA


·
Compreensão do papel da evolução na produção de padrões, processos biológicos

ou na organização taxonômica dos seres vivos, analisando os reinos monera,

protista, fungi, plantae e animália na perspectiva das suas contribuições para a

saúde, reconhecendo, ainda, o vírus como uma forma particular de vida.

5. Eixo Estruturante: TRANSMISSÃO DA VIDA, ÉTICA E MANIPULAÇÃO

GÊNICA


·
Compreensão dos mecanismos básicos da hereditariedade, de expressão e

transmissão dos caracteres hereditários, a partir das leis mendelianas.

6. Eixo Estruturante: ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA


·
Reconhecimento da importância dos trabalhos de Lamarck e Darwin na

contribuição para a compreensão da evolução.

MÓDULO 2

OBJETIVO:


Conhecer alguns tipos de relações ecológicas, compreendendo os fatores que

regulam as populações e determinam as características de um ecossistema,

bem como o aparecimento de diferentes tipos de doenças levando em

consideração as condições sócioeconômicas e hereditárias, compreendendo a

organização celular, anatômico e fisiológico dos seres vivos e o processo de

adaptação pela ação da seleção natural.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:


·
Compreender os processos ecológicos, a importância para o equilíbrio dos

ecossistemas, reconhecendo as relações entre os seres vivos de uma comunidade

e a ecologia de suas populações.

·
Relacionar as condições socioeconômicas com a qualidade de vida das populações

humanas como fator determinante de diversos tipos de doenças, com ênfase na

criança e no idoso.

·
Compreender a célula como unidade básica dos seres vivos identificando a

variação entre os diferentes tipos de células, suas estruturas e funções, e as

etapas das divisões celulares e sua importância.

·
Compreender os princípios morfológicos e fisiológicos que se aplicam aos seres

vivos, evidenciando a filogenia anatômica e fisiológica dos diferentes reinos.

·
Analisar aspectos genéticos do funcionamento do corpo humano relacionados aos

antígenos e anticorpos como os grupos sanguíneos e suas incompatibilidades,

transplantes e doenças autoimunes, identificando os diferentes tipos de heranças

genéticas de acordo com a localização dos genes nos cromossomos.

·
Elaborar explicações sobre a evolução das espécies, considerando os mecanismos

de mutação, recombinação gênica e seleção natural.

1. Eixo Estruturante: INTERAÇÃO ENTRE OS SERES VIVOS


·
Conhecimento e compreensão dos principais tipos de relações ecológicas

intraespecíficas e interespecíficas entre os seres vivos.

·
Compreensão dos fatores que regulam o tamanho de populações biológicas,

reconhecendo a tendência de crescimento das populações humanas,

compreendendo os riscos da explosão demográfica, discutindo e formando

opinião sobre controle de natalidade, planejamento familiar e sociedade

sustentável.

·
Compreensão do conceito sobre sucessão ecológica e das principais tendências

observadas no decorrer dela, como, aumentos da biomassa, da estabilidade e da

biodiversidade, identificando as características e localização dos principais

ecossistemas brasileiros.

2. Eixo Estruturante: QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS


·
Perceber a relação que existe entre as condições socioeconômicas com a

qualidade de vida das populações humanas, como fator determinante para o

aparecimento de diversos tipos de doenças, enfatizando a criança e o idoso.

3. Eixo Estruturante: IDENTIDADE DOS SERES VIVOS


·
Organização celular como característica fundamental de todas as formas de vida.

Reconhecimento da célula como unidade básica dos seres vivos, identificando a

variação entre os diferentes tipos de células, suas estruturas e funções,

compreendendo a importância e as etapas das divisões celulares (mitose e

meiose) e sua dinâmica no processo de envelhecimento.

4. Eixo Estruturante: DIVERSIDADE DA VIDA


·
Compreensão dos princípios morfológicos e fisiológicos que se aplicam aos seres

vivos, evidenciando a filogenia anatômica e fisiológica dos diferentes reinos.

5. Eixo Estruturante: TRANSMISSÃO DA VIDA, ÉTICA E MANIPULAÇÃO


·
Conhecimento dos aspectos genéticos do funcionamento do corpo humano

relacionados aos antígenos e anticorpos como os grupos sanguíneos e suas

incompatibilidades, transplantes e doenças autoimunes, identificando os

diferentes tipos de heranças.

6. Eixo Estruturante: ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA


·
Elaboração das explicações sobre a evolução das espécies, considerando os

mecanismos de mutação, recombinação gênica e seleção natural.

MÓDULO 3

OBJETIVO:


Reconhecer os ciclos dos elementos químicos na natureza, destacando a

importância do desenvolvimento sustentável, da desnutrição, da mortalidade

infantil e da necessidade dos nutrientes bioquímicos dos seres vivos,

localizando geograficamente os biomas brasileiros, identificando

particularidades genéticas, reconhecendo a importância da ética no uso da

biotecnologia para promover a saúde e a qualidade de vida, observando, ainda

os fatores que condicionam a variabilidade gênica e a teoria moderna da

evolução.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:


·
Perceber que o desenvolvimento sustentável de uma sociedade só será possível

com a redução das desigualdades sociais, com políticas voltadas para a

vulnerabilidade da criança e do idoso, propondo soluções para os problemas

ambientais.

·
Traçar o circuito de determinados elementos químicos como o carbono, oxigênio e

nitrogênio, colocando em evidência o deslocamento desses elementos entre o

mundo inorgânico (solo, água, ar) e o mundo orgânico (tecidos, fluidos,

estruturas animais e vegetais).

·
Correlacionar os dados de saneamento com os da mortalidade infantil e a saúde do

idoso estabelecendo a relação entre a dinâmica dos seres patogênicos com as

condições ambientais e sócio-econômico-culturais, reconhecendo os vetores de

doenças bem como os mecanismos eficazes de seu controle.

·
Compreender a importância das substâncias nutritivas, suas contribuições para o

desenvolvimento dos seres vivos e prevenção de doenças, reconhecendo,

também, a importância das substâncias químicas em reações bioenergéticas e

estruturais no organismo vivo, bem como suas fontes e as consequências no

organismo em decorrência de sua carência e excesso no metabolismo,

principalmente, da criança e do idoso.

·
Reconhecer as principais características da fauna e da flora dos grandes biomas

terrestres, especialmente dos brasileiros.

·
Diferenciar os diversos processos de mutações, ligações gênicas e mapeamento

cromossômico, e suas referidas implicações na determinação dos fenótipos.

·
Compreender que as variações genéticas são influenciadas por diversos fatores e

contribuem para a evolução das espécies.

·
Reconhecer os avanços biotecnológicos, sobretudo os genéticos para o

melhoramento na qualidade de vida e na contribuição do processo de

longevidade do Idoso, levando em consideração os valores bioéticos.

1. Eixo Estruturante: INTERAÇÃO ENTRE OS SERES VIVOS


·
Compreensão da importância do desenvolvimento sustentável em uma sociedade

para que ocorra a redução das desigualdades sociais, propondo soluções para os

problemas ambientais com base nos conhecimentos científicos.

·
Reconhecimento do comportamento cíclico dos elementos químicos que

constituem as substâncias orgânicas, representando através de esquemas, as

etapas fundamentais dos ciclos biogeoquímicos da água, do carbono, do

nitrogênio, do oxigênio e do fósforo.

2. Eixo Estruturante:QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS


·
Entender a importância de uma boa alimentação, habitação, saneamento básico e

tratamento de água para a diminuição da mortalidade da criança e na saúde do

idoso, na prevenção de doenças, reconhecendo seus vetores e os mecanismos

eficazes de seu controle.

3. Eixo Estruturante: IDENTIDADE DOS SERES VIVOS


·
Composição química das células (substâncias inorgânicas e orgânicas).

Compreensão da importância das substâncias nutritivas, suas contribuições para

o desenvolvimento dos seres vivos e prevenção de doenças, reconhecendo,

também, a importância das substâncias químicas em reações bioenergéticas e

estruturais no organismo vivo, bem como suas fontes e as consequências no

organismo em decorrência de sua carência e excesso.

4. Eixo Estruturante: DIVERSIDADE DA VIDA


·
Reconhecimento das principais características da fauna e da flora dos grandes

biomas terrestres, especialmente dos brasileiros.

5. Eixo Estruturante: TRANSMISSÃO DA VIDA, ÉTICA E MANIPULAÇÃO


·
Conhecimento e compreensão dos diversos processos de mutações, ligações

gênicas, herança ligada ao sexo, mapeamento cromossômico, e suas referidas

implicações na determinação dos fenótipos.

·
Reconhecimento da importância dos avanços biotecnológicos como enzimas de

restrição, identificação de pessoas, DNA recombinante, clonagem, células

tronco, projeto genoma, terapia gênica e aconselhamento genético.

6. Eixo Estruturante: ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA


·
Compreender que as variações genéticas são influenciadas por diversos fatores

que contribuem para a evolução das espécies.

SUGESTÕES DE REFERÊNCIAS PARA O PROFESSOR

SITES


·
www.saudegratuita.com.br

·
www.sucen.sp.gov.br

·
www.biomania.com.br

·
www.jornaldomeioambiente.com.br

·
www.nationalgeographic.com

·
www.drauziovarella.com.br

·
www.portalsaofrancisco.com.br

LIVROS


·
AMABIS E MARTHO. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume Único.

São Paulo: Moderna, 1998.

·
BOLSANELLO, Aurélio. Grande Manual de Biologia. São Paulo: Cone, 1996.

·
CARVALHO, Warderley. Biologia em Foco. v.2 e 3. São Paulo: FTD, 2003.

·
CUNHA, Paulo; MONTANARI, Valdir. Evolução do Bicho-Homem. 2. Ed. São

Paulo: Moderna, 1996 (Desafios).

·
DE ROBERTS, E.D.P. Bases de biologia celular e molecular. Rio de Janeiro.

Guanabara Koogan, 1985.

·
FACCHINI, Fiorenzo. (tradução de Rosa Visconti Rono e Sophia Visconti).

Origem e evolução – O homem.

São Paulo: Moderna, 1997.

·
GEWANDSZNAJDER, Fernando; LINHARES, Sérgio. Biologia Hoje. v.2 e 3. 7.

Ed. São Paulo: Ática, 1998.

·
GOWDAK, Demétrio. Biologia. Volume 2 e 3. São Paulo: FTD, 2003.

·
JUNQUEIRA, L. C. U. e CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular. Rio de

Janeiro: Guanabara: Koogan, 1997.

·
LOPES, Sônia. Bio. Volume Único. 2. Ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

·
MOISÉS, Hílvio; SANTOS, Thaís. Biologia. São Paulo: Nova Cultural, 1993.

·
PAULINO, W. Roberto. Biologia. Volume Único. 2. Ed.São Paulo: Ática, 2004.

REVISTAS

Isto é

: São Paulo: Três, publicações semanais, 2003.

Época.

Rio de Janeiro: Globo, publicação semanais, 2003.

Globo Ciências.

Rio de Janeiro: Globo, publicações semanais, 2006.

Galileu.

Rio de Janeiro: Globo, publicações mensais, 2007 – 2009. National

Geographic

– Brasil. São Paulo: Abril, publicações mensais, 2007 – 2009.

FILMES: DOCUMENTÁRIOS E FICÇÃO


LEONARD, A.
A história das coisas. [Filme – vídeo]. Produção de Free Range

Studios, Direção de Annie Leonard. 2006. 1 DVD, 20min.

LUND, K.
Bilú e João. [Filme – vídeo]. Produção de Kátia Lund, Caio Gullane,

Fabiano Gullane, Débora Ivanov, Ricardo Aidar, Direção de Kátia Lund. São Paulo, nas

ruas de São Paulo, 2005. 1 DVD, 15 min.

WALKER, L.; JARDIM, J.; HARLEY, K.
Lixo extraordinário. [Filme – vídeo].

Produção de Angus Aynsley e Hank Levine, Direção de Lucy Walker. Rio de Janeiro,

Jardim Gramacho, 2009. 1 DVD, 99 min

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA


MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO.
Parâmetros Curriculares

Nacionais para o Ensino Médio PCN+ Orientações Educacionais Complementares

aos Parâmetros Curriculares Nacionais - Ciências da Natureza, Matemática e suas

Tecnologias

. Brasília/D.F: MEC – Secretaria de Educação Média e Tecnológica

(SEMTEC), 2002. 144p.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO.
Parâmetros Curriculares

Nacionais para o Ensino Fundamental PCN Orientações Educacionais

Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais.

Brasília: MEC/SEF, 1997.

Disponível em: www.portal.mec.gov.br. Acesso em 06 de fev 2012.

PERNAMBUCO. Secretaria de Educação, Cultura e Esportes. Diretoria de Educação

Escolar.
Subsídios para organização prática pedagógica nas escolas: Ciências e

Biologia/ Secretaria de Educação, Cultura, e Esportes de Pernambuco.

Recife:

SECE, 1992. 1. CURRÍCULO – CIÊNCIAS E BIOLOGIA. 2. Programa 1992. Ciências

e Biologia. 3. Proposta Educacional, 1992.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO - METODOLÓGICAS

FILOSOFIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO MÉDIO


RECIFE – 2012

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado


Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretaria Executiva de Desenvolvimento de Rede


Margareth Costa Zaponi

Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação


Ana Coêlho Vieira Selva

Secretaria Executiva de Educação Profissional


Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos


Claudia Mendes de Abreu

Chefe de Unidade da Gerência da Educação de Jovens e Adultos


Maria Cândida Sérgio

Equipe Técnico-pedagógica da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Souza

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS –

GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Coordenação:

Maria Cândida Sérgio – GEJA – Chefe da Unidade da Educação de Jovens,

Adultos e Idosos – UEJAI

Elaboração

: Adriano Sobral da Silva – GRE do Sertão do Submédio São Francisco/Floresta

Colaboração:

Anttonio Albert – Programa ProJovem Urbano

Revisão

:

Danielle da Mota Bastos – Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos -

GEJA

Diego Bruno Barbosa Felix – Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

- GEJA

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – ENSINO MÉDIO

COMPONENTE CURRICULAR: FILOSOFIA

MÓDULO 1

OBJETIVO


Refletir sobre a importância do estudo da filosofia, sua conceituação, como também sobre as

características da reflexão filosófica e dos tipos de conhecimentos sobre a realidade.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

1) Representação e comunicação:


• ler textos filosóficos de modo significativo;

• ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros;

• elaborar por escrito o que foi apropriado de modo reflexivo;

• debater, tomando uma posição, defendendo-a argumentativamente e mudando

de posição em face de argumentos mais consistentes.

2) Investigação e compreensão:


• articular conhecimentos filosóficos e diferentes conteúdos e modos discursivos nas ciências

naturais e humanas, nas artes e em outras produções culturais.

3) Contextualização sociocultural:


• contextualizar conhecimentos filosóficos, tanto no plano de sua origem específica quanto em

outros planos: o pessoal-biográfico; o entorno sócio-político, histórico e cultural; o horizonte

da sociedade científico-tecnológica.

1. EIXO ESTRUTURANTE: O Problema da Racionalidade (Filosofia, Razão e Ciência)


Conhecimento sobre a importância da Filosofia no mundo atual e sua contribuição para

reaprender a ver o mundo e transformá-lo;

·
Exercitação do processo de constituição das características da reflexão filosófica: radical,

rigorosa e de conjunto, levando em consideração o contexto local e global;

·
Conceituação sobre a Filosofia e o ato do filosofar, enquanto instância de construção do

Ser Reflexivo;

·
Distinção da Filosofia com a Mitologia, Religião e Ciência, como forma específica de

elucidação da realidade.

MÓDULO 2

OBJETIVO


Identificar a origem e os modos do conhecer, os significados da lógica na elaboração de

argumentos e teses, buscando a compreensão da realidade circundante, através do poder das

mídias, da informação e de sua relação com a questão da verdade/validade do conhecimento e

dos valores estéticos da criação e fruição.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

1) Representação e comunicação:


• ler textos filosóficos de modo significativo;

• ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros;

• elaborar por escrito o que foi apropriado de modo reflexivo;

• debater, tomando uma posição, defendendo-a argumentativamente e mudando

de posição em face de argumentos mais consistentes.

2) Investigação e compreensão:


• articular conhecimentos filosóficos e diferentes conteúdos e modos discursivos nas ciências

naturais e humanas, nas artes e em outras produções culturais.

3) Contextualização sociocultural:


• contextualizar conhecimentos filosóficos, tanto no plano de sua origem específica quanto em

outros planos: o pessoal-biográfico; o entorno sócio-político, histórico e cultural; o horizonte

da sociedade científico-tecnológica.

2. EIXO ESTRUTURANTE: Problemas do conhecimento e estéticos


·
Identificação da origem e dos modos do conhecer, reconhecendo as possibilidades do

conhecimento humano e de sua intervenção na realidade;

·
Exercitação sobre a constituição da lógica formal e dialética na organização de argumentos

e teses;

·
Caracterização das interfaces do conhecimento: senso comum, mito, religião, filosofia e

ciência, destacando a importância de cada interface na apreensão, produção e expressão do

conhecimento;

·
Investigação sobre as mídias e o poder do mundo informacional e a questão da

verdade/validade do conhecimento, contribuindo para uma aproximação sucessiva dos

gêneros digitais de busca da informação;

·
Reflexão sobre cultura e arte: cultura de massa; cultura de elite; cibercultura e identidade

planetária, estabelecendo critérios para a criatividade e fruição artística.

MÓDULO 3

OBJETIVO


Refletir sobre as relações de poder nas várias instâncias de atuação humana, identificando os

maiores desafios da democracia hoje, através das especificidades inerentes à questão da ética,

da moral e da religião, considerando a multiculturalidade e a diversidade, no seio dos desafios

da ética pessoal, social e profissional, num mundo em crise de valores, onde se exige o

respeito aos direitos humanos.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES :

1) Representação e comunicação:


• ler textos filosóficos de modo significativo;

• ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros;

• elaborar por escrito o que foi apropriado de modo reflexivo;

• debater, tomando uma posição, defendendo-a argumentativamente e mudando

de posição em face de argumentos mais consistentes.

2) Investigação e compreensão:


• articular conhecimentos filosóficos e diferentes conteúdos e modos discursivos nas ciências

naturais e humanas, nas artes e em outras produções culturais.

3) Contextualização sociocultural:


• contextualizar conhecimentos filosóficos, tanto no plano de sua origem específica quanto em

outros planos: o pessoal-biográfico; o entorno sociopolítico, histórico e cultural; o horizonte

da sociedade científico-tecnológica.

3. EIXO ESTRUTURANTE: Problemas de filosofia prática (política e ética)


·
Identificação das concepções de política em contextos historicamente situados;

·
Investigação sobre as relações de poder e força, levando em consideração as relações

pessoais, sociais e profissionais;

·
Identificação dos desafios da democracia hoje; globalização da economia, da informação e

as novas tecnologias, tendo como relevo uma prática de vida humanizante;

·
Discussão sobre os conceitos de ética, moral e valores, considerando o agir humano que

valida o respeito ao outro e as diferenças no meio da diversidade mundializada;

·
Reflexão sobre a questão da religião, da sexualidade e das raças no seio da diversidade e

multiculturalidade;

·
Identificação da necessidade de ter como referência a ética social e profissional,

possibilitando a construção de um mundo mais humano, mais justo e mais feliz.

SITES


www.filosofia.com.br

portal.filosofia.pro.br

guiadoestudante.abril.com.br

revistadefilosofia.blog.pt

www.geocites.com/philosophia-online

www.filosofia.virtual.cjb.net

www.filoeduc.org/cursos

www.osprimeirospassosdafilosofia.blogspot.com.br

www.filosofante.org

www.filonet.pro.br

www.filosofia.virtual.cjb.net

LIVROS


- As revoluções do poder. Eunice Ostrensky, 2006

- Crônica de uma morte anunciada. Gabriel Gárcia Márquez, 1981.

- Filosofia para não-Filósofos. Por Albert Jacquard, 2004.

- História e liberdade – Da Ação à Reflexão. Hannah Arendt, 2006.

- O mundo de Sofia. Jostein Gardner, 1991.

- Vivendo a Filosofia, Por Gabriel Chalita, 2009.

REVISTAS CIENTÍFICAS


- Filosofia Ciência e Vida

- Revista de Filosofia. ISSN:1984-4255

- Mente, Cérebro e Filosofia

- Discutindo filosofia

FILMES: DOCUMENTÁRIOS E FICÇÃO


- Matrix, EUA, 1999.

- Troia, EUA, 2004.

- Tarzan, EUA, 1999.

- O mundo de Sofia, Norueguês, 2000.

- O pequeno príncipe, EUA, 1974.

- Ética, TV Escola - MEC – DVD Escola, vol. 06.

- Filosofia, Ensino Médio, Novo Telecurso, Fundação Roberto Marinho, DVD 1.

- Filosofia no Ensino Medio, Paulus, DVD 1, 2 e 3, ATTA.

- Filosofia hoje – o Bicho Homem – O corpo, Tríada.

- Morte e Vida Severina – um desenho animado, TV Escola/Fundação Joaquim Nabuco.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (BÁSICAS)


ARANHA, Maria Lúcia Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires.
Temas de Filosofia. 3 ed.

São Paulo: Moderna, 2005.

________.
Filosofando: introdução à filosofia. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2002.

CHAUI, Marilena.
Convite à filosofia. 13 ed. São Paulo: Ática, 2005.

________. Iniciação à Filosofia: volume único, volume único. São Paulo àtica, 2010.

FEITOSA, Charles.
Explicando a Filosofia com Arte; Rio de Janeiro: Ediouro, 2004

SEVERINO, Antônio Joaquim.
Filosofia: guia do professor. São Paulo: Cortez, 2009.

________.
Filosofia. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS COMPLEMENTARES


BRASIL.
PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros

Curriculares Nacionais. Ciências Humanas e suas tecnologias. Secretaria de Educação Média

e Tecnológica – Brasília: MEC; SEMTEC, 2002.

CORDI, Cassiano.
Para filosofar. 4. ed. São Paulo: Scipione, 2000

COSTA, Henrique Vieira da Costa (Org.).
Manual de iniciação à filosofia. Petrópolis:

Vozes, 2007.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (orgs.).
Ensino médio: ciência, cultura e

trabalho. Brasília: MEC/SEMTEC, 2004

GALLO
, Sílvio; CORNELLI, Gabriele; DANELON, Márcio (Orgs.). Filosofia do Ensino de

Filosofia.

Petrópolis: Vozes, 2003.

GALLO, Sílvio; KOHAN, Walter.
Filosofia no Ensino Médio. 1º Ed. Petrópolis: Vozes,

2000.

GHEDIN, Evandro.
Ensino de Filosofia no Ensino Médio. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

KOHAN, Walter (org).
Políticas do Ensino de Filosofia. 1º Ed. Rio de Janeiro: DP&A

Editora, 2004.

KUENZER, Acacia.
Ensino Médio: construindo uma proposta para os que vivem do

trabalho.

2º Ed. São Paulo: Cortez, 2001

LORIERI, Marcos Antônio.
Filosofia no ensino fundamental. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCKESI, Cipriano Carlos; PASSOS, Elizete Silva.
Introdução à filosofia: aprendendo a

pensar. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

PERNAMBUCO.
Orientações teórico-metodológicas do Ensino Médio – Filosofia. SE/PE

RAMOS, Odaléa Cleide A. (Coord.).
Iniciação à Filosofia. São Paulo: Globo, 2005.

SÁTIRO, Angélica; WUENSCH, Ana Miriam.
Pensando melhor: iniciação ao filosofar. 1

ed. São Paulo: Saraiva, 1997.

SOUZA, Sonia Maria Ribeiro.
Um outro olhar: filosofia. 1º ED. São Paulo: FTD, 1995.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO - METODOLÓGICAS

FILOSOFIA

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

ENSINO MÉDIO


RECIFE – 2012

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

(GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

Secretário de Educação do Estado


Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretaria Executiva de Desenvolvimento de Rede


Margareth Costa Zaponi

Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação


Ana Coêlho Vieira Selva

Secretaria Executiva de Educação Profissional


Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos


Claudia Mendes de Abreu

Chefe de Unidade da Gerência da Educação de Jovens e Adultos


Maria Cândida Sérgio

Equipe Técnico-pedagógica da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Souza

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS –

GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Coordenação:

Maria Cândida Sérgio – GEJA – Chefe da Unidade da Educação de Jovens,

Adultos e Idosos – UEJAI

Elaboração

: Adriano Sobral da Silva – GRE do Sertão do Submédio São Francisco/Floresta

Colaboração:

Anttonio Albert – Programa ProJovem Urbano

Revisão

:

Danielle da Mota Bastos – Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos -

GEJA

Diego Bruno Barbosa Felix – Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

- GEJA

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - SEDE

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – ENSINO MÉDIO

COMPONENTE CURRICULAR: FILOSOFIA

MÓDULO 1

OBJETIVO


Refletir sobre a importância do estudo da filosofia, sua conceituação, como também sobre as

características da reflexão filosófica e dos tipos de conhecimentos sobre a realidade.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

1) Representação e comunicação:


• ler textos filosóficos de modo significativo;

• ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros;

• elaborar por escrito o que foi apropriado de modo reflexivo;

• debater, tomando uma posição, defendendo-a argumentativamente e mudando

de posição em face de argumentos mais consistentes.

2) Investigação e compreensão:


• articular conhecimentos filosóficos e diferentes conteúdos e modos discursivos nas ciências

naturais e humanas, nas artes e em outras produções culturais.

3) Contextualização sociocultural:


• contextualizar conhecimentos filosóficos, tanto no plano de sua origem específica quanto em

outros planos: o pessoal-biográfico; o entorno sócio-político, histórico e cultural; o horizonte

da sociedade científico-tecnológica.

1. EIXO ESTRUTURANTE: O Problema da Racionalidade (Filosofia, Razão e Ciência)


Conhecimento sobre a importância da Filosofia no mundo atual e sua contribuição para

reaprender a ver o mundo e transformá-lo;

·
Exercitação do processo de constituição das características da reflexão filosófica: radical,

rigorosa e de conjunto, levando em consideração o contexto local e global;

·
Conceituação sobre a Filosofia e o ato do filosofar, enquanto instância de construção do

Ser Reflexivo;

·
Distinção da Filosofia com a Mitologia, Religião e Ciência, como forma específica de

elucidação da realidade.

MÓDULO 2

OBJETIVO


Identificar a origem e os modos do conhecer, os significados da lógica na elaboração de

argumentos e teses, buscando a compreensão da realidade circundante, através do poder das

mídias, da informação e de sua relação com a questão da verdade/validade do conhecimento e

dos valores estéticos da criação e fruição.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

1) Representação e comunicação:


• ler textos filosóficos de modo significativo;

• ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros;

• elaborar por escrito o que foi apropriado de modo reflexivo;

• debater, tomando uma posição, defendendo-a argumentativamente e mudando

de posição em face de argumentos mais consistentes.

2) Investigação e compreensão:


• articular conhecimentos filosóficos e diferentes conteúdos e modos discursivos nas ciências

naturais e humanas, nas artes e em outras produções culturais.

3) Contextualização sociocultural:


• contextualizar conhecimentos filosóficos, tanto no plano de sua origem específica quanto em

outros planos: o pessoal-biográfico; o entorno sócio-político, histórico e cultural; o horizonte

da sociedade científico-tecnológica.

2. EIXO ESTRUTURANTE: Problemas do conhecimento e estéticos


·
Identificação da origem e dos modos do conhecer, reconhecendo as possibilidades do

conhecimento humano e de sua intervenção na realidade;

·
Exercitação sobre a constituição da lógica formal e dialética na organização de argumentos

e teses;

·
Caracterização das interfaces do conhecimento: senso comum, mito, religião, filosofia e

ciência, destacando a importância de cada interface na apreensão, produção e expressão do

conhecimento;

·
Investigação sobre as mídias e o poder do mundo informacional e a questão da

verdade/validade do conhecimento, contribuindo para uma aproximação sucessiva dos

gêneros digitais de busca da informação;

·
Reflexão sobre cultura e arte: cultura de massa; cultura de elite; cibercultura e identidade

planetária, estabelecendo critérios para a criatividade e fruição artística.

MÓDULO 3

OBJETIVO


Refletir sobre as relações de poder nas várias instâncias de atuação humana, identificando os

maiores desafios da democracia hoje, através das especificidades inerentes à questão da ética,

da moral e da religião, considerando a multiculturalidade e a diversidade, no seio dos desafios

da ética pessoal, social e profissional, num mundo em crise de valores, onde se exige o

respeito aos direitos humanos.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES :

1) Representação e comunicação:


• ler textos filosóficos de modo significativo;

• ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros;

• elaborar por escrito o que foi apropriado de modo reflexivo;

• debater, tomando uma posição, defendendo-a argumentativamente e mudando

de posição em face de argumentos mais consistentes.

2) Investigação e compreensão:


• articular conhecimentos filosóficos e diferentes conteúdos e modos discursivos nas ciências

naturais e humanas, nas artes e em outras produções culturais.

3) Contextualização sociocultural:


• contextualizar conhecimentos filosóficos, tanto no plano de sua origem específica quanto em

outros planos: o pessoal-biográfico; o entorno sociopolítico, histórico e cultural; o horizonte

da sociedade científico-tecnológica.

3. EIXO ESTRUTURANTE: Problemas de filosofia prática (política e ética)


·
Identificação das concepções de política em contextos historicamente situados;

·
Investigação sobre as relações de poder e força, levando em consideração as relações

pessoais, sociais e profissionais;

·
Identificação dos desafios da democracia hoje; globalização da economia, da informação e

as novas tecnologias, tendo como relevo uma prática de vida humanizante;

·
Discussão sobre os conceitos de ética, moral e valores, considerando o agir humano que

valida o respeito ao outro e as diferenças no meio da diversidade mundializada;

·
Reflexão sobre a questão da religião, da sexualidade e das raças no seio da diversidade e

multiculturalidade;

·
Identificação da necessidade de ter como referência a ética social e profissional,

possibilitando a construção de um mundo mais humano, mais justo e mais feliz.

SITES


www.filosofia.com.br

portal.filosofia.pro.br

guiadoestudante.abril.com.br

revistadefilosofia.blog.pt

www.geocites.com/philosophia-online

www.filosofia.virtual.cjb.net

www.filoeduc.org/cursos

www.osprimeirospassosdafilosofia.blogspot.com.br

www.filosofante.org

www.filonet.pro.br

www.filosofia.virtual.cjb.net

LIVROS


- As revoluções do poder. Eunice Ostrensky, 2006

- Crônica de uma morte anunciada. Gabriel Gárcia Márquez, 1981.

- Filosofia para não-Filósofos. Por Albert Jacquard, 2004.

- História e liberdade – Da Ação à Reflexão. Hannah Arendt, 2006.

- O mundo de Sofia. Jostein Gardner, 1991.

- Vivendo a Filosofia, Por Gabriel Chalita, 2009.

REVISTAS CIENTÍFICAS


- Filosofia Ciência e Vida

- Revista de Filosofia. ISSN:1984-4255

- Mente, Cérebro e Filosofia

- Discutindo filosofia

FILMES: DOCUMENTÁRIOS E FICÇÃO


- Matrix, EUA, 1999.

- Troia, EUA, 2004.

- Tarzan, EUA, 1999.

- O mundo de Sofia, Norueguês, 2000.

- O pequeno príncipe, EUA, 1974.

- Ética, TV Escola - MEC – DVD Escola, vol. 06.

- Filosofia, Ensino Médio, Novo Telecurso, Fundação Roberto Marinho, DVD 1.

- Filosofia no Ensino Medio, Paulus, DVD 1, 2 e 3, ATTA.

- Filosofia hoje – o Bicho Homem – O corpo, Tríada.

- Morte e Vida Severina – um desenho animado, TV Escola/Fundação Joaquim Nabuco.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (BÁSICAS)


ARANHA, Maria Lúcia Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires.
Temas de Filosofia. 3 ed.

São Paulo: Moderna, 2005.

________.
Filosofando: introdução à filosofia. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2002.

CHAUI, Marilena.
Convite à filosofia. 13 ed. São Paulo: Ática, 2005.

________. Iniciação à Filosofia: volume único, volume único. São Paulo àtica, 2010.

FEITOSA, Charles.
Explicando a Filosofia com Arte; Rio de Janeiro: Ediouro, 2004

SEVERINO, Antônio Joaquim.
Filosofia: guia do professor. São Paulo: Cortez, 2009.

________.
Filosofia. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS COMPLEMENTARES


BRASIL.
PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros

Curriculares Nacionais. Ciências Humanas e suas tecnologias. Secretaria de Educação Média

e Tecnológica – Brasília: MEC; SEMTEC, 2002.

CORDI, Cassiano.
Para filosofar. 4. ed. São Paulo: Scipione, 2000

COSTA, Henrique Vieira da Costa (Org.).
Manual de iniciação à filosofia. Petrópolis:

Vozes, 2007.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (orgs.).
Ensino médio: ciência, cultura e

trabalho. Brasília: MEC/SEMTEC, 2004

GALLO
, Sílvio; CORNELLI, Gabriele; DANELON, Márcio (Orgs.). Filosofia do Ensino de

Filosofia.

Petrópolis: Vozes, 2003.

GALLO, Sílvio; KOHAN, Walter.
Filosofia no Ensino Médio. 1º Ed. Petrópolis: Vozes,

2000.

GHEDIN, Evandro.
Ensino de Filosofia no Ensino Médio. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

KOHAN, Walter (org).
Políticas do Ensino de Filosofia. 1º Ed. Rio de Janeiro: DP&A

Editora, 2004.

KUENZER, Acacia.
Ensino Médio: construindo uma proposta para os que vivem do

trabalho.

2º Ed. São Paulo: Cortez, 2001

LORIERI, Marcos Antônio.
Filosofia no ensino fundamental. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCKESI, Cipriano Carlos; PASSOS, Elizete Silva.
Introdução à filosofia: aprendendo a

pensar. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

PERNAMBUCO.
Orientações teórico-metodológicas do Ensino Médio – Filosofia. SE/PE

RAMOS, Odaléa Cleide A. (Coord.).
Iniciação à Filosofia. São Paulo: Globo, 2005.

SÁTIRO, Angélica; WUENSCH, Ana Miriam.
Pensando melhor: iniciação ao filosofar. 1

ed. São Paulo: Saraiva, 1997.

SOUZA, Sonia Maria Ribeiro.
Um outro olhar: filosofia. 1º ED. São Paulo: FTD, 1995.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

ORIENTAÇÕES TEÓRICO–METODOLÓGICAS

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

II SEGMENTO – III E IV FASES DE ESCOLARIDADE



RECIFE

2012


SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - GEJA

Secretário de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes


Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coêlho Vieira Selva


Secretária Executiva de Gestão de Rede

Margareth Costa Zaponi


Secretário Executivo de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra


Gerente da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Claudia Mendes Abreu


Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio


Equipe Técnica/Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

(GEJA)

UNIDADE DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

(UEJAI)

Coordenação:


Maria Cândida Sérgio – GEJA – Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

- UEJAI

Equipe de elaboração:


Maria Cândida Sérgio - Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos - GEJA

Diego Bruno Barbosa Felix - Gerência de Políticas da Educação de Jovens e Adultos - GEJA

Márcia Telma Silva - Gerência Regional de Educação – Recife Norte

Márcio Tiago dos Anjos - Gerência Regional de Educação – Recife Sul

Maria Ijaci Gomes - Gerência Regional de Educação – Metropolitana Sul

Revisão:


Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de

Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Diego Bruno Barbosa Felix - Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas da

Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

APRESENTAÇÃO


A Secretaria de Educação de Pernambuco – Gerência da Educação de Jovens e

Adultos (GEJA) – voltada para a garantia de uma Educação na perspectiva da formação ao

longo da vida para aqueles(as) que não tiveram oportunidade em idade própria, em situação

de privação de liberdade e pela inclusão sociocultural, apresenta as Orientações Teóricometodológicas

(OTM) com a finalidade de subsidiar o processo de reorganização curricular

das escolas que atendem os estudantes da EJA.

Em sua organização, este documento seleciona algumas orientações metodológicas e

conteúdos como sugestões para o trabalho do(a) professor(a) em sala de aula, contribuindo

para a prática pedagógica no Ensino Fundamental e Ensino Médio da EJA.

Assim, as metodologias apontadas buscam atender as necessidades e as

especificidades desses estudantes, bem como as condições de trabalho dos(as) professores(as).

Neste cenário, as instituições oferecerem um ensino de qualidade aos jovens, adultos

e idosos é uma necessidade urgente para contribuir com a elevação da escolaridade para que

esses estudantes possam ter melhores chances de inserção no mundo do trabalho e no seu

contexto sociocultural.

Para tanto, a construção das Orientações Teórico-Metodológicas tomou como

referência os documentos oficiais que norteiam os princípios da modalidade Lei de Diretrizes

e Bases da Educação Nacional – LDB,
Nº 9.394/96, Diretrizes Curriculares Nacionais para

a Educação de Jovens e Adultos: Parecer Nº 11/2000 CNE 1/2000, Resolução CNE – CEB

1/2000, Base Curricular Comum do Estado de Pernambuco – BCC, Parâmetros Curriculares

para a EJA e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio.

Nesse processo é importante salientar a participação dos(as) técnicos(as) de ensino

das dezessete Gerências Regionais de Educação, da Gerência de Políticas da Educação

Infantil e Ensino Fundamental, da Gerência de Políticas para o Ensino Médio, da Gerência de

Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, Coordenadores(as) da EJA das dezessete

Gerências Regionais de Educação e Educadores de Apoio que atuam na EJA.

Foram contribuições qualitativas e quantitativas ao longo desse processo que

resultaram neste documento – versão preliminar, mas que já apresenta a identidade da referida

modalidade de ensino, elemento peculiar para o currículo e para a prática pedagógica.

Entendendo-se a relevância deste trabalho coletivo, as OTM representam um avanço

para o nosso Estado, possibilitando aos professores(as) mais um instrumento de apoio e

possibilidades na reorganização curricular para a EJA. Assim, esperamos contribuir para

reflexões e discussões no interior da escola a serem realizadas pelos sujeitos educativos, no

intuito de que a prática pedagógica seja de fato uma ação voltada para o exercício da

cidadania dos estudantes da Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Gerência da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Claudia Mendes de Abreu

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS


INTRODUÇÃO


Existe uma íntima relação entre a educação e o contexto social e cultural, logo é

indispensável rever os paradigmas educacionais vigentes, na medida em que estes precisam

estar consoantes com os anseios da sociedade atual. Isto é, um projeto educativo que busque

meios para que o ser humano compreenda a sua sociedade, participe dela conscientemente e

seja capaz de intervir de forma colaborativa e significativamente para as transformações que

se façam necessárias.

Nessa perspectiva, aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e a

aprender a ser são competências requeridas pela Unesco (Organização das Nações Unidas)

para todo e qualquer projeto educativo. Essas competências, cuja conquista ultrapassa a mera

aquisição de informação, abarcam a formação humana e social do indivíduo.

Para atender tais exigências, a Secretaria de Educação de Pernambuco disponibiliza,

na Rede, uma Base Curricular Comum – BCC – com a finalidade de subsidiar a construção do

projeto político pedagógico das escolas públicas e a prática pedagógica dos professores.

Contudo, a fim de complementar a BCC e mediante as solicitações feitas pelos professores da

Rede de se estabelecer um diálogo mais significativo entre a prática pedagógica e os

pressupostos teórico-metodológicos definidos pela BCC, a Gerência de Educação de Jovens,

Adultos e Idosos elabora, em conjunto com os docentes dessa modalidade de ensino, as

Orientações Teórico-metodológicas – OTM do ensino fundamental e médio, para as

diferentes áreas de conhecimento.

As características comuns entre as disciplinas estruturantes da área de Linguagens,

Códigos e suas Tecnologias possibilitam uma coerente articulação didático-pedagógica entre

seus componentes, além de promover procedimentos metodológicos comuns. Neste

documento, os componentes curriculares de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, Arte e

Educação Física serão apresentados juntamente com as competências interdisciplinares

referentes à área, bem como as competências / habilidades disciplinares relativas aos

conteúdos implícitos nos eixos estruturantes.

Vale ressaltar que, no âmbito escolar, essa organização do aprendizado por área pode

também contribuir para uma melhor estruturação do projeto pedagógico da escola. Assim, o

ensino deve ser organizado a partir de temáticas significativas para os estudantes, no sentido

de desenvolver o domínio competente da pluralidade de linguagens.

Tomando como base os pressupostos da linguística aplicada de base interacionista, a

partir de autores como Bakhtin (1992), Geraldi (1997), Marcuschi (2005 e 2008), Schneuwly

e Dolz (2004), entre outros, a linguagem, aqui, é concebida como forma de interação entre

interlocutores que se manifesta em textos e estes se organizam na diversidade de gêneros para

atender a propósitos sociocomunicativos diversos. Linguagem é, portanto, a capacidade

humana de articular significados coletivos e de partilhá-los em diferentes sistemas de

representação, que variam de acordo com a vida em sociedade, permeando o conhecimento, o

pensamento, a comunicação e a ação. Sendo a língua, elemento da linguagem, nas palavras de

Marcuschi (2008, p. 61), “um conjunto de práticas sociais e cognitivas historicamente

situadas, flexíveis, criativas e indeterminadas quanto à informação ou estrutura”.

No mundo contemporâneo, marcado por apelos informativos imediatos, a reflexão

sobre as linguagens e seus sistemas é mais do que uma necessidade: é uma garantia de

participação na vida social.

É por meio da linguagem que os sujeitos agem no mundo social, participam de

interações com o outro e, assim, vão se constituindo na linguagem, para a linguagem e pela

linguagem. Pelo uso da linguagem, o ser humano se torna capaz de conhecer a si mesmo, sua

cultura e o mundo em que vive. Isso significa que os sentidos produzidos se expressam por

meio de palavras, imagens, sons, gestos e movimentos. O trabalho com a linguagem, em sua

acepção mais ampla, portanto, significa uma retomada do sujeito nela constituído. Nessa

perspectiva, a escola deve valorizar, mediante uma abordagem humanística, o mundo interior

social do aprendiz da Educação de Jovens e Adultos.

Por fim, convém ressaltar que cabe aos professores da área possibilitar ao estudante a

compreensão do substrato comum, amplo, que ultrapassa os conteúdos e instrumentos

particulares de cada disciplina e do qual resulte em uma visão abrangente e articulada do

conhecimento, em todos os componentes curriculares (cf. PCNEM, 2002).

Ainda segundo os PCNEM, o caminho a percorrer vai da compreensão e do uso

particular das linguagens empregadas nas práticas de cada disciplina à compreensão e à

análise da faculdade humana de construir e utilizar a linguagem. Por exemplo: entender que a

língua materna fundamenta a identidade cultural não é uma competência desvinculada do

estudo contrastivo entre Língua Portuguesa e Língua Estrangeira.

Do mesmo modo, a compreensão da identidade cultural informada pela língua materna

não se desvincula da compreensão de semelhante identidade resultante e expressa na

linguagem corporal, em disciplinas como Arte e Educação Física.

Finalmente, ressaltamos que este documento não se constitui em “camisa de força”

para os professores e professoras da Educação de Jovens, Adultos e Idosos no que se refere à

área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, mas um referencial que norteará o

planejamento e o ensino de linguagem, em uma perspectiva interdisciplinar e contextualizada,

de forma que o conteúdo de ensino seja um meio para desenvolver habilidades gerais e

específicas da área e de cada componente curricular e não apenas com um valor em si mesmo.

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS -

GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – UEJAI

ORIENTAÇÕES TEÓRICO – METODOLÓGICAS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS – ENISNO FUNDAMENTAL – II

SEGMENTO – III FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA INGLESA

OBJETIVO


Possibilitar aos estudantes a compreensão da pluralidade linguística existente na sua

comunidade (local, regional, nacional, global) e a familiarização com a língua estrangeira em

estudo, estimulando-os a utilizá-la como fonte de acesso a diversos textos orais e escritos, e a

empregá-la para expressar opiniões, valores, sentimentos e informações, compreendendo a

linguagem como prática social.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Reconhecimento de diferentes tipos e gêneros de texto a partir de indicadores da

organização textual e dos recursos linguístico-discursivos empregados;

·
Compreensão e produção de textos orais com marcas entonacionais e pronúncia que

permitam a compreensão do que está sendo dito, por meio da construção de

conhecimento sistêmico no nível fonético-fonológico.

·
Emprego de diferentes estratégias de leitura, buscando a adequação ao contexto e aos

propósitos comunicativos.

·
Produção de textos coesos, coerentes e adequados ao contexto, buscando a atuação

crítica e consciente em práticas sociais mediadas pelo texto.

·
Emprego da análise linguística como recurso que possibilita a reelaboração e a

compreensão de textos orais e escritos.

·
Ativação do conhecimento prévio e elaboração de previsões sobre o texto como

recursos para identificar o significado de palavras desconhecidas.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante – Produção e compreensão de textos orais


·
Emprego dos recursos linguísticos necessários para fazer e responder a saudações,

bem como dar boas-vindas, atendendo a diferentes intenções e situações

comunicativas.

·
Reconhecimento e utilização de expressões de polidez na sala de aula e em outros

contextos, tais como
please, excuse me, sorry, thanks.

·
Elaboração de perguntas na busca por informações pessoais (What is your first name/

middle name

/ last name/ address/ email address/ telephone number/ nationality/

occupation

?) e produção de respostas coerentes e adequadas a essas perguntas.

·
Reconhecimento do vocabulário estudado no bimestre e registro escrito de

informações a partir da escuta de textos orais, expressos pelo professor ou por meio de

recursos de áudio/vídeo.

·
Reconhecimento dos fonemas da língua inglesa, buscando a familiarização com eles,

demonstrando compreensão sobre os diferentes sons, por meio do exame de pares

mínimos e do estudo dos sons de vogais, ditongos e consoantes.

·
Reconhecimento das regularidades do discurso oral característico das intervenções na

sala de aula.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Leitura de textos com informações pessoais em diferentes suportes: ID cards, badges,

forms, résumé

.

·
Leitura de “famous people’s profiles” e de textos do gênero job interview.

·
Compreensão de textos a partir dos elementos verbais e não verbais que os constituem.

·
Identificação de características próprias de diferentes gêneros textuais, entre os quais

perfil, entrevista, bilhete, tendo em vista a compreensão global dos textos, refletindo

sobre as características linguístico-discursivas presentes neles.

·
Inferência do significado de palavras e expressões desconhecidas, com base na

temática do texto, no contexto e nos conhecimentos prévios.

·
Observação e compreensão de aspectos relacionados à produção de textos escritos de

gêneros textuais diferentes (Quem elaborou o texto? Do que ele trata? Quando foi

escrito? Para quem? De que forma? Onde foi publicado? Para quê?).

·
Compreensão das relações entre termos, expressões e ideias que tenham o mesmo

referente, observando o uso e as funções dos pronomes pessoais do caso de sujeito

(
subjective case), entre outros.

3. Eixo Estruturante - Produção de textos escritos


·
Preenchimento de cartões de identificação, crachás, formulários, currículos e registro

escrito de informações pessoais veiculadas oralmente entre os estudantes.

·
Produção de pôsteres e/ou painéis com informações sobre pessoas famosas, estudantes

da turma ou pessoas idosas influentes na comunidade.

·
Emprego de recursos coesivos gramaticais, por meio da utilização adequada de artigos

definidos e de pronomes pessoais do caso reto (
subjective case), para indicar a

articulação entre ideias no texto.

·
Reflexão sobre as características linguístico-discursivas que devem estar presentes nos

textos a serem escritos, buscando a adequação aos propósitos comunicativos.

·
Produção de textos dos gêneros perfil, entrevista, bilhete, entre outros, após a leitura

de outros textos do gênero e a compreensão da organização textual e dos recursos

linguístico-discursivos utilizados no mesmo.

·
Produção (individual ou coletiva) de glossário com termos referentes à temática

abordada no bimestre, contendo figuras, quando pertinentes, e informações como a

classe de palavra a que pertence o vocábulo e exemplo de uso.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Uso dos interrogativos what e who em perguntas orais e escritas e compreensão da

estrutura das sentenças interrogativas.

·
Compreensão das influências exercidas por uma língua no léxico de outra; reflexão

sobre a presença, na língua portuguesa, de palavras como
e-mail, site, self-service, pen

drive

, e diversas outras de origem estrangeira (questão dos empréstimos linguísticos).

·
Compreensão das classes de palavras substantivo, pronome e verbo, e exame das

diferentes funções morfossintáticas exercidas por elas.

·
Emprego adequado, na produção e na compreensão de textos orais e escritos, das

formas do verbo
to be no presente simples.

·
Emprego adequado das preposições of, with, without, dentre outras, no processo de

recepção/produção de textos orais e escritos.

·
Observação e análise dos pronomes pessoais do caso reto (subjective case) em

contextos de uso, promovendo a elaboração de conclusões sobre seu emprego

adequado.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de textos orais


·
Orientação e realização de atividades a partir de comandos e instruções orais emitidos

pelo(a) professor(a), especialmente acerca das tarefas comumente desenvolvidas em

sala de aula, tais como
“Read the text”, “Answer the question”, “Complete the

sentences”

.

·
Identificação de diferentes padrões de entonação – incluindo os que distinguem

afirmações de perguntas, por exemplo – conforme a natureza das intenções do

enunciador.

·
Elaboração de perguntas sobre o local de origem dos interlocutores, associando os

lugares à(s) língua(s) que é (são) falada(s) neles.

·
Elaboração de perguntas sobre datas comemorativas e de aniversário, e elaboração de

respostas adequadas a elas.

·
Reconhecimento de itens lexicais estudados no bimestre e registro escrito de

informações a partir da escuta de textos orais (expressos pelo(a) professor(a) ou por

outros meios).

·
Leitura em voz alta e compreensão de textos orais dos gêneros conversa informal,

entrevista, anúncio, entre outros, observando os padrões de pronúncia da língua

inglesa.

·
Emprego dos recursos linguísticos necessários para perguntar e responder sobre a

localização de pessoas e/ou objetos, atendendo a diferentes intenções e situações

comunicativas.

2. Eixo estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Realização de pesquisa escolar sobre os países em que se fala a língua estrangeira em

estudo, destacando aspectos socioculturais e promovendo reflexão sobre estes.

·
Conhecimento de vocabulário relativo a tradições, festividades e celebrações típicas

dos países em que se fala a língua em estudo, buscando ampliar o vocabulário

(incluindo o léxico referente aos dias da semana e meses do ano) e promovendo a

compreensão acerca de diferentes formas de vida em comunidade.

·
Identificação do tema geral de um texto, por meio da estratégia de skimming, tendo em

vista as intenções comunicativas e observando as características do gênero.

·
Localização de informações específicas no texto, por meio da estratégia de scanning,

buscando adequação aos propósitos da leitura.

·
Inferência do significado de palavras e expressões desconhecidas, com base na

temática do texto, no contexto e nos conhecimentos prévios.

·
Compreensão e articulação das informações expressas em linguagem verbal e nãoverbal

em textos de gêneros diferentes.

·
Compreensão do emprego dos recursos de referência (lexicais e gramaticais) e dos

conectivos para indicar a articulação entre ideias no texto.

3. Eixo Estruturante - Produção de textos escritos


·
Reflexão sobre as condições de produção de textos (quem escreve, sobre o que

escreve; para quem e para quê; de que forma se escreve) e compreensão das diferenças

que marcam o processo de produção de textos de gêneros diversos (como por meio do

contraste entre um convite para festa e uma notícia de jornal, por exemplo).

·
Elaboração de painéis ou cartazes sobre as comunidades em que se fala a língua em

estudo, demonstrando a capacidade de selecionar informações relevantes para a

produção desse material.

·
Expressão, por escrito, de informações acerca da própria cultura e de outras,

evidenciando semelhanças e/ou diferenças entre alguns aspectos apresentados por elas,

promovendo reflexão crítica e questionando os estereótipos existentes.

·
Emprego de recursos de referência lexicais, por meio do uso de sinônimos, e

gramaticais, por meio da utilização adequada de artigos, pronomes e conectivos, para

indicar a articulação entre ideias de um texto.

·
Produção de textos dos gêneros convite, calendário, diário pessoal e/ou de viagem,

cartão postal, entre outros, após a leitura de outros textos do gênero, a compreensão da

organização textual e o exame dos recursos linguístico-discursivos utilizados no

mesmo.

·
Produção (individual ou coletiva) de glossário com termos referentes à temática

abordada no bimestre, contendo figuras, quando pertinentes, exemplo de uso e

informações como a classe de palavra a que pertence o vocábulo.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Investigação sobre o emprego das formas verbais de to be e there to be no presente

simples.

·
Uso dos interrogativos where e when e compreensão da estrutura das sentenças

interrogativas.

·
Emprego adequado das preposições from, to, dentre outras, no processo de

recepção/produção de textos orais e escritos.

·
Investigação de aproximações semânticas entre palavras da língua estrangeira e da

língua materna.

·
Compreensão, em situações de uso, das classes de palavras substantivo, pronome,

verbo e adjetivo e exame das funções morfossintáticas exercidas por elas.

·
Emprego adequado das conjunções and e but dentre outras, no processo de

recepção/produção de textos orais e escritos.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de textos orais


·
Identificação de diferentes padrões de entonação, conforme a natureza das intenções

do enunciador.

·
Escuta de enunciados produzidos por falantes de origens diferentes, chamando a

atenção para o fato de que as línguas variam, conforme as características dos grupos a

que pertence o enunciador, contribuindo para a superação das desigualdades

relacionadas a gênero, orientação sexual, cor de pele, idade, origem, classe social.

·
Reconhecimento do vocabulário estudado no bimestre e registro escrito de

informações a partir da escuta de textos orais, expressos pelo(a) professor(a) ou por

meios de recursos de áudio/vídeo.

·
Reconhecimento das regularidades do discurso oral característico das intervenções na

sala de aula.

·
Produção e compreensão de textos orais opinativos, expressando pontos de vista e

apreciações acerca de diferentes situações, tais como a leitura de um poema ou

imagem.

·
Emprego dos recursos linguísticos necessários para perguntar e responder sobre a

quem pertencem objetos escolares, atendendo a diferentes intenções e situações

comunicativas.

·
Orientação e realização de atividades a partir de comandos, perguntas e instruções

orais emitidos pelo(a) professor(a) na língua estrangeira, especialmente acerca das

tarefas comumente desenvolvidas em sala de aula, tais como “
Listen”, “Do the

exercise

”, “Discuss with a friend/your group”.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Realização de pesquisa escolar sobre a variação linguística, estimulando a reflexão

sobre a existência de variedades de maior e de menor prestígio na sociedade e

buscando a superação do preconceito linguístico.

·
Compreensão das relações entre o gênero textual e os recursos linguísticos verbais e

não-verbais empregados pelo autor.

·
Identificação do tema geral de um texto, por meio da estratégia de skimming, tendo em

vista as intenções comunicativas e observando as características do gênero.

·
Localização de informações específicas no texto, por meio da estratégia de scanning,

buscando adequação aos propósitos da leitura.

·
Inferência do significado de palavras e expressões desconhecidas, com base na

temática do texto, no contexto e nos conhecimentos prévios.

·
Compreensão dos recursos referenciais empregados pelo autor, identificando termos,

expressões e ideias que tenham o mesmo referente.

·
Emprego do dicionário bilíngue, observando sua estrutura e organização, para

consulta na sala de aula e em outros contextos, especialmente em casos de dúvida

quanto à ortografia e ao vocabulário.

3. Eixo Estruturante - Produção de textos escritos


·
Elaboração de quadros comparativos em que se evidenciem diferenças fonéticas,

lexicais e/ou sintáticas presentes em duas ou mais variedades da língua estrangeira em

estudo, ou estabelecendo comparações entre a língua estrangeira e a língua materna.

·
Realização de atividades de retextualização, por meio das quais os estudantes reflitam

sobre a importância da adequação da linguagem ao contexto e aos propósitos

comunicativos.

·
Reflexão sobre as condições de produção de textos (quem escreve, sobre o que

escreve; para quem e para quê; de que forma se escreve) e compreensão das diferenças

que marcam o processo de produção de textos de gêneros diversos (como por meio do

contraste entre um convite para festa e uma notícia de jornal, por exemplo).

·
Produção de textos dos gêneros cartaz, lembrete, lista de compras, instruções de uso,

entre outros, após a leitura de outros textos do gênero, a compreensão da organização

textual e o exame dos recursos linguístico-discursivos utilizados no mesmo.

·
Produção (individual ou coletiva) de glossário com termos referentes à temática

abordada no bimestre, contendo figuras, quando pertinentes, e informações como a

classe de palavra a que pertence o vocábulo e exemplo de uso.

·
Emprego adequado de recursos coesivos gramaticais e lexicais.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Reflexão sobre os conceitos de norma, variação e preconceito linguístico, indicando

que as variações linguísticas marcam as pessoas de modo a posicioná-las no discurso,

o que pode muitas vezes excluí-las de certos bens materiais e culturais.

·
Reconhecimento e emprego de diferentes formas de tratamento (Sir, Madam, Mr.,

Mrs., Miss

etc) e compreensão dos contextos em que elas ocorrem, observando-se os

níveis de formalidade das situações comunicativas, considerando e demonstrando

respeito às marcas das identidades sociais, tais como de idade e gênero, daqueles com

quem se fala.

·
Compreensão do uso do verbo to be na função de auxiliar de tempos verbais, em

especial nas situações de uso do presente
continuous.

·
Compreensão do emprego do verbo to have em situações de uso no presente simples,

observando o significado e a flexão desse verbo.

·
Uso do interrogativo whose em perguntas orais e escritas e compreensão da estrutura

das sentenças interrogativas.

·
Observação e análise do genitive case em contextos de uso, promovendo a elaboração

de conclusões sobre seu emprego adequado e examinando as diferentes funções

exercidas pelo morfema ‘s (contração dos verbos
to be e to have e indicador de posse

no
genitive case).

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de textos orais


·
Orientação e realização de atividades a partir de comandos e instruções orais emitidos

pelo(a) professor(a) na língua estrangeira, especialmente acerca das tarefas

comumente desenvolvidas em sala de aula, tais como “
What is your opinion

about...?

”, “Do you agree or disagree with...?”, “Compare your answers”.

·
Reconhecimento do vocabulário estudado no bimestre e registro escrito de

informações a partir da escuta de textos orais, expressos pelo(a) professor(a) ou por

meio de recursos de áudio/vídeo.

·
Descrição oral de estados emocionais/físicos, tais como sad, happy, angry, hungry,

thirsty,

empregando adequadamente adjetivos em inglês.

·
Inferência do significado de palavras e expressões emitidas oralmente na língua

inglesa pelo(a) professor(a) e registro apropriado das informações.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Elaboração de coletâneas de histórias em quadrinhos, tiras, charges buscando

estabelecer conexões entre as histórias (por exemplo, as que mostram pessoas felizes,

surpresas, irritadas etc).

·
Compreensão dos aspectos envolvidos na produção de textos, tais como gênero a que

pertence, função sócio-comunicativa, finalidade, suporte, autor.

·
Identificação do tema geral de um texto, por meio da estratégia de skimming, tendo em

vista as intenções comunicativas e observando as características do gênero.

·
Localização de informações específicas no texto, por meio da estratégia de scanning,

buscando adequação aos propósitos da leitura.

·
Ordenação dos parágrafos em um texto a partir da observação da progressão temática.

·
Apreciação de textos verbais e não-verbais (sugerem-se os gêneros história em

quadrinhos, letras de música, anúncio publicitário, manchete, provérbio, entre outros),

buscando a ampliação do vocabulário e do repertório de práticas de leitura.

3. Eixo Estruturante - Produção de textos escritos


·
Elaboração de legendas para imagens retiradas de jornais e revistas, empregando

adequadamente os recursos linguísticos e exercitando a capacidade criativa,

promovendo a conscientização sobre fenômenos ecológicos e/ou problemas sociais.

·
Emprego adequado de recursos como aspas, travessão, reticências, letras maiúsculas e

dois pontos, considerando a situação e os propósitos comunicativos.

·
Produção de textos dos gêneros manchete, gráfico, provérbio, aviso, diálogo, após a

leitura de outros textos do gênero, a compreensão da organização textual e o exame

dos recursos linguístico-discursivos utilizados no mesmo.

·
Reflexão sobre as condições de produção de textos (quem escreve, sobre o que

escreve; para quem e para quê; de que forma se escreve) e compreensão das diferenças

que marcam o processo de produção de textos de gêneros diversos (como por meio do

contraste entre um convite para festa e uma notícia de jornal, por exemplo)

·
Produção (individual ou coletiva) de glossário com termos referentes à temática

abordada no bimestre, contendo figuras, quando pertinentes, e informações como a

classe de palavra a que pertence o vocábulo e exemplo de uso.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Compreensão dos padrões gramaticais referentes ao emprego dos adjetivos em inglês

(ausência de flexão de gênero e número, anteposição ao substantivo) e comparação

com os padrões verificados na língua materna.

·
Reflexão sobre normas de ortografia e sobre a pronúncia dos vocábulos na língua

inglesa.

·
Uso do interrogativo why em perguntas orais e escritas, e produção de respostas

coerentes a essas perguntas, empregando a conjunção
because.

·
Compreensão, em situações de uso, das classes de palavras substantivo, verbo,

advérbio, pronome e conjunção, e exame das funções morfossintáticas exercidas por

elas.

·
Emprego adequado em situações de uso das formas do verbo to be no passado

simples.

·
Observação e análise das palavras very, much, many, little, few em contextos de uso,

promovendo a elaboração de conclusões sobre seu emprego adequado.

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - ENSINO FUNDAMENTAL – II

SEGMENTO – IV FASE DE ESCOLARIDADE

COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA INGLESA

OBJETIVO


Possibilitar ao estudantes a compreensão da linguagem como instrumento de ação no mundo

contemporâneo, de modo que possam perceber e compreender os discursos que perpassam a

vida social, inserido-se neles de forma crítica e consciente, aumentando a consciência do

fenômeno linguístico.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS


·
Compreensão do fenômeno da variação linguística, demonstrando a capacidade de

escolher e empregar o registro adequado ao contexto e aos propósitos comunicativos.

·
Emprego de mecanismos de coerência e coesão na produção oral e escrita em língua

inglesa.

·
Compreensão dos recursos expressivos da linguagem verbal, observando a natureza,

função, organização, estrutura, de acordo com as condições de produção e recepção de

textos em língua inglesa.

·
Participação em diferentes situações de comunicação na língua estrangeira,

compreendendo a linguagem como instrumento a serviço da interação e da

participação ativa na vida social.

·
Ativação do conhecimento prévio e elaboração de previsões sobre o texto como

recursos para identificar o significado de palavras desconhecidas.

I BIMESTRE

1. Eixo Estruturante – Produção e compreensão de textos orais


·
Emprego de recursos linguísticos adequados para cumprimentar, fazer e responder a

saudações e despedir-se, atendendo a diferentes intenções e situações comunicativas.

·
Reconhecimento e utilização de expressões que indicam polidez na sala de aula e em

outros contextos, nas funções de pedir desculpa, pedir licença para entrar ou sair,

dentre outras.

·
Orientação a partir de comandos orais emitidos pelo(a) professor(a), tais como

instruções para organizar-se em duplas ou grupos para a realização de atividades,

levantar a mão e repetir a fala do professor, entre outras.

·
Identificação de marcas do discurso oral que indiquem ironia, humor, hesitação,

surpresa.

·
Escuta de textos dos gêneros diálogo, conversa informal, conversa telefônica,

buscando compreensão dos elementos linguístico-discursivos que os constituem.

·
Leitura em voz alta e compreensão de textos orais dos gêneros conversa informal,

entrevista, anúncio, entre outros, observando padrões de pronúncia, ritmo e entonação

da língua inglesa.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Realização de pesquisa escolar sobre alimentos, partes do corpo, entre outros temas,

promovendo a reflexão e o registro adequado das informações.

·
Reconhecimento da estrutura e da organização de dicionários bilíngues, promovendo o

emprego deles em casos de dúvida quanto à ortografia e ao significado de palavras e

buscando a familiarização com o gênero textual verbete.

·
Observação e compreensão de aspectos relacionados à produção de textos escritos de

gêneros textuais diferentes (Quem elaborou o texto? Do que ele trata? Quando foi

escrito? Para quem? De que forma? Onde foi publicado? Para quê?).

·
Apreciação de textos de diferentes gêneros, tais como letra de música, folder, rótulo de

produtos, receita culinária, cardápio de restaurante, lista de compras, infográfico, carta

de leitor, debate regrado, carta de solicitação, entre outros, buscando a compreensão

dos recursos linguístico-discursivos característicos dos gêneros, além da ampliação do

vocabulário e do repertório de práticas de leitura.

·
Reflexão sobre diferentes estratégias de leitura, tais como skimming, scanning,

construção de inferências, observação dos elementos não-verbais, entre outras, e sobre

a importância da adequação destas aos propósitos comunicativos.

·
Investigação sobre e reconhecimento de características lexicais e sintáticas de textos

argumentativos.

3. Eixo Estruturante - Produção de textos escritos


·
Produção de textos dos gêneros folder, rótulo de produtos, receita culinária, cardápio

de restaurante, lista de compras, infográfico, carta de leitor, debate regrado, carta de

solicitação, entre outros, após a leitura de outros textos do gênero e a compreensão da

organização textual e dos recursos linguístico-discursivos utilizados no mesmo.

·
Produção (individual ou coletiva) de glossário com termos referentes às temáticas

abordadas no bimestre, contendo figuras, quando pertinentes, e informações como a

classe de palavra a que pertence o vocábulo e exemplo de uso.

·
Reflexão sobre as condições de produção de textos (quem escreve, sobre o que

escreve; para quem e para quê; de que forma se escreve) e compreensão das diferenças

que marcam o processo de produção de textos de gêneros diversos.

·
Reflexão sobre as etapas possíveis, considerando-se as condições de produção e os

propósitos comunicativos, do processo de redação: planejamento, escrita, revisão e

reescrita do texto.

·
Elaboração de cartazes, listas ou painéis contendo expressões úteis, e que demonstram

polidez, no contexto da sala de aula, tais como
“May I come in?”, “May I go to the

restroom?”, “How do you say it in English?”,

entre outras.

·
Reflexão sobre as características linguístico-discursivas a serem utilizadas na

produção de textos de acordo com o gênero textual e em função do contexto e dos

propósitos comunicativos.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Emprego adequado, na produção e compreensão de textos orais e escritos, das formas

dos verbos
to be e to have no presente simples.

·
Compreensão do morfema –s como indicador de plural e reconhecimento de

substantivos que têm o plural formado de maneiras distintas.

·
Compreensão da ordem das palavras frequentemente empregada em sentenças em

inglês.

·
Compreensão do processo de formação de palavras por meio do acréscimo de prefixos

e sufixos, tais como
un-, dis-, -ly, promovendo a elaboração de inferências e ampliação

do vocabulário.

·
Reconhecimento e emprego adequado de advérbios de frequência, adjetivos e

pronomes possessivos e exame das funções morfossintáticas exercidas por eles

·
Observação das question tags em contextos de uso, promovendo tanto a elaboração de

conclusões sobre sua estrutura quanto seu emprego adequado.

II BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de textos orais


·
Compreensão e expressão de habilidades/capacidades, empregando o verbo modal

can

, atendendo a diferentes intenções e situações comunicativas.

·
Emprego dos recursos linguísticos adequados para fazer, aceitar ou recusar oferta ou

convite, bem como para elogiar, pedir desculpas e agradecer, observando as diferentes

intenções e situações comunicativas.

·
Orientação e realização de atividades a partir de comandos orais emitidos pelo(a)

professor(a), tais como instruções para organizar-se em fileiras ou em círculo,

sentados ou em pé, em silêncio ou interagindo com os colegas.

·
Investigação sobre as relações entre a grafia e a pronúncia de vocábulos da língua

inglesa, buscando compreender os padrões existentes, especialmente acerca dos

dígrafos ch, gh, ph, sh, th.

·
Escuta de textos dos gêneros recado e mensagem eletrônica, buscando compreensão

dos elementos linguístico-discursivos que os constituem.

·
Identificação de informações específicas em textos orais, tais como nomes dos falantes

envolvidos, números ou locais mencionados, buscando o registro adequado dessas

informações.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Realização de pesquisa escolar sobre membros da família (destacando a pluralidade de

organizações possíveis entre as famílias em diferentes partes do mundo), profissões,

entre outros temas, promovendo a reflexão e o registro adequado das informações.

·
Investigação sobre e reconhecimento de características lexicais, sintáticas, textuais e

pragmáticas de textos narrativos.

·
Apreciação de textos de diferentes gêneros, tais como letra de música, fábula, poema,

conto, biografia, árvore genealógica, história em quadrinhos, entre outros, buscando a

compreensão dos recursos linguístico-discursivos característicos dos gêneros, além da

ampliação do vocabulário e do repertório de práticas de leitura.

·
Ordenação dos parágrafos em um texto a partir da observação da progressão temática.

·
Elaboração de previsões sobre a sequência de eventos em uma narrativa, por meio da

estratégia de antecipação da leitura.

·
Observação e compreensão de aspectos relacionados à produção de textos escritos de

gêneros textuais diferentes (Quem elaborou o texto? Do que ele trata? Quando foi

escrito? Para quem? De que forma? Onde foi publicado? Para quê?).

3. Eixo Estruturante – Produção de Textos escritos


·
Produção de textos dos gêneros biografia, árvore genealógica, história em quadrinhos,

entre outros, após a leitura de outros textos do gênero e a compreensão da organização

textual e dos recursos linguístico-discursivos utilizados no mesmo.

·
Produção (individual ou coletiva) de glossário com termos referentes às temáticas

abordadas no bimestre, contendo figuras, quando pertinentes, e informações como a

classe de palavra a que pertence o vocábulo e exemplo de uso.

·
Reflexão sobre as condições de produção de textos (quem escreve, sobre o que

escreve; para quem e para quê; de que forma se escreve) e compreensão das diferenças

que marcam o processo de produção de textos de gêneros diversos.

·
Emprego de recursos coesivos tais como pronomes e conjunções, entre outros, em

situações de uso.

·
Atividades de retextualização a partir da leitura de textos narrativos (verbais e nãoverbais),

possibilitando a expressão de opiniões e sentimentos relativos ao(s) texto(s)

lido(s).

·
Elaboração, reelaboração ou modificação de falas de personagens em uma narrativa,

estimulando a criatividade e o respeito às diferenças no que diz respeito a gênero,

etnia, classe social, orientação sexual e idade.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Emprego adequado, na produção e compreensão de textos orais e escritos, dos tempos

verbais
simple past e past continuous, observando a situação de uso e os propósitos

comunicativos.

·
Compreensão do conceito de collocations (combinações de palavras que

frequentemente ocorrem juntas) e associação de palavras novas com outras de classe

gramatical diferente, em pares como
advérbio + adjetivo; adjetivo + substantivo;

verbo +substantivo; verbo + advérbio

, entre outros.

·
Observação e análise de advérbios que indicam tempo, tais como now, then, today,

tomorrow, tonight, yesterday

; before, earlier, later, next, entre outros, em contextos de

uso, promovendo a compreensão de suas funções na organização de textos narrativos e

de outros tipos.

·
Compreensão, em situações de uso, dos pronomes demonstrativos e de conjunções que

expressam contraste, tais como
but, yet, however, although e exame das funções

morfossintáticas exercidas por elas.

·
Observação e análise de aspectos linguístico-gramaticais característicos de sequências

narrativas, dentre os quais o emprego dos discursos direto e indireto e recursos como

pontuação (uso da vírgula, aspas, travessão), uso e função do vocativo, emprego de

letra maiúscula, entre outros.

·
Investigação sobre e emprego adequado dos verbos modais can e may na produção e

compreensão de textos orais e escritos.

III BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de textos orais


·
Emprego dos recursos linguísticos adequados para dizer que não entendeu/pedir para

repetir/interromper a fala de alguém, observando as diferentes intenções e situações

comunicativas.

·
Identificação de traços de formalidade e informalidade em textos orais.

·
Orientação e realização de atividades a partir de comandos orais emitidos pelo(a)

professor(a), tais como instruções para utilizar o caderno, abrir o livro em determinada

página/capítulo, procurar palavras no dicionário, escrever no quadro, entre outras.

·
Identificação e emprego adequado de diferentes padrões de entonação, tais como

aqueles empregados para demonstrar surpresa, afeição, insatisfação, entre outros, de

acordo com o propósito comunicativo e a situação de produção.

·
Investigação acerca dos recursos linguísticos comumente empregados em conversas

telefônicas, para atender, identificar-se, perguntar sobre quem fala.

·
Leitura em voz alta e compreensão de textos orais dos gêneros letra de música, relato

de acontecimentos, poema, entre outros, observando padrões de pronúncia, ritmo e

entonação da língua inglesa.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos escritos


·
Realização de pesquisa escolar sobre roupas, cores, características físicas das pessoas,

entre outros temas, promovendo a reflexão sobre a diversidade humana e contribuindo

para a superação dos estereótipos e preconceitos relacionados às questões de gênero,

classe social, etnia, orientação sexual e idade.

·
Investigação sobre e reconhecimento de características lexicais, sintáticas, textuais e

pragmáticas de textos descritivos.

·
Apreciação de textos de diferentes gêneros, tais como bula de remédio, rótulo de

produtos, classificados, boletim de ocorrência, aviso, infográfico, fábula, entre outros,

buscando a compreensão dos recursos linguístico-discursivos característicos dos

gêneros, além da ampliação do vocabulário e do repertório de práticas de leitura.

·
Articulação entre imagens e textos verbais do tipo descritivo, como, por exemplo, por

meio da atividade de identificar a ilustração a que se refere um texto escrito,

promovendo a busca por informações que permitam essa associação.

·
Compreensão do emprego de recursos de referência (lexicais e gramaticais) e dos

conectivos para indicar a articulação entre ideias no texto.

·
Compreensão do efeito provocado pelo uso de sinais de pontuação, reconhecendo as

palavras em inglês usadas para designá-los, observando a situação e os propósitos

comunicativos.

3. Eixo Estruturante - Produção de textos escritos


·
Produção de textos dos gêneros embalagem de remédio, rótulo de produtos,

classificados, boletim de ocorrência, aviso, entre outros, após a leitura de outros textos

do gênero e a compreensão da organização textual e dos recursos linguísticodiscursivos

utilizados no mesmo.

·
Produção (individual ou coletiva) de glossário com termos referentes às temáticas

abordadas no bimestre, contendo figuras, quando pertinentes, e informações como a

classe de palavra a que pertence o vocábulo e exemplo de uso.

·
Emprego de sinônimos e hiperônimos como recursos que contribuem para a coesão

textual.

·
Produção de textos não-verbais a partir de textos verbais (imagens baseados em

descrições físicas, por exemplo) e vice-versa.

·
Emprego adequado, considerando os efeitos pretendidos, de recursos como sinais de

pontuação, aspas, letras maiúsculas.

4. Eixo estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Emprego adequado, na produção e compreensão de textos orais e escritos, do presente

perfect tense

, contrastando suas funções com as do simple past e do simple present e

observando a situação de uso e os propósitos comunicativos.

·
Reconhecimento e emprego adequado dos pronomes pessoais de sujeito e objeto e dos

reflexivos e exame das funções morfossintáticas exercidas por eles.

·
Investigação e compreensão sobre indicadores de adição, contraste/comparação,

sequência, consequência, exemplificação, em situações de uso.

·
Investigação acerca de aproximações semânticas entre palavras da língua estrangeira e

da língua materna, e associação de palavras novas com outras do mesmo campo

semântico.

·
Compreensão do processo de formação de palavras por meio do acréscimo de prefixos

e sufixos, tais como
mis-, -less, -ness, promovendo a elaboração de inferências e

ampliação do vocabulário.

·
Observação e emprego adequado do grau dos adjetivos (comparative and superlative

degrees

), observando as situações e propósitos comunicativos e identificando, por

exemplo, efeitos de ironia derivados do uso dessas formas.

IV BIMESTRE

1. Eixo Estruturante - Produção e compreensão de textos orais


·
Leitura em voz alta e compreensão de textos orais dos gêneros programa de rádio ou

de TV, anedota, trava-línguas, enquete, entre outros, observando padrões de

pronúncia, ritmo e entonação na língua inglesa.

·
Emprego dos recursos linguísticos adequados para fornecer e pedir informações sobre

direções, bem como para oferecer, recusar ou aceitar ajuda e/ou conselhos, observando

as diferentes intenções e situações comunicativas.

·
Identificação da função sociocomunicativa e dos interlocutores envolvidos em textos

de diferentes gêneros orais.

·
Compreensão de marcas do discurso oral, tais como pausas, hesitações, reelaboração,

em situações de uso, observando as funções desses recursos linguísticos.

·
Orientação e realização de atividades a partir de comandos orais emitidos pelo(a)

professor(a), tais como instruções para usar um aparelho, montar um objeto, participar

de um jogo, encontrar objetos e chegar a determinado lugar.

·
Escuta de textos dos gêneros diálogo, conversa informal, aviso, enquete, entre outros,

buscando o registro adequado de informações e observando o contexto e os propósitos

comunicativos.

2. Eixo Estruturante - Leitura e compreensão de textos


·
Realização de pesquisa escolar sobre partes da casa, objetos escolares, profissionais

que atuam na escola, cuidados com a higiene e com o meio ambiente, entre outros

temas, promovendo a adoção de práticas saudáveis e sustentáveis.

·
Investigação sobre e reconhecimento de características lexicais, sintáticas, textuais e

pragmáticas de textos injuntivos.

·
Apreciação de textos de diferentes gêneros, tais como bula de remédio, manual,

instruções de uso, receita culinária, convite, provérbio, horóscopo, guia turístico, entre

outros, buscando a compreensão dos recursos linguístico-discursivos característicos

neles, além da ampliação do vocabulário e do repertório de práticas de leitura.

·
Compreensão do efeito provocado pelo uso adequado de sinais de pontuação,

reconhecendo as palavras em inglês usadas para designá-los, observando a situação e

os propósitos comunicativos.

·
Realização de atividades a partir da leitura de textos do tipo injuntivo, formulando

hipóteses e fazendo inferências para a compreensão do significado de palavras e

expressões desconhecidas.

·
Estabelecimento de relações de intertextualidade a partir da leitura de textos verbais e

não-verbais, e elaboração de coletâneas e seleções de textos com temáticas

semelhantes.

3. Eixo Estruturante - Produção de textos escritos


·
Produção de textos dos gêneros manual, instruções de uso, receita culinária, convite,

guia turístico, após a leitura de outros textos desses gêneros e a compreensão da

organização textual dos mesmos, empregando os recursos linguístico-discursivos

adequados aos propósitos comunicativos.

·
Reflexão sobre as condições de produção de textos (quem escreve; para quem e para

quê; de que forma se escreve) e compreensão das diferenças que marcam o processo de

produção de textos de gêneros diversos.

·
Emprego de recursos de referência lexicais, por meio do uso de sinônimos, e

gramaticais, por meio da utilização adequada de artigos, pronomes e conectivos, para

indicar articulação entre ideias de um texto.

·
Produção de textos contendo instruções sobre como chegar a determinado lugar, a

partir da leitura de mapas, buscando adequação aos propósitos comunicativos e

utilizando os recursos linguístico-discursivos necessários.

4. Eixo Estruturante - Análise linguística e reflexão sobre a língua


·
Emprego adequado, na produção e compreensão de textos orais e escritos, do futuro

simples (com
will) e do futuro com “going to”, observando a situação de uso e os

propósitos comunicativos.

·
Reconhecimento e emprego adequado das preposições que indicam lugar (in, on, at),

posição (
above, behind, between, next to, under), além daquelas utilizadas na função de

informar direções (
across from, in front of, straight ahead, on the left/right),

observando-se a situação e os propósitos comunicativos.

·
Investigação sobre e emprego adequado dos verbos modais must e should na produção

e compreensão de textos orais e escritos, observando suas funções e buscando

adequação ao contexto e aos propósitos comunicativos.

·
Observação da voz passiva em contextos de uso, promovendo tanto a elaboração de

conclusões sobre sua estrutura quanto seu emprego adequado, de acordo com a

situação e os propósitos comunicativos.

·
Investigação sobre as sentenças condicionais (if clauses) e emprego delas em textos

orais e escritos.

·
Investigação sobre expressões idiomáticas da língua inglesa (idioms), promovendo

reflexão sobre seus usos e funções, bem como sobre sua utilização e importância

também na língua materna (por exemplo, a partir do levantamento do significado de

expressões idiomáticas conhecidas e empregadas por pessoas idosas, promovendo a

valorização dos discursos desses sujeitos).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ANTUNES, Irandé.
Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Os
gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo:

Martins Fontes, 2003.

BRASIL.
Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

_______.
PCN Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros

Curriculares Nacionais.

Vol. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília:

MEC/Semtec, 2002.

_______.
Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Vol. Linguagens, Códigos e suas

Tecnologias. Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

DOLZ et al. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento.

In: SCHNEWLY, B.; DOLZ J.
Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado

de Letras, 2004.

LIMA, Diógenes Cândido de (org.)
Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com

especialistas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BRASIL. PCN+: Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

PERNAMBUCO.
Base Curricular Comum para as Redes Públicas de Ensino de Pernambuco


BCC, Língua Portuguesa. Recife: SEE, 2008.

______.
Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio – Língua Portuguesa.

Recife: SEE, 2008.

POSSENTI, Sírio.
Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: SP: 1996.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.


 

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS,

 ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

  UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

 

 

 

 

 

 

ORIENTAÇÕES TEÓRICO–METODOLÓGICAS

 

 

 

 

 

BIOLOGIA

 

 

 

 

 

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS–ENSINO MÉDIO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 RECIFE – 2012

 

 

 




 

 SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS,

ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

  UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

 

 

 

 

Governo do Estado de Pernambuco

Eduardo Henrique Accioly Campos

 

 

Secretaria de Educação do Estado

Anderson Stevens Leônidas Gomes

 

 

Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação

Ana Coelho Vieira Selva

 

 

Secretaria Executiva de Desenvolvimento de Rede

Margareth Costa Zaponi

 

 

Secretaria Executiva de Educação Profissional

Paulo Fernando Vasconcelos Dutra

 

 

Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Claudia Mendes de Abreu

 

 

Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Maria Cândida Sérgio

 

 

 

 

 

 

 


Equipe Técnica/Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens,

Adultos e Idosos - UEJAI

 

Claudia Mendes de Abreu

Maria Cândida Sérgio

 

Anair Silva Lins e Mello

Célia Cristina de Siqueira Cavalcanti Veras

Danielle de Mota Bastos

Diego Bruno Barbosa Felix

Enildo Luiz Gouveia

Jandy Feitosa Carlos da Silva

Josinete  Ferreira de Abreu

Maria Auxiliadora de Almeida

Monica Dias do Nascimento

Roberto de Carvalho Ventura

Rosa Maria de Souza Leal Santos

Thiago de Oliveira Reis Marques Freire

Verônica Luzia Gomes de Sousa

 

 

 

 

 



SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS,

ADULTOS E IDOSOS – GEJA

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS - UEJAI

Coordenação:

Maria Cândida Sérgio – GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos - UEJAI

Equipe de elaboração:

Maria de Fátima de Andrade Bezerra – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio (GPEM).

Rita Patrícia Almeida de Oliveira - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio (GPEM).

Roberto de Carvalho Ventura – Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas de Jovens Adultos e Idosos (GEJA).

Sueli Tavares de Souza Silva – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio (GPEM).

Valderês da Conceição do Monte – Técnica Pedagógica da Unidade de Desenvolvimento do Ensino da Gerência Regional de Educação Metropolitana Sul.

Verônica Luzia Gomes de Sousa – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos (GEJA).

Revisão:

Danielle da Mota Bastos - Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Rosa Maria de Souza Leal Santos – Técnica Pedagógica da Gerência de Políticas da            Educação de Jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

Diego Bruno Barbosa Felix - Técnico Pedagógico da Gerência de Políticas da            Educação de jovens, Adultos e Idosos (GEJA)

APRESENTAÇÃO

 

A Secretaria de Educação de Pernambuco – Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos (GEJA) – voltada para a garantia de uma Educação na perspectiva da formação ao longo da vida para aqueles(as) que não tiveram oportunidade em idade própria, em situação de privação de liberdade e pela inclusão sociocultural, apresenta as Orientações Teórico-Metodológicas (OTM) com a finalidade de subsidiar o processo de reorganização curricular das escolas que atendem os estudantes da EJA.

Em sua organização, este documento seleciona algumas orientações metodológicas e conteúdos como sugestões para o trabalho do(a) professor(a) em sala de aula, contribuindo para a prática pedagógica no Ensino Fundamental e  Ensino Médio da EJA.

Assim, as metodologias apontadas buscam atender às necessidades e às especificidades desses estudantes, bem como às condições de trabalho dos(as) professores(as).

Neste cenário, a oferta de um ensino de qualidade aos jovens, adultos e idosos é uma necessidade urgente para contribuir com a elevação da escolaridade para que esses estudantes possam ter melhores chances de inserção no mundo do trabalho e no seu contexto sociocultural.

Para tanto, a construção das Orientações Teórico-Metodológicas tomou como referência os documentos oficiais que norteiam os princípios da modalidade, tais como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, Nº 9.394/96, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos: Parecer Nº 11/2000 CNE 1/2000, Resolução CNE – CEB 1/2000, Base Curricular Comum do Estado de Pernambuco – BCC, Parâmetros Curriculares para a EJA e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio.

Nesse processo, é importante salientar a participação dos(as) técnicos(as)  de ensino das dezessete Gerências Regionais de Educação, da Gerência de Políticas da Educação Infantil e Ensino Fundamental, da Gerência de Políticas Educacionais para o Ensino Médio, da Gerência de Políticas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, dos Coordenadores(as) da EJA das dezessete Gerências Regionais de Educação e dos Educadores de Apoio que atuam na EJA no estado.

Foram contribuições qualitativas e quantitativas ao longo desse processo que resultaram neste documento – em versão preliminar, mas que já apresenta a identidade da referida modalidade de ensino – elemento que contribui para o currículo e para a prática pedagógica.

Entendendo-se a relevância deste trabalho coletivo, as OTM representam um avanço para o nosso Estado, possibilitando aos(às) professores(as) mais um instrumento de apoio e possibilidades na reorganização curricular para a EJA. Assim, esperamos contribuir para reflexões e discussões no interior da escola a serem realizadas pelos sujeitos educativos, no intuito de que a prática pedagógica seja de fato uma ação voltada para o exercício da cidadania dos estudantes da Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

 

 

 

 

Gerência da Educação de Jovens, Adultos e Idosos

Claudia Mendes de Abreu

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

GERÊNCIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS,

ADULTOS E IDOSOS (GEJA)

UNIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS (UEJAI)

 

 

ORIENTAÇÃO TEÓRICO-METODOLÓGICA

 

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E IDOSOS–ENSINO MÉDIO

 

COMPONENTE CURRICULAR: BIOLOGIA

 

MÓDULO 1

 

OBJETIVO:

 

Compreender como se deu a evolução dos seres vivos desde os coacervados, a célula, até os seres vivos mais complexos do meio ambiente, considerando-se as leis genéticas e o equilíbrio ecológico e sua influência no bem estar social e na saúde humana.

 

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

·   Conhecer os níveis de organização estruturais, em Ecologia, diferenciando cadeias e teias alimentares, reconhecendo o fluxo energético entre as relações alimentares.

·   Construir a noção de saúde levando em conta as condições biológicas, tais como sexo, idade, fatores genéticos e os condicionantes sociais, econômicos, ambientais e culturais como nível de renda, escolaridade, estilos de vida, estado nutricional, possibilidades de lazer, qualidade de transporte, condições de saneamento.

·   Reconhecer mecanismos de transmissão da vida, prevendo ou explicando a manifestação de características dos seres vivos.

·   Compreender o papel da evolução na produção de padrões, processos biológicos ou na organização taxonômica dos seres vivos.

·    Analisar os reinos Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animal na perspectiva das suas contribuições para a saúde.

·   Compreender os mecanismos básicos da hereditariedade, da expressão e da transmissão dos caracteres hereditários, a partir das leis mendelianas.

·   Reconhecer a importância dos trabalhos de Lamarck e Darwin na contribuição para a compreensão da evolução.

1. Eixo Estruturante: INTERAÇÃO ENTRE OS SERES VIVOS

·   Conhecimento dos conceitos estruturantes da Ecologia e a importância destes  na preservação do meio ambiente.

·    Identificação das interações alimentares entre os seres vivos através do estudo das cadeias e teias em um ecossistema.

2. Eixo Estruturante: QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS

·    Construção do conhecimento científico sobre saúde, associado ao conhecimento tradicional, levando em consideração as condições biológicas, sociais, ambientais e culturais dos Jovens, Adultos e Idosos.

3. Eixo Estruturante: IDENTIDADE DOS SERES VIVOS

·   Importância do Método Científico na compreensão do estudo da vida, evidenciando as diversas subdivisões da Biologia.

·   Reconhecimento das teorias que envolvem a origem da vida (formação dos primeiros seres vivos) e os processos evolutivos dos coacervados e a primeira célula.

4. Eixo Estruturante: DIVERSIDADE DA VIDA

·    Compreensão da evolução a partir dos diferentes reinos, incluindo os vírus como uma forma particular de vida, contemplando os seres vivos de importância médica e econômica para os seres vivos.

5. Eixo Estruturante: TRANSMISSÃO DA VIDA, ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA

·    Compreensão dos mecanismos básicos da hereditariedade, de expressão e transmissão dos caracteres hereditários, a partir das leis mendelianas.

6. Eixo Estruturante: ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA

·    Reconhecimento da importância dos trabalhos de Lamarck e Darwin na contribuição para a compreensão da evolução.

 

 

 

 

 

MÓDULO 2

 

OBJETIVO:

 

Conhece tipos de relações ecológicas, identificando os fatores que regulam as populações e determinam as características de um ecossistema, bem como o aparecimento de diferentes tipos de doenças levando em consideração as condições socioeconômicas e hereditárias, compreendendo a organização celular, anatômico e fisiológico dos seres vivos e o processo de adaptação pela ação da seleção natural.

 

 

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

·   Compreender os processos ecológicos, a importância para o equilíbrio dos ecossistemas, reconhecendo as relações entre os seres vivos de uma comunidade e a ecologia de suas populações.

·   Relacionar as condições socioeconômicas com a qualidade de vida das populações humanas como fator determinante de diversos tipos de doenças, com ênfase na criança e no idoso.

·   Compreender a célula como unidade básica dos seres vivos identificando a variação entre os diferentes tipos de células, suas estruturas e funções, e as etapas das divisões celulares e sua importância.

·   Compreender os princípios morfológicos e fisiológicos que se aplicam aos seres vivos, evidenciando a filogenia anatômica e fisiológica dos diferentes reinos.

·   Analisar aspectos genéticos do funcionamento do corpo humano relacionados aos antígenos e anticorpos como os grupos sanguíneos e suas incompatibilidades, transplantes e doenças autoimunes, identificando os diferentes tipos de heranças genéticas de acordo com a localização dos genes nos cromossomos.

·   Elaborar explicações sobre a evolução das espécies, considerando os mecanismos de mutação, recombinação gênica e seleção natural.

1. Eixo Estruturante: INTERAÇÃO ENTRE OS SERES VIVOS

· Conhecimento e compreensão dos principais tipos de relações ecológicas intraespecíficas e interespecíficas entre os seres vivos.

·    Compreensão dos fatores que regulam o tamanho de populações biológicas, reconhecendo a tendência de crescimento das populações humanas, compreendendo os riscos da explosão demográfica, discutindo e formando opinião sobre controle de natalidade, planejamento familiar e sociedade sustentável.

·    Compreensão do conceito sobre sucessão ecológica e das principais tendências observadas no decorrer dela, como, aumentos da biomassa, da estabilidade e da biodiversidade, identificando as características e localização dos principais ecossistemas brasileiros.

 

2. Eixo Estruturante: QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS

·    Percepção da relação que existe entre as condições socioeconômicas com a qualidade de vida das populações humanas, enfatizando a criança e o idoso, como fator determinante para o aparecimento de diversos tipos de doenças.

3. Eixo Estruturante: IDENTIDADE DOS SERES VIVOS

·      Reconhecimento da célula como unidade básica dos seres vivos, identificando a variação entre os diferentes tipos de células, suas estruturas e funções, compreendendo a importância e as etapas das divisões celulares e da dinâmica da célula no processo de envelhecimento humano.

4. Eixo Estruturante: DIVERSIDADE DA VIDA

·    Compreensão da filogenia nos diferentes reinos e sua importância para a Biologia no entendimento da anatomia e fisiologia dos seres vivos.

5. Eixo Estruturante: TRANSMISSÃO DA VIDA, ÉTICA E MANIPULAÇÃO

·    Conhecimento dos aspectos genéticos do funcionamento do corpo humano relacionados ao funcionamento dos antígenos e anticorpos (grupos sanguíneos e transplantes), bem como as doenças autoimunes, identificando os diferentes tipos de heranças apresentadas pelo indivíduo.

6. Eixo Estruturante: ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA

·    Elaboração das explicações sobre a evolução das espécies, considerando os mecanismos de mutação, recombinação gênica e seleção natural.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MÓDULO 3

 

OBJETIVO:

 

Reconhecer os elementos químicos da natureza, destacando a importância destes nutrientes para os seres vivos, nos diferentes biomas brasileiros com conhecimento de sua sustentabilidade, reconhecendo a importância da ética no uso da biotecnologia para promover a saúde e a qualidade de vida observando os fatores que condicionam a variabilidade gênica na evolução.

 

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

·   Traçar o circuito de determinados elementos químicos como o carbono, oxigênio e nitrogênio, colocando em evidência o deslocamento desses elementos entre o mundo inorgânico (solo, água, ar) e o mundo orgânico (tecidos, fluidos, estruturas animais e vegetais).

·   Perceber que o desenvolvimento sustentável de uma sociedade só será possível com a redução das desigualdades sociais, com políticas voltadas para a vulnerabilidade da criança e do idoso, propondo soluções para os problemas ambientais.

·   Correlacionar os dados de saneamento com os da mortalidade infantil e a saúde do idoso estabelecendo a relação entre a dinâmica dos seres patogênicos com as condições ambientais e sócio-econômico-culturais, reconhecendo os vetores de doenças bem como os mecanismos eficazes de seu controle.

·   Compreender a importância das substâncias nutritivas, suas contribuições para o desenvolvimento dos seres vivos e prevenção de doenças, reconhecendo, também, a importância das substâncias químicas em reações bioenergéticas e estruturais no organismo vivo, bem como suas fontes e as consequências no organismo em decorrência de sua carência e excesso no metabolismo, principalmente, da criança e do idoso.

·   Reconhecer as principais características da fauna e da flora dos grandes biomas terrestres, especialmente dos brasileiros.

·   Diferenciar os diversos processos de mutações, ligações gênicas e mapeamento cromossômico, e suas referidas implicações na determinação dos fenótipos.

·   Compreender que as variações genéticas são influenciadas por diversos fatores e contribuem para a evolução das espécies.

·   Reconhecer os avanços biotecnológicos, sobretudo os genéticos para o melhoramento na qualidade de vida e na contribuição do processo de longevidade do Idoso, levando em consideração os valores bioéticos.

 

 

 

 

1. Eixo Estruturante: INTERAÇÃO ENTRE OS SERES VIVOS

·    Reconhecimento do comportamento cíclico dos elementos químicos que constituem as substâncias orgânicas, representando através de esquemas, as etapas fundamentais dos ciclos da água, do carbono, do nitrogênio, do oxigênio e do fósforo.

·   Compreensão da importância do desenvolvimento sustentável em uma sociedade para que ocorra a redução das desigualdades sociais, propondo soluções para os problemas ambientais com base nos conhecimentos científicos.

2. Eixo Estruturante: QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS

·    Entender a importância de uma boa  alimentação, habitação, saneamento básico e tratamento de água, na prevenção de doenças, reconhecendo seus vetores e os mecanismos eficazes de seu controle, para a diminuição da mortalidade da criança e na saúde do idoso.

3. Eixo Estruturante: IDENTIDADE DOS SERES VIVOS

·   Compreensão da importância das substâncias químicas da célula para o desenvolvimento dos seres vivos, reconhecendo a importância destas substâncias nas reações bioenergéticas e estruturais em decorrência de sua carência e excesso.

4. Eixo Estruturante: DIVERSIDADE DA VIDA

·    Reconhecimento das principais características da fauna e da flora dos grandes biomas terrestres, especialmente dos brasileiros.

5. Eixo Estruturante: TRANSMISSÃO DA VIDA, ÉTICA E MANIPULAÇÃO

·     Conhecimento e compreensão dos diversos processos de mutações, ligações gênicas, herança ligada ao sexo, mapeamento cromossômico, e suas referidas implicações na determinação dos fenótipos.

·   Reconhecimento da importância dos avanços biotecnológicos através dos seguintes temas: enzimas de restrição, DNA recombinante, clonagem, células tronco, projeto genoma, terapia gênica e aconselhamento genético, tão disseminado na área da biotecnologia, deixando o cidadão informado dos benefícios e riscos de sua aplicação.

6. Eixo Estruturante: ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA

·   Compreender que as variações genéticas são influenciadas por diversos fatores que contribuem para a evolução das espécies.

·   REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio PCN+ Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília/D.F: MEC – Secretaria de Educação Média e Tecnológica (SEMTEC), 2002. 144p.

 

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental PCN Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: <www.portal.mec.gov.br> Acesso em 06 de fev. 2012.

 

PERNAMBUCO. Secretaria de Educação, Cultura e Esportes. Diretoria de Educação Escolar. Subsídios para organização prática pedagógica nas escolas: Ciências e Biologia/ Secretaria de Educação, Cultura, e Esportes de Pernambuco. Recife: SECE, 1992. 1. CURRÍCULO – CIÊNCIAS E BIOLOGIA. 2. Programa 1992. Ciências e Biologia. 3. Proposta Educacional, 1992.

 

SUGESTÕES PARA O PROFESSOR

 

SITES

·         http://www.biomania.com.br

·         http://www.drauziovarella.com.br

·         http://www.jornaldomeioambiente.com.br

·         http://www.nationalgeographic.com

·         http://www.portalsaofrancisco.com.br



·         http://www.saudegratuita.com.br

·         http://www.sucen.sp.gov.br



·         http://www2.uol.com.br/sciam/

LIVROS

AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume Único. São Paulo: Moderna, 1998.

BARROS, I. C. L.; PORTO, K. C.; CHAMIXAES, C. B. C. B.; MARIZ, G. Manual de Práticas de Criptógamos. Recife: Ed. Universitária, 1990.

BOLSANELLO, A. Grande Manual de Biologia. São Paulo: Cone, 1996.

CARVALHO, W. Biologia em Foco. v. 2. São Paulo: FTD, 2003.

CARVALHO, W. Biologia em Foco. v. 3. São Paulo: FTD, 2003.

CUNHA, P.; MONTANARI, V. Evolução do Bicho-Homem. 2. São Paulo: Ed. Moderna, 1996 (Desafios).

DE ROBERTS, E. D. P. Bases de Biologia Celular e Molecular. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1985.

FACCHINI, F. (tradução de Rosa Visconti Rono e Sophia Visconti). Origem e Evolução – O homem. São Paulo: Moderna, 1997.

FERRI, M. G.; MENEZES, N. L.; MONTEIRO, W. R. Glossário ilustrado de Botânica. São Paulo: Nobel, 1989.

GEWANDSZNAJDER, F.; LINHARES, S. Biologia Hoje. v. 2. 7. São Paulo: Ed. Ática 1998.

GEWANDSZNAJDER, F.; LINHARES, S. Biologia Hoje. v. 3. 7. São Paulo: Ed. Ática, 1998.

GOWDAK, D. Biologia. Volume 2 e 3. São Paulo: FTD, 2003.

JUNQUEIRA, L. C. U.; CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular. Rio de Janeiro: Guanabara: Koogan, 1997.

KRASILCHIK, M. Práticas de Ensino de Biologia. São Paulo: Edusp, 2004.

LESSA, O. Dicionário Básico de Biologia. Rio de Janeiro: Ed. Ciência Moderna, 2007.

LOPES, S. Bio. Volume Único. São Paulo: Ed. Saraiva, 2004.

MOISÉS, H.; SANTOS, T. Biologia. São Paulo: Nova Cultural, 1993.

PAULINO, W. R. Biologia. Volume Único. São Paulo: Ed. Ática, 2004.

PEREIRA, A. B; PUTZKE, J. Ensino de Botânica e Ecologia – Proposta Metodológica. Porto Alegre: Sagra- D. C. Luzzatto, 1996.

 

REVISTAS

 

EDUCAÇÃO. São Paulo: Ed. Segmento, publicação Mensal.

 

ÉPOCA. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 2003 Publicação Semanal.

 

GALILEU. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 2007 – 2009. Publicação Mensal

 

GLOBO CIÊNCIAS. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 2006. Publicação Semanal.

 

ISTO É: São Paulo: Ed. Três, 2003. Publicação Semanal.

 

NATIONAL GEOGRAPHIC – Brasil. São Paulo: Ed. Abril, 2007 – 2009. Publicação Mensal.

 

REVISTA NOVA ESCOLA. São Paulo: Ed. Abril, 1985-2008. Publicação Mensal

REVISTA SUPER INTERESSANTE. São Paulo: Ed. Abril, 1987-2008. Publicação Mensal.

 

IMAGEM EM MOVIMENTO: FILMES, DVD, DOCUMENTÁRIOS ENTRE OUTROS

 

A GUERRA DO FOGO – Direção: Jean-Jacques Annaaud. Produção: Michael Gruskoff, Denis Heroux, John Kremeny. Intérpretes: Evereth McGill, Ron Perlman, Nameer El-Kadi e outros. Roteiro: Gérard Brach, J. H. Rosny. Música: Philippe Sarde. Canadá, França, Estados Unidos: Fox Vídeo, 1981. I DVD (100 min)

 

GATTACA – Direção: Andrew Niccol. Produção: Danny De Vito. Intérpretes: Ethan Hawke, Uma Thurman, Jude Law e outros. Roteiro: Andrew Niccol. Música: Micharl Nyman. Estados Unidos: Columbia Pictures, 1997. 1 DVD (106 min)

 

LEONARD, A. A história das coisas. [Filme – vídeo]. Produção de Free Range Studios, Direção de Annie Leonard. 2006. 1 DVD (20min).

 

LUND, K. Bilú e João. [Filme – vídeo]. Produção de Kátia Lund, Caio Gullane, Fabiano Gullane, Débora Ivanov, Ricardo Aidar, Direção de Kátia Lund. São Paulo, nas ruas de São Paulo, 2005. 1 DVD (15 min).

 

O ÓLEO DE LORENZO – Direção: George Miller. Produção: George Miller.   Intérpretes: Nick Nolte, Susan Sarandon, Peter Ustinov e outros. Roteiro: Nick Enright, George Miller. Música: Willie Thurlow. Estados Unidos: Universal Pictures, 1992. 1 DVD (135 min).

 

PONTO DE MUTAÇÃO – Direção: Bernt Capra. Produção: Adrianna A. J. Cohen, Robin Holding, Klaus Lintschinger, Stephanne Moore. Intérpretes: Liv Ullmann, Saw Waterston e John Heard e outros. Roteiro: Floyd Byars, Fritjof Capra. Música: Philip Glass. Estados Unidos: Cannes Home Vídeo, 1991. 1 DVD (112min)

 

WALKER, L.; JARDIM, J.; HARLEY, K. Lixo extraordinário. [Filme – vídeo]. Produção de Angus Aynsley e Hank Levine, Direção de Lucy Walker. Rio de Janeiro, Jardim Gramacho, 2009. 1 DVD (99 min).

 

<